O que podemos aprender com a DEPRESSÃO, a DOR, PERDAS, DIFICULDADES

O que podemos aprender com a DEPRESSÃO, a DOR, PERDAS, DIFICULDADES

Se tem uma afirmação realista é que ninguém sai o mesmo de uma depressão, de perdas e ou dificuldades. Este é um tema que tem permeado muitas sessões de psicoterapia nos últimos 6 meses.

Muitos pacientes chegam trazendo seus diversos sofrimentos: perdas de parentes e amigos queridos fruto do COVID-19 ou outras enfermidades, acidentes, suicídios, dores por conta de adoecimentos na família, violência doméstica, relações abusivas em casa, no trabalho (home-office ou presencial), sobrecarga de demandas, exaustão, dificuldades financeiras, fechamentos de negócios, perdas de clientes, dívidas, fome, privações, etc. Sofrimentos estes que levaram muitas pessoas a quadros depressivos, transtornos de ansiedade, gatilhos para crises, luto, agravamento de transtornos de personalidade, abuso de substâncias, compulsões, entre outros.

Em algum momento, elas perceberam como suas realidades internas e externas se tornaram mais pesadas, exaustivas, adoecedoras, limitantes, paralisantes, dolorosas. Tiveram a coragem de dar um primeiro passo importante: buscar ajuda profissional de psicólogos, médicos, psiquiatras, nutricionistas, educadores físicos, entre outros profissionais de saúde, dentro das especificidades de cada caso, dentro do que elas entendiam necessitar de auxílio, orientação, cuidado, escuta, estratégias e ferramentas para atravessarem suas jornadas.

Estamos sendo testemunhas de muitas destas realidades de sofrimento, direta ou indiretamente, como parente, amigo, profissional que acompanha, orienta, dá suporte e ajuda a estas pessoas. Mas um ponto muito importante a trazer à luz na reflexão de hoje é: como é possível aprender a partir de momentos críticos. 

Situações como estas acima citadas levam cada pessoa a acessar suas vulnerabilidades, seus limites, suas necessidades emocionais, físicas, materiais não atendidas ou faltantes neste contexto, a sentir a intensidade de suas dores, que, num primeiro momento, parecem-lhes não ter fim, serem insuportáveis, limitantes, dilacerantes, cada um ao seu modo, expressando através de emoções, pensamentos, comportamentos, linguagem verbal, não verbal, num grande esforço de buscar sobreviver, tolerar, lidar, aceitar, superar, seguir em frente em suas jornadas.

Pode parecer o fim, pode até mesmo parecer contraditório, por estarmos acostumados a viver numa sociedade que estimula a supressão de dores, sintomas e sofrimentos; mas é exatamente neste encontro com as nossas vulnerabilidades que temos a oportunidade de acessar nossas centelhas de aprendizados. 

Quando vivenciamos momentos de vulnerabilidade e nos colocamos abertos a acolher nosso sofrimento, reconhecer e nomear nossas dores, perdas, temos condições de acessar no nosso sistema o que necessitamos para sobreviver, superar e seguir em frente. Temos condições de acessar nossa capacidade adaptativa, de perceber que as dores e sofrimentos são passageiros e nos trazem inúmeros ensinamentos dentro do que necessitamos aprender, tanto individual, quanto como casal, família, coletivo.

A depressão, o luto, perdas e dificuldades convida-nos a parar, desacelerar, nos colocando de frente com o não saber como seguir, com a necessidade de respeito ao tempo do corpo, da mente. Trás a oportunidade de reflexão das insatisfações, frustrações, perdas, reavaliação da vida, do que se trilhou até aqui, o que realizamos, perdas e ganhos. Chama-nos a olhar e reconhecer as mudanças de contextos, de necessidades atuais, de buscar e encontrar novos sentidos.

Por mais difícil e demorado que toda esta jornada pareça ser, certamente cada pessoa sairá diferente de como iniciou seus processos. Sairá mais resiliente, com muito mais recursos internos, com novas estratégias de enfrentamento e de regulação emocional, mais conscientes sobre suas necessidades e direitos, das escolhas a serem feitas, das responsabilidades a assumir, dos “sim” e dos “não” que deverá dizer daqui para frente,  para si mesma e para outras pessoas à sua volta. Enfim, cada indivíduo sairá com novos sentidos, novas respostas, novas possibilidades para construir um novo começo, um novo capítulo da sua jornada.

Sugestões para você continuar lendo e refletindo:

5 Estágios da Mudança

5 estágios da Mudança – parte 2

5 Estágios da Mudança – parte 3

Confinamento e seus efeitos no corpo, mente e alma

O poder do PERDÃO

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

TENDÊNCIAS SUICIDAS: quais os sinais e como lidar com a crise

TENDÊNCIAS SUICIDAS: quais os sinais e como lidar com a crise

Hoje vamos falar de um assunto de extrema importância e que ainda é um grande tabu na nossa sociedade: o suicídio. Costuma-se abordar este tema relevante durante o mês de setembro, onde acontece a campanha anual de prevenção contra o suicídio “Setembro Amarelo”. Mas isso não significa que não existam casos o tempo todo, apenas não são noticiados.

É muito importante falarmos sobre as tendências suicidas, quais sinais, como reconhecê-los e lidar com a crise, pois o número de casos vem aumentando neste contexto da pandemia, com o confinamento, aumento de quadros de ansiedade, depressão, conflitos familiares, violência doméstica, perdas afetivas, materiais e subjetivas. É uma questão prevenção urgente.

SUICÍDIO NO BRASIL

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde, o Brasil é o oitavo país no ranking  mundial de casos de suicídio. Nos últimos 28 anos, a taxa brasileira subiu para 30% de casos considerando a população nacional, um índice mais do que preocupante e que agora tem chamado ainda maior atenção por conta do contexto estressor provocado pela pandemia do coronavírus.

A rápida propagação do COVID-19 desde o último trimestre de 2019 afetou a população mundial promovendo grande medo por conta do risco real de contágio, adoecimento grave e morte por conta deste novo vírus. Fatores como isolamento social prolongado, convívio com familiares 24 horas, mudança radical de rotina, têm contribuído para o aumento dos sentimentos de angústia, tristeza, raiva, insegurança, incertezas, perda de sentido de vida, descrença, além de comportamentos de agressividade, violência, uso de substâncias psicoativas (drogas, álcool, tabagismo, etc).

TENDÊNCIAS SUICIDAS

Tendências suicidas são comportamentos sinalizadores de ideação, planejamento e risco iminente de execução de tentativa de suicídio. Infelizmente muitas pessoas ainda têm a crença de que o suicídio é “frescura”, que é coisa de quem quer chamar a atenção de outras pessoas, ou mesmo de pessoas fracas, egoístas. Mas todos estes mitos dizem respeito à falta de informação sobre o que é, bem como o julgamento das pessoas sobre aquelas que sofrem com este comportamento.

Considerar “frescura” o fato de, a cada 40 segundos no mundo, uma pessoa tira a própria vida é no mínimo falta de empatia e compaixão, sem falar na falta de informação. Sendo assim, a proposta deste artigo é exatamente levantar quais sinais de tendências suicidas mais frequentes para que possa contribuir na prevenção de novos casos. São eles:

  • Falar sobre vontade de morrer com pessoas à volta e nas redes sociais;
  • Falta de sentido de vida, falta propósito para continuar vivendo;
  • Sentir-se um peso na vida de outras pessoas, especialmente a de familiares e amigos;
  • Sentir angústia emocional insuportável a ponto de ter a estratégia do suicídio como meio de livrar-se ou aliviar este sofrimento;
  • Uso abusivo de substância psicoativas como estratégia de aliviar ou livrar-se do sofrimento (álcool, drogas em geral);
  • Pesquisar formas de se matar;
  • Agir de modo irresponsável;
  • Agitação, ansiedade, insônia;
  • Afastamento de pessoas queridas (familiares e amigos);
  • Demonstrar raiva ou vontade de vingança;
  • Apresentar alterações extremas de humor e com frequência;
  • Mudanças súbitas e marcantes no comportamento;
  • Pessimismo, negativismo, sentimento de desesperança em relação ao futuro;
  • Perda de interesse por atividades anteriormente prazerosas;
  • Doação de pertences de valor pessoal;
  • Quitação de dívidas;
  • Pesquisar e ou contratar advogado(a) para confecção de testamento, especialmente em casos sem idade avançada ou ocorrência de doenças terminais;
  • Falar sobre sentir-se pronto para morrer e diálogos com cunho de despedida.

O suicídio pode estar associado a diversos quadros como depressão, transtornos de ansiedade, casos de relacionamento abusivos, violência doméstica, uso de drogas, alcoolismo, transtorno de personalidade borderline, transtorno bipolar, esquizofrenia e muitos outros quadros psiquiátricos. Todavia é fundamental sinalizar que não é um determinante, ou seja, não necessariamente é preciso ter um transtorno psiquiátrico para apresentar comportamentos suicidas.

Algumas pessoas podem apresentá-los diante de contextos estressores prolongados e de alto impacto, que é o caso do contexto atual, diante de perdas significativas afetiva e/ou matérias, isolamento social prolongado, convívio frequente com familiares abusivos e violentos, perda de sentido e propósito, adoecimento grave ou debilitante, traumas, rejeições recorrentes, bullying, abuso sexual, entre outros.

COMO LIDAR E BUSCAR AJUDA

Estes são os sinais mais frequentes e que ao perceber em você ou identificar em algum familiar ou amigo algumas destas falas e comportamentos, é fundamental oferecer escuta ativa, acolhimento, apoio e procurar ajuda profissional.

Se identificar sinalizações via redes sociais e se tratar de alguém próximo, procure conversar em particular, sem que a pessoa se sinta exposta, e ofereça escuta, demonstre interesse pelo que o outro está passando. Se for o caso de alguém desconhecido e que você não tenha acesso direto, você pode utilizar as próprias ferramentas da rede social para denunciar o publicação de modo que a plataforma seja avisada e possa entrar em contato com o perfil e alertá-lo.

Outras estratégias para lidar com tendências suicidas é buscar ajuda profissional de um(a) psiquiatra e um(a) psicólogo(a) para fazer acompanhamento com medicação e psicoterapia de modo a sair da crise e, através da terapia, encontrar novas saídas, estratégias de enfrentamento, novos sentidos, ressignificação de experiências, resolução de problemas, assim como estratégias de prevenção de recaída.

Existe ainda o CVV (Centro de Valorização da Vida) que promove atendimento 24 horas por telefone, email, chat para receber apoio emocional através do número 188 ou  pelo site https://www.cvv.org.br/ .

Não tenha receio de buscar ajuda. Pedir ajuda é um grande gesto de coragem e o primeiro passo para sua superação.

Para saber mais sobre o tema, confira:

https://www.cvv.org.br/

https://pebmed.com.br/covid-19-e-o-risco-de-suicidio/

https://repositorio.unb.br/handle/10482/23494

https://noticias.uol.com.br/colunas/leonardo-sakamoto/2020/05/31/atendimento-de-urgencia-relacionado-a-suicidio-cresce-durante-a-pandemia.htm

https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2020/07/crescem-publicacoes-sobre-suicidio-no-brasil-durante-a-pandemia-veja-como-buscar-ajuda.shtml

https://www.brasildefato.com.br/2020/06/14/ansiedade-abuso-de-alcool-suicidios-pandemia-agrava-crise-global-de-saude-mental

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/04/veja-como-detectar-e-prevenir-o-suicidio-alem-de-mitos-sobre-o-tema.shtml

https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2020/04/psicanalistas-oferecem-atendimento-gratuito-online-saiba-onde-encontrar.shtml

https://novaescola.org.br/conteudo/18355/8-mitos-sobre-o-suicidio-que-pais-e-educadores-precisam-conhecer

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

Depressão na Adolescência: como identificar

Depressão na Adolescência: como identificar

Esta é uma fase de vida de intensas mudanças tanto físicas, corporais, hormonais, mas também sociais, relacionais e produtivas na vida de qualquer pessoa. Todavia é possível sim encontrarmos jovens que vivenciam a depressão exatamente por conta de como eles se sentem afetados, impactados pelas experiências vividas consigo, com os outros, no mundo e pela sua perspectiva ou não de futuro.

Na adolescência, muitas vezes o jovem apresenta dificuldades para expressar suas emoções, ficando ainda mais delicado e complexo chegar no diagnostico se de fato aquela menina ou menino está sofrendo um episódio depressivo ou se trata-se de mudanças comportamentais típicas  desta fase da vida. Todavia, os sintomas em nível físico e comportamental, incluindo os marcadores biológicos, ajudam bastante a entender a dinâmica psicoemocional deste jovem. Os 10 mais comuns sintomas em adolescentes, também numa expressão persistente por 2 ou mais semanas de forma persistente:

  • Alterações de apetite: seja o comer compulsivo, várias vezes e/ou em grandes quantidades, seja a falta de apetite;
  • Alterações no sono: seja insônia ou hipersonia;
  • Perda de interesse nas atividades que gostava e se dedicava: seja qual tipo for;
  • Tristeza e desânimo constante: apresentar humor deprimido a maior parte do dia e de forma persistente. Pode envolver o chorar com frequência ou não, mas uma expressão apática, sem vivacidade,  costuma ser frequente;
  • Dificuldades de concentração: muito comum esta queixa, porém ela sozinha não fecha um diagnóstico por estar presente em vários outros quadros. Pode expressar falta de foco, falta de engajamento nas atividades, dispersão, dificuldade de cumprir entregas, prazos, preparar-se para provas ou em situações rotineiras como uma conversa com familiares e amigos;
  • Queda no rendimento escolar: por consequência da falta de ânimo, falta de concentração e perda de interesse generalizada;
  • Comportamento irresponsável: seja envolvendo consumo ou não de drogas, mas algo que o exponha a riscos reais ou impactos relevantes em sua rotina. Pode esquecer-se de compromissos importantes, mostrar rebelde desproporcional aos eventos no dia a dia;
  • Isolamento social: perdendo o interesse por envolver-se em atividades de socialização, seja na escola, na família, com amigos, muitas vezes fechando-se por muitas horas e mesmo dias no quarto sem querer falar com qualquer pessoa;
  • Fadiga e falta de energia: sentindo-se cansado frequentemente e com muita dificuldade para recuperar-se independente de ter dormido muitas horas ou feito atividades de baixo impacto;
  • Dores: queixas frequentes em relação a dores de cabeça ou mesmo no corpo, (estômago, dores musculares);
  • Pensamentos e comportamentos suicidas: expressando real falta de sentido para continuar vivendo, falta de sentir-se uma pessoa de valor, indigna de amor e não pertencente a qualquer grupo, machucar-se ou expor-se a acidentes e riscos de morte e com frequência.

Acompanhar de perto os adolescentes e avaliar cuidadosamente é de suma importância, porque muitas vezes este quadro pode passar desapercebido por pais/cuidadores,  familiares, professores e amigos. Especialmente porque o índice de suicídio nesta faixa etária tem crescido ano após ano, na proporção de 2/3 ( 2 a cada 3 suicídios na adolescência aconteceram com jovens clinicamente diagnosticados como deprimidos). É uma proporção bem significativa e que não pode ser ignorada.

Adolescentes podem ter mais dificuldades de buscar ajuda do que os adultos, seja por dificuldade de expressar o que sentem seja por não entender que podem estar vivenciando algo que demande um acompanhamento profissional próximo.

Fique atento a você e às pessoas que ama à sua volta. Lembre-se sempre: pedir ajuda é um grande gesto de coragem e iniciativa. Não é vergonha alguma, não é símbolo de incapacidade, ainda que muitos assim vejam. Mas sim um valioso gesto de coragem, aceitação dos próprios limites, de que sozinho não se resolve tudo, e de entendimento de necessidade e direto à apoio e suporte / atendimento profissional.

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

DEPRESSÃO: o que é e quais sintomas

DEPRESSÃO: o que é e quais sintomas

Muita gente ainda tem receio de falar sobre depressão, mas ele é mais presente do que se possa imaginar no dia a dia dos brasileiros. Segundo dados da OMS (Organização Mundial de Saúde), a depressão atinge 4,4% da população mundial (322 milhões de pessoas) e 5,8% dos brasileiros (11,5 milhões), sendo o Brasil o país com maior índice de pessoas ansiosas do mundo, 9,8%.

Estes números não só trazem um alerta da importância em falar e psicoeducar nossa sociedade sobre o que é esta doença, como melhor lidar com pessoas com este tipo de sofrimento, assim como buscar e promover ações socioeducativas e  na esfera de saúde pública para promover qualidade de vida, vida com sentido, autocuidado, saúde integral e bem estar.

A depressão é um distúrbio emocional, afetivo e que interfere na forma como a pessoa percebe a sua vida, a si mesmo, os outros e o mundo. Isto porque pessoas que sofrem de depressão, seja um evento episódico ou que acompanha ela por toda uma vida, apresentam comprometimento significativo no seu humor, nas suas relações, na sua energia, disposição física/mental e interesse, manifestando a diminuição significativa ou perda destes indicadores tanto no nível do pensar, do sentir como do agir.

Traduzindo em uma lista de sintomas mais comuns em adultos, a depressão costuma se apresentar a partir da expressão de pelo menos 5 ou mais sintomas dos listados a baixo por um tempo de duas ou mais semanas de forma persistente, incluindo os sintomas humor deprimido ou falta de interesse e prazer necessariamente:

  • Apatia e falta de motivação: para engajar-se em atividades e fazer as coisas no dia a dia. A procrastinação é uma expressão muito comum disto;
  • Medos: que antes não existiam e passam a existir e/ou serem potencializados;
  • Dificuldade de concentração e foco;
  • Perda ou aumento de apetite;
  • Alto grau de pessimismo: refletido na forma de pensar os eventos/situações do dia a dia, como enxerga a si e aos outros, sem perspectiva de futuro e com capacidade de sonhar rebaixada ou comprometida;
  • Indecisão: dificuldade para tomar decisões em diferentes campos de vida, muitas vezes sentido-se paralisada, sem saber o que fazer, como resolver suas dificuldades e problemas
  • Insegurança: muitas vezes se sentido incapaz ou sem forças para fazer as coisas do seu dia a dia, para sair de casa, trabalhar, socializar-se;
  • Sentimento de Culpa frequente;
  • Insônia ou Hipersonia: um dos sintomas de ansiedade muito comum que aparece em comorbidade com quadros depressivos. Dificuldade para relaxar, ter um sono de qualidade, dorme poucas horas ou tem sono interrompido. Ou pode também apresentar hipersonia (dormir demais) como forma de não suportar acessar os problemas e sofrimento emocional;
  • Falta de vontade em fazer atividades antes prazerosas: perda sensação de prazer e desfrute;
  • Sensação de vazio: perda de sentido da vida
  • Irritabilidade
  • Raciocínio mais lento
  • Esquecimentos frequentes
  • Ansiedade: agitação mental (fluxo contínuo de pensamentos) e motora, fatores que drenam bastante energia e que potencializam no nível físico o desânimo e falta de disposição;
  • Angústia: refletida em sentimentos de tristeza diária, humor deprimido, por período prolongado de tempo;

Há casos em que a ideia de morte também se faz presente (ideação suicida) pelo nível de sofrimento causado à pessoa, comprometimento de seu funcionamento social, produtivo e especialmente por perda de sentido de vida associado ou não ao sentimento de culpa.

Um ponto muito importante a falar é que, ao contrário do que muitos de nós imaginamos, a pessoa que sofre com a depressão não necessariamente representa aquela imagem de pessoa que chora todos os dias, que não sai da cama, não faz sua higiene pessoal e está completamente prostrada.

Muitas delas continuam produtivas, fazendo as suas tarefas do dia a dia, e até mesmo sorrindo, porém seu sofrimento é intenso e perpassa pela sua cognição (seu pensar de si, dos outros, do mundo e do futuro), suas emoções (humor deprimido, irritabilidade) e anedonia (falta de interesse e prazer). Suas dimensões de corpo, mente e espírito sofrem impactos significativos, mas é importante sempre avaliar a mudança a partir da trajetória da própria pessoa, e não comparar ela com outros. Pois se ela sempre foi muito ativa no seu dia a dia, não necessariamente ela irá parar por completo, mas sim apresentar mudanças significativas no seu padrão comportamental, forma de pensar, sentir, agir, relacionar-se por um período a partir de 2 semanas de forma persistente.

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br