O poder do PERDÃO

O poder do PERDÃO

Perdoar diz respeito à remissão de culpa, livrar-se de um arrependimento, erro, falha, ofensa que alguém tenha cometido, ou seja, você pode ter falhado com alguém, ou uma pessoa pode ter traído, desrespeitado você, ou mesmo você decepcionou a si mesmo. O perdão acontece quando dores e angústias relacionadas à situação experienciada são superadas pelos envolvidos.

Segundo o neurocientista Pedro Calabrez, o perdão não é sinônimo de simplesmente esquecer uma situação, acreditando que não terá mais registros daquela memória, que é possível deletá-la do seu cérebro. Não diz respeito ao outro, mas sim da nossa capacidade de seguir em frente. Envolve compreender, reconhecer que houve um sofrimento a partir do acontecimento e aceitação do que houve. Envolve escolhas do que você fará a com o que aconteceu para virar a página da vida e levar os aprendizados que a situação gerou

Trata-se, assim, de um processo de cura de uma ferida emocional que promoveu mal estar psicoemocional. Este processo leva tempo para ser superado, assim como uma cicatriz e recuperação de uma dor física, e por este motivo exige respeito a este tempo.

Por essa definição, podemos entender que perdoar tem um poder de libertar, liberar-se emocionalmente de mágoas, sentimentos negativos, angústias, raiva, ressentimentos, entre outras questões emocionais que envolvam frustração, o aspecto punitivo, crítico, ou julgamento (moral ou ético).

A intensidade destas experiências (emoções e sentimentos) e a duração de permanência delas vivas em nós varia a depender do quanto nos afetamos e do como experienciamos estes acontecimentos, emoções envolvidas e processos avaliativos.

Perdoar alguém

Muitas vezes, passamos por situações difíceis por alguém ter feito ou dito algo para nós que nos levou a sentir decepção, frustração, raiva, tristeza ou mágoa. Estas experiências emocionais revelam algo sobre nós: como nos sentimos. Se fomos desrespeitados em algum direito, se alguma necessidade emocional não foi atendida,  se fomos injustiçados, maltratados, negligenciados, trapaceados, discriminados, ignorados, excluídos, prejudicados a partir da ação ou fala do outro, ou mesmo a partir de um acontecimento.

Ou seja, para perdoar, é preciso tomar consciência e reconhecer quais necessidades emocionais e direitos foram desrespeitados e o que será feito daqui para frente para ressignificar esta relação de forma saudável, diferente, respeitando as necessidades e direitos de ambos, e seguir em frente na jornada levando estes aprendizados positivos, permitindo-se se abrir para novas experiências.

Perdoar a si

Quando falamos de perdoar a si mesmo, falamos de autoperdão. Perdoar-se significa então libertar-se de culpas e arrependimentos que você sinta por algo que tenha feito a si mesmo ou a outra(s) pessoa(s) e que tenha entendido não ter sido a melhor solução, escolha, decisão, não ter sido justo, respeitoso, ou mesmo ter machucado, magoado ou ultrapassado os limites consigo mesmo ou com alguém.

Esta ação é super importante como estratégia de cura e liberação emocional, porque quando não nos perdoamos ficamos presos às situações passadas, que não temos mais poder de ação de modificá-las, já que não é possível mudar o passado.

A pessoa que não exercita o perdão permanece ruminando pensamentos relacionados à situação, normalmente com pensamentos que recriam o cenário buscando outros desfechos, mas que emocionalmente leva à reatualização constante das emoções desagradáveis, da mágoa, arrependimento e culpas envolvidas na situação. O corpo revivencia toda a avalanche emocional a cada vez que se volta àquela situação. Este movimento psíquico e emocional contribui para potencializar quadros de ansiedade e mesmo de depressão, por este aprisionamento autoimposto pelo sujeito em situações passadas.

Assim, o autoperdão é este movimento de liberação emocional, de libertar-se das culpas e arrependimentos que surgiram em situações difíceis que pertencem ao passado e buscar novos sentidos a partir do que aconteceu. Perdoar-se é entender, compreender que houve uma dor, um sofrimento pelo que você fez, mas também incluir que você foi o que poderia ter sido naquele momento, que também é tão humano quanto outras pessoas, passível de erros, falhas. É aceitar que, além de forças pessoais, também tem fraquezas, vulnerabilidades, e que pode seguir em frente e fazer diferente, ressignificar relações a partir das experiências vividas.

Considerações finais

É importante lembrar que faz parte da condição humana o aspecto da imperfeição, e isso envolve ter consciência de que estamos sujeitos a cometer falhas, imprudências, prejuízos, perdas, tanto no aspecto material como subjetivo.

Somos humanos e por assim sermos, estamos sujeitos a tomar decisões não assertivas, escolher caminhos com consequências desagradáveis ou de alto impacto, enfim, podemos falhar em algum momento da nossa caminhada, assim como o outro pode vir a nos decepcionar de alguma forma, pelo fato de ser tão humano quanto nós, estar nesta mesma condição e sob os mesmos direitos universais.

O fato é que aprendemos com todas as experiências que vivemos, erros e acertos. Sabemos que falhamos ou que fomos bem sucedidos numa ação, numa escolha, a depender das consequências envolvidas.

É importante reconhecermos nossas responsabilidades diante delas, fazer o que precisa ser feito, ajustar as melhorias possíveis, mas também levar em conta que somos o que podemos ser a cada momento.

Não perdoar alguém, assim como não perdoar a si mesmo, envolve permanecer na dor, no julgamento, na tensão, na ansiedade, na dura crítica ou mesmo na punição. Esta é uma escolha que faz a pessoa paralisar, ficar presa ao passado, ao que poderia ter sido, e, consequentemente, ter dificuldades para seguir em frente, para se permitir fazer diferente em outras e novas situações.

Perdoar, assim, é necessário para libertar a si mesmo e o outro de dores, ressentimentos, de histórias passadas para seguir em frente. É permitir-se acolher e aceitar as vulnerabilidades, entendendo que elas fazem parte da nossa condição humana, existencial. É se abrir para novas oportunidades, aprendizados, novos sentidos, ressignificar. É praticar a melhoria contínua na arte de ser, viver, relacionar, agir, realizar.

Para saber mais: https://www.youtube.com/watch?v=JH5X4vUMkCg

Santiago, Adriana – O Poder Terapêutico do Perdão. Teoria, Prática e Aplicabilidade do Perdão com Base Científica na Psicologia Positiva. Ed Sinopsys

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

O QUE VOCÊ DECLARA?

O QUE VOCÊ DECLARA?

Você costuma prestar atenção ao que você declara? Costuma prestar atenção ao que você comunica para você mesmo, para os outros e para o mundo? As declarações, afirmações, que você costuma fazer no seu dia a dia? Já prestou atenção o quanto elas interferem no seu comportamento, percepção de si, dos outros e visão de mundo?

Se de repente você não costuma estar atento(a) a isso, vamos fazer juntos este exercício agora. Complete as frases abaixo com o que vier primeiro na sua mente, sem julgamento ou avaliação do que pensar:

  1. “EU SOU________________________”
  2. “AS PESSOAS SÃO_____________________”
  3. “O MUNDO É_____________________”

São 3 perguntinhas simples, mas que muito falam sobre nossa percepção, crenças, visão de mundo, sobre a nossa tríade cognitiva, que são nossos 3 níveis de relacionamento e percepção. Veja:

Estas perguntas também falam do CICLO DA REALIDADE que estruturamos a partir desta tríade cognitiva, dos nossos esquemas emocionais. Nosso cérebro é composto por 100 bilhões de neurônios, mas destes somente 1 bilhão tem função de armazenamento de memórias. Já de cara dá para notar que não é possível armazenar 100% dos inputs de informações que recebemos do meio.

Nós selecionamos as informações que dão concretude à nossa realidade, a partir dos nossos esquemas emocionais que envolvem um conjunto de comportamentos, cognições, emoções, que geram verdadeiros “filtros” do que enxergamos e nomeamos como realidade.

Mas e o que tem a ver o que declaramos com isso? Simplesmente TUDO! O que enunciamos, manifestamos, afirmamos, declaramos, serve para nosso cérebro como comando. Se uma pessoa fala “nossa, eu sou burra, não sou suficientemente boa, não sou competente”, ela dará este comendo ao seu cérebro de modo que ele busque fatos, situações, relações, experiências que confirmem esta crença limitante, ou seja, que confirme esta verdade. Isso significa que o mental desta pessoa estará a todo momento registrando experiências em que ela se perceba assim, confirmando seu ciclo de realidade.

A boa notícia é que podemos modificar esta percepção, transformar nosso ciclo da realidade, a partir de novos comandos, novas declarações que emitimos para nosso sistema, confrontando as antigas percepções, e buscando novas evidências congruentes com esta nova visão que estamos buscando consolidar no nosso sistema. O fato é que quando declaramos algo, seja negativo ou positivo, o nosso sistema buscará congruência com o que entendemos ser verdade, validando elas a partir dos fatos, experiências e emoções que vivemos. Isso é o que entendemos ser a nossa realidade.

Enfim, podemos reprogramar nossas crenças, encontrar novos sentidos, estruturar novas verdades para nosso sistema, e, com isso, alterar nossa percepção a nosso respeito, dos outros, do mundo, da realidade. Isto nós podemos fazer praticando técnicas da PNL (programação neurolinguística) e da TCC (terapia cognitivo comportamental).

No mais, convido você estar mais atento(a) ao que você DECLARA. Perceba o quanto que isso que manifesta como verdade faz você olhar para si, para os outros e para o mundo com lentes “coloridas” ou com lentes “preto/branco”. Perceba que você tem o poder de alterar tudo isso. Não tenha receio de buscar ajuda profissional para trabalhar com você nesta sua transformação. Pedir ajuda é o maior gesto de coragem que você pode ter.

Para ampliar sua leitura e reflexão, deixo estas dicas de links:

https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/04/150408_vert_fut_capacidade_cerebro_ml

https://www.tecmundo.com.br/ciencia/16846-cerebro-humano-x-pc-como-eles-se-comparam-.htm#:~:text=Se%20cada%20um%20desses%20neur%C3%B4nios,(1%20milh%C3%A3o%20de%20gigabytes).

https://epocanegocios.globo.com/Caminhos-para-o-futuro/Saude/noticia/2016/09/45-fatos-curiosos-sobre-o-cerebro.html

https://www.researchgate.net/profile/Carlos_Manoel_Lopes_Rodrigues/publication/319617817_Perspectivas_do_estudo_da_mente_da_psicologia_cognitiva_as_neurociencias/links/59b4c0500f7e9b3743524b9a/Perspectivas-do-estudo-da-mente-da-psicologia-cognitiva-as-neurociencias.pdf

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br