Qual a diferença entre Coaching e Psicoterapia?

Qual a diferença entre Coaching e Psicoterapia?

Esta é uma pergunta bem frequente entre pessoas que são curiosas sobre o que é Coaching ou estão em dúvidas se o melhor para ela é contratar um Coach ou fazer psicoterapia. E hoje eu quero ajudar a melhor esclarecer esta questão.

O que é o Coaching?

O Coaching é uma metodologia de desenvolvimento e capacitação de pessoas, lideranças e grupos. É voltada a potencializar e promover o poder de ação individual e de equipes, a partir da identificação do estado atual, incômodos, insatisfações, visualização do estado desejado, objetivo, e geração de uma rota, um plano de ação a ser trilhado rumo ao resultado a ser alcançado.

Tem um foco comportamental e voltado a resultado, mas sem um caráter clínico envolvido. A depender do enfoque dado, pode promover benefícios e estratégias de como melhor lidar com as emoções, saúde e equilíbrio geral.

No Coaching, o coach (o profissional) utiliza um arsenal de ferramentas e técnicas de diversas áreas como a psicologia, a administração, neurociências, gestão de pessoas, visando maior foco, planejamento, organização, poder de ação, otimização de resultados por parte do cliente (empresa ou pessoa = coachee) e melhoria contínua.

O tempo num processo de Coaching tem início, meio e fim, seja na estrutura das sessões, seja pelo fato de se percorrer um plano, uma rota, um número de sessões previamente estabelecido para o desenvolvimento do trabalho.

O que é Psicoterapia?

A Psicoterapia propõe um trabalho com o indivíduo ou com grupos focado no caráter clínico, buscando tratar desequilíbrios de ordem emocional e/ou comportamental que impactem no saúde integral do paciente. Durante a psicoterapia, é percorrido um caminho para identificar os por quês de tais desajustes psíquicos de modo a propor um tratamento visando recuperação da saúde mental, equilíbrio, alinhamento de emoções, bem estar integral.

Na Psicoterapia, a depender da linha de referencial teórico-clínico, o terapeuta irá se utilizar de técnicas com enfoque no discurso, comportamento e/ou  manifestações de sintomas no corpo (psicossomática), com objetivo de remissão de sintomas, cura integral e progressiva, promoção de equilíbrio e bem estar físico e mental.

A relação com o tempo, na Psicoterapia, é elástica e psicológica, ou seja, o paciente interage com seu passado, presente e futuro sem uma estrutura temporal cronológica previamente definida, mas sim a partir da sua queixa e discurso. Um outro aspecto é que a duração de um trabalho de psicoterapia não estipula um número prévio de sessões a serem realizadas, pois relaciona-se com o tempo de enfrentamento, aprendizado e reestabelecimento do equilíbrio por parte do paciente.

Espero que estas respostas propostas acima possam ajudar você a melhor direcionar sua busca seja por um Coach ou seja por um Terapeuta. Desejo que você alcance os melhores resultados e o seu equilíbrio seja qual for a sua decisão. E conte comigo para direcionar as melhores estratégicas na sua jornada de autoconhecimento e alcance de melhores resultados.

SEQUESTRO EMOCIONAL: o que é?

SEQUESTRO EMOCIONAL: o que é?

Sequestro emocional  diz respeito ao sentir e agir antes mesmo de qualquer organização e processamento de informações da experiência vivida, ou seja, antes de entender e nomeá-las. 

Isso significa manifestar comportamentos impulsivos, a partir de emoções vivenciadas frente a situações, sem medir consequências. Daí muitas pessoas podem manifestar arrependimento, provocar impactos negativos, perdas ou consequências graves posteriormente por suas ações impensadas.

Quem criou este conceito foi o psicólogo Daniel Goleman para descrever o processo onde impressões sensoriais são enviadas diretamente do tálamo à amígdala, antes de serem plenamente processadas pelo neocórtex. Mas quem identificou primeiramente este processo foi o neurocientista americano Joseph E. LeDoux, em 1993. 

O sequestro emocional pode resultar em comportamentos impulsivos e inapropriados, dos quais os indivíduos podem vir a se arrependerem posteriormente, por exemplo, um acesso de fúria que podem resultar em agressão ou assassinato, onde a pessoa age com base em um impulso intenso de raiva, sem refletir ou pensar nas consequências de seus atos no momento da ação. 

E como evitá-lo? Confira as dicas abaixo:

  • Autoconsciência e Autopercepção: procure tomar consciência das situações que para você são gatilhos de medo, raiva ou que provoque você agir impulsivamente. Nomeie elas antes de agir, por exemplo “neste momento sinto medo”, “estou ansioso”, “estou com raiva”;
  • Regulação gestão emocional: desenvolva maior tolerância às emoções, especialmente às agradáveis, melhor auto-observação e percepção do como elas se manifestam no seu corpo;
  • Respire e conte antes de agir: respire, conte até 6 ou até 10 antes de agir, seja para fugir da situação, seja para atacar, explodir, ou seja, antes de agir impulsivamente. Isto permite seu cérebro dissipar a cascata de neurotransmissores envolvidos antes de agir;
  • Mindfullness: exerecícios de mindfullness são excelentes para promover autoconsciência, regulação emocional, atenção plena e evitar o sequestro emocional;
  • Tenha uma válvula de escape: aqui os esportes, atividades corporais em geral, atividades artísticas, meditação, jardinagem e outras práticas são excelentes ferramentas para que possa liberar as emoções de forma assertiva;
  • Faça terapia: como estratégia de promover todas as outras acima, ampliar seu autoconhecimento, aprender estratégias de regulação emocional, identificação de emoções, treinamento de habilidades sociais, inteligência emocional entre outros conhecimentos e estratégias de promoção de saúde mental.
Quanto tempo dura o processo de coaching?

Quanto tempo dura o processo de coaching?

Muitas pessoas perguntam com frequência se há um número de sessões fixas e pré-estabelecidas para um processo de coaching. Por isso resolvi hoje falar um pouco da minha experiência como coaching para esclarecer esta dúvida.

Os processos de coaching são focados em alcançar um objetivo, um resultado e/ou transformação específica por vez. E para este objetivo é dimensionado pelo coach um número de sessões de acordo com a experiência com clientes anteriores e metodologia por ele estruturada.O programa MAMTRA trabalha com pacotes de 8, 10 ou 12 sessões em que eu, a coach, direciono cada um deles de acordo com a demanda específica de cada cliente. Com isto o tempo mínimo de processo é de 8 semanas. Mas em média clientes permanecem até 6 meses quando realizam sessões quinzenais.

Há clientes que alcançam resultados antes do fim do número de sessões previstas. Quando isto acontece, as sessões seguintes restantes são direcionadas para uso como acompanhamento de continuidade.

Há outros clientes que estruturam objetivos a serem alcançados num prazo que extrapola o número de sessão. Nestes caso, o processo de coaching é voltado para instrumentalizar ele para estruturar sua rota de ação com o que precisa ser feito para alcançar seu resultado, fortalecer novos hábitos  e comportamentos que o coloquem nesta rota e especialmente o da continuidade, para que ele se sinta capaz de andar com autonomia pernas após seu processo de coaching

A primeira vez a gente nunca esquece

A primeira vez a gente nunca esquece

Hoje resolvi falar um poquinho sobre minha história e como iniciei meus primeiros atendimentos como coach. O primeiro desafio que me deparei era ter um espaço para realizar meus atendimentos. Isto envolvia custo e como ainda não tinha uma agenda lotada de clientes, precisava levar em conta até onde poderia dar o meu passo naquele momento, final de 2014 e início de 2015.

Ainda que eu já tivesse até ali 10 anos de experiência como psicóloga atuante no mundo corporativo, com seleção, gestão de pessoas, treinamento e desenvolvimento, atuar como autônoma foi algo que se mostrou desafiante, porque não foi algo que planejei para minha carreira. Foi algo que me deparei na jornada, lá em 2008, após ser demitida juntamente com outros colegas, em plena crise da bolha dos EUA. Na ocasião eu tinha como clientes somente empresas americanas, e elas, em virtude da crise, reduziram drasticamente os contratos com a multinacional que eu prestava serviços como consultora de RH. Resultado: caí no mercado.

Cheguei a prospectar vagas CLT, porém o que foi surgindo a partir dali, daquele momento totalmente fora do meu controle, foram oportunidades para atuar como prestadora de serviço, temporário ou não, mas como autônoma. Abracei estas oportunidades por ser com algo que sempre gostei de fazer: treinar e desenvolver pessoas.

A minha formação em coaching foi uma consequência deste momento de virada na minha carreira como psicóloga, assim como minha atuação como psicóloga clínica. Encarei e aceitei a realidade como ela se apresentava e foquei no que estava ao meu alcance para seguir. E não é que deu certo!?

Esta é uma imagem que mostra como foi o início dos meus atendimentos. Atendendo em cafés, coworkings, salas sublocadas de acordo com a demanda de novos clientes, dando um passo por vez, assim como você. Não era a melhor condição, os melhores recursos, o espaço perfeito, mas era o que eu tinha ao alcance naquele momento.

Por isso convido você a FOCAR NO QUE ESTÁ AO SEU ALCANCE, USAR OS RECURSOS DISPONÍVEIS NESTE MOMENTO E NÃO ESPERE AS CONDIÇÕES PERFEITAS PARA ENTRAR EM AÇÃO. Acredito que cada passo da nossa jornada importa e a junção de todos eles é a maior evidência de sucesso, de realização e do seu potencial em ação. BOA SEMANA e COMECE AGORA MESMO A VIABILIZAR AQUILO QUE DESEJA NA SUA JORNADA.

COACHING ASSESSMENT:  o que é?

COACHING ASSESSMENT: o que é?

Coaching Assessment uma avaliação comportamental que visa identificar qual o perfil predominante atitudinal do coachee. Além disso, é uma ferramenta que realiza um mapeamento de 21 competências  e como elas se expressam no seu atual momento de vida e carreira.

Trata-se de um software (sistema) com validação científica de mapeamento de tendências comportamentais com referencial teórico na metodologia DISC. É uma excelente ferramenta de autoconhecimento que permite verificar qual expressão predominante do coachee, se mais executor, comunicador, analítico ou planejador, ou mesmo se uma combinação de 2 ou mais destes estilos.

A partir desse mapeamento é possível detectar os pontos fortes e os pontos de desenvolvimento do cliente, bem como estilo de liderança e seu processo de adaptação às demandas do meio. Para fazer esta avaliação, o coachee é convidado a responder um questionário atitudinal, que poderá ser respondido online ou offline de uma forma prática e objetiva.

A avaliação leva em torno de 07 a 10 minutos para ser feita, sendo o ele orientado a dar respostas sinceras sobre seu comportamento e atitudes. A partir de suas respostas, o sistema fornece instantaneamente um relatório de Perfil Comportamental, com dados qualitativos e quantitativos.

Fazer o Coaching Assessment , como ferramenta parte do processo de coaching ,certamente ajuda você a potencializar  suas perspectivas de vida e carreira, ao conhecer melhor seu comportamento, seu perfil predominante, pontos fortes e de melhoria.  Ela permitirá você traçar estratégias a serem implementadas visando otimizar seu poder de ação, melhorar seus relacionamentos, lidar com demandas sob pressão, bem como seu posicionamento no meio para atingir mais e melhores resultados.

O Coaching Assessment somente é aplicado por Analistas de Perfis Comportamentais devidamente certificados pelo do Instituto Brasileiro de Coaching. Ele também pode ser feito extra processo de coaching, ao menos 1 vez por ano, como uma estratégia de autoconhecimento, desenvolvimento e monitoramento, para promover ajustes eventuais de atitudes e competências necessários em diferentes momentos da sua vida e carreira, assim como para desenvolver líderes e equipes .

Dicas para organizar sua Agenda

Dicas para organizar sua Agenda

Agenda é algo que dinamiza e muito o nosso dia a dia, exatamente por ela nos ajudar a direcionar ação para o que precisamos fazer. Segue algumas dicas pra facilitar ainda hoje a organização da sua:

Programe número de dias para sua Agenda de 1 semana

1 semana é um ciclo que se não todo mundo, a maioria das pessoas se baseia para organizar rotinas de trabalho, familiar e mesmo outras atividades, como atividade física, dieta, etc. Por ser um ciclo com início, meio e fim de curta direção, fica fácil para distribuir as tarefas que realmente importam. A 1ª dica tenha clareza se você quer uma agenda integral, de segunda à domingo, que inclui todas as suas atividades, trabalho, lazer, família, saúde, ou se você quer estruturar uma agenda temática, por exemplo, uma agenda de trabalho, de cardápio para a família, agenda de atividade física, de segunda à sexta ou com número de dias que faça sentido para esta agenda temática.

Liste atividades e tarefas proporcionais ao número de dias da sua agenda

Liste todas as atividades e tarefas a serem compridas, que sejam realmente importantes serem feitas naquela semana, tanto em termos profissionais, como pessoais. Não insira coisas que só servirão para deixar você mais estressado por saber que não vai conseguir realizar. Minha dica aqui é listar de 3 a 5 coisas a serem feitas no máximo por dia. Por exemplo, uma semana de segunda à domingo, com 5 coisas a fazer realmente importante por dia, terá um total de 35 coisas a serem realizadas. Lembre-se: melhor listar o que de fato você fará do que encher de tarefas todos os dias e gerar um sentimento de frustração e mesmo de incapacidade de cumprir o que se propõe. Neste caso, menos é sempre mais!

Tenha 1 a 2 objetivos semanais

Pense em 2 temas ou objetivos que você queira direcionar seus esforços durante os dias, especialmente no que diz a atividades produtivas. Por exemplo, digamos que esta semana eu escolha para meu foco no trabalho o tema “prospecção de novos clientes. Isso fará eu direcionar atividades e tarefas para realizar este objetivo, como “fazer anúncio do meu site no Google adwords, entrar em contato com os clientes que me enviaram email ou whtsapp, criar posts para me conectar e tirar dúvidas do meu público/clientes. Isto ajuda você ter um norte e conexão das ações a serem feitas com o que deseja realizar num espaço de 1 semana.

Faça blocos

Se por acaso você não tiver clareza do que fazer para sua semana inteira, por exemplo, em momentos que você não está 100% bem de saúde ou mesmo com muitas demandas familiares ou pessoais para dar conta, a sugestão é você planejar e fazer blocos de 3 dias seguidos. O resultado pode ser surpreendente e você sentirá o gostinho de ter realizado bastante coisas num curto espaço de 3 dias.

Tenha intervalos

Deixar um intervalo entre uma atividade e outra, por exemplo, eu deixo o intervalo de 30 minutos entre um cliente e outro que eu atendo de coaching. Isso faz com que você neste tempo possa fazer tarefas rápidas como um lanche, se hidratar, retornar alguma solicitação importante, enviar retorno imediato ao seu cliente que você acabou de atender e não deixar nada para depois, etc. Acha 30 min muito, faça, 20, 15, ou mesmo 10 minutos. O importante é que faça sentido e você gere estas pausas para um café e qualquer outra ação que te ajude a oxigenar seu cérebro e corpo, se preparar minimamente para a próxima demanda.

Delegue

Tudo aquilo que outras pessoas possam fazer por você, no seu lugar, e que proporcionará o mesmo resultado, delegue e tire da sua agenda. Isso fará você se dedicar somente às coisas que só você poderá fazer para atingir o resultado que deseja. Isso além de otimizar sua produtividade fará você ter mais tempo livre

Espero que goste e experimente estas dicas ainda hoje para tornar sua agenda mais organizada e mais produtiva no seu trabalho e na sua vida.

TRANSTORNO DO PÂNICO: como lidar

TRANSTORNO DO PÂNICO: como lidar

O transtorno do pânico (TP) é um dos tipos de transtornos de ansiedade caracterizado por crises de ansiedade intensa e repentina que provoca alto grau de angústia, medo, mal estar, com sintomas físicos, cognitivos e comportamentais associados. São crises que podem acontecer em qualquer lugar, com duração média de 15 a 30 minutos de duração, acarretando a pessoa intenso sofrimento psíquico e emocional.

Estimativas da OMS (Organização Mundial da Saúde) apontam para a ocorrência de transtornos relacionados à ansiedade em 9,3% da população brasileira e que acomete 33% da população mundial. Números mais que expressivos e que, em agosto de 2021, evidenciou que os brasileiros pesquisaram sobre ansiedade no google 48 milhões de vezes, superando marcas de buscas de países como Alemanha, Reino Unido, Espanha, ficando apenas atrás dos Estados Unidos. Além destes números, pesquisa recente realizada pelo Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP revelou que 4 milhões de brasileiros sofrem de ansiedade, representando percentual de 12% do total da população nacional, estimando ainda que 23% dos brasileiros podem sofrer de algum distúrbio relacionado à ansiedade ao longo da vida.

Pessoas que sofrem de ansiedade têm suas vidas impactadas seriamente quanto à qualidade de vida, nas suas relações, escolhas e realizações. Quem sofre do transtorno de pânico pode ter maior agravamento deste impacto, especialmente quando a pessoa passa a viver em função das crises, tentando evitá-las ou evitar situações de medos irreais, imaginários ou desproporcionais à realidade, deixando de viver plenamente e impactando fortemente na sua saúde integral.

os principais sintomas do transtorno do pânico são:

  • Taquicardia (aceleração dos batimentos cardíacos);
  • Falta de ar;
  • Pressão e/ou dor intensa no peito;
  • Sudorese;
  • Sensação de desmaio;
  • Alteração da pressão sanguínea;
  • Tontura;
  • Náusea;
  • Formigamento;
  • Tremores;
  • Calafrios ou ondas de calor;
  • Medo de intenso de morrer, de enlouquecer, de perder o controle, de perder alguém importante, medo de que algo de pior aconteça (ex: ser atropelado, levar um tiro de bala perdida, adoecimento grave, etc.);
  • Desmaios, vômitos no pico da crise.

*os sintomas podem variar de pessoa para pessoa em quantidade, intensidade e cognições

É possível vivenciar uma crise de pânico fruto de uma experiência estressante (perdas de pessoa querida, separação, conflitos, momentos de mudança de estágio de vida, violência urbana, etc). Mas quando as crises se tornam recorrentes e sem causas aparentes relacionadas, podem estar sinalizando a presença do transtorno do pânico. Outro aspecto importante a ser considerado é o histórico familiar, ou seja, pessoas com parentes que apresentem transtornos de ansiedade, ou outras doenças psiquiátricas relacionadas à depressão e ansiedade, mostram-se mais suscetíves a desenvolver este quadro. Mas é fundamental observar o histórico de desenvolvimento do próprio indivíduo e como se encontra seu contexto atual, se há presença de fatores que sirvam de gatilhos para suas crises contribuindo para a expressão do quadro.

Com o extender do tempo de isolamento social, trabalho em home-office, aumento de sobrecarga de tarefas, medo frequente de contágio do coronavírus, números assustadores de mortes por COVID-19, que no Brasil já ultrapassaram 584mil, que assolaram milhares de famílias, o nível de estresse elevou-se significativamente neste período de pandemia, impactando diretamente no aumento de casos de ansiedade, depressão e outros transtornos psiquiátricos, bem como o debate sobre a importância do cuidado com a saúde mental.

A boa notícia é que existe tratamento para o transtorno do pânico, sendo considerado como tratamento de primeira linha a associação de psicoterapia cognitivo comportamental com medicação sob orientação do psiquiatra. Mas é importante ressaltar que, tanto para que sofre de transtorno do pânico, como de outros quadros de ansiedade, depressão, a mudança de hábitos e de estilo de vida são chave para remissão de sintomas, recuperação das crises, assim como na prevenção de recaídas. Seguem algumas dicas importantíssimas de como lidar com este transtorno:

  • Pratique atividade física: ela faz você sentir liberar neurotransmissores de prazer que auxiliam na regulação cerebral, acelera frequência cardio-respiratória promovendo bem estar, sensação de prazer e relaxamento.
  • Evite uso de álcool e outras substâncias lícitas ou ilícitas para alívio da ansiedade, eles podem potencializar os sintomas e crises.
  • Yoga, Meditação, Mindfullness, Pilates: são atividades que fazem você exercitar a atenção plena, desacelerar a respiração, focar em cada movimento feito, relaxar corpo e mente, agindo diretamente na redução da ansiedade e promovendo bem estar.
  • Exercícios respiratórios: de modo a desacelerar progressivamente sua respiração, ampliar sua capacidade respiratório com o aprendizado da respiração diafragmática, promovendo bem estar e contribuindo para sair da crise.
  • Aromaterapia, acupuntura, massagem e outras práticas intergrativas de autocuidado.
  • Atividades manuais, artesanato, atividades artísticas, teatro, canto, arteterapia, musicoterapia, etc.
  • Alimentação saudável, com presença e alimentos relaxantes, redução ou exclusão dos excitantes, com equilíbrio de nutrientes.

Se você se identificou com alguns dos sintomas presentes neste artigo, procure suporte profissional agora mesmo de um(a) psicólogo(a), psiquiatra e coloque em prática as dicas acima.

Para saber mais sobre o transtorno do pânico, confira os links abaixo:

https://www.youtube.com/watch?v=ptesl_1Ly0g

https://www.youtube.com/watch?v=bQ6YoWtjgAg

https://www.youtube.com/watch?v=EphcMchveNA

Transtorno do pânico

https://oglobo.globo.com/saude/pesquisas-no-google-relacionadas-ansiedade-panico-nunca-foram-tao-altas-25187071

https://www.senado.gov.br/noticias/jornal/cidadania/Transtornodopanico/not01.htm

https://saude.abril.com.br/mente-saudavel/o-que-e-transtorno-do-panico-e-como-tratar/

https://www.purebreak.com.br/noticias/sindrome-do-panico-o-que-e-como-identificar-e-tratamentos/100473

https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2018/03/19/qual-e-a-diferenca-entre-sindrome-do-panico-e-crise-de-ansiedade.htm

https://www.tuasaude.com/tratamento-natural-para-sindrome-do-panico/

TENDÊNCIAS SUICIDAS: quais os sinais e como lidar com a crise

TENDÊNCIAS SUICIDAS: quais os sinais e como lidar com a crise

Hoje vamos falar de um assunto de extrema importância e que ainda é um grande tabu na nossa sociedade: o suicídio. Costuma-se abordar este tema relevante durante o mês de setembro, onde acontece a campanha anual de prevenção contra o suicídio “Setembro Amarelo”. Mas isso não significa que não existam casos o tempo todo, apenas não são noticiados.

É muito importante falarmos sobre as tendências suicidas, quais sinais, como reconhecê-los e lidar com a crise, pois o número de casos vem aumentando neste contexto da pandemia, com o confinamento, aumento de quadros de ansiedade, depressão, conflitos familiares, violência doméstica, perdas afetivas, materiais e subjetivas. É uma questão prevenção urgente.

SUICÍDIO NO BRASIL

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde, o Brasil é o oitavo país no ranking  mundial de casos de suicídio. Nos últimos 28 anos, a taxa brasileira subiu para 30% de casos considerando a população nacional, um índice mais do que preocupante e que agora tem chamado ainda maior atenção por conta do contexto estressor provocado pela pandemia do coronavírus.

A rápida propagação do COVID-19 desde o último trimestre de 2019 afetou a população mundial promovendo grande medo por conta do risco real de contágio, adoecimento grave e morte por conta deste novo vírus. Fatores como isolamento social prolongado, convívio com familiares 24 horas, mudança radical de rotina, têm contribuído para o aumento dos sentimentos de angústia, tristeza, raiva, insegurança, incertezas, perda de sentido de vida, descrença, além de comportamentos de agressividade, violência, uso de substâncias psicoativas (drogas, álcool, tabagismo, etc).

TENDÊNCIAS SUICIDAS

Tendências suicidas são comportamentos sinalizadores de ideação, planejamento e risco iminente de execução de tentativa de suicídio. Infelizmente muitas pessoas ainda têm a crença de que o suicídio é “frescura”, que é coisa de quem quer chamar a atenção de outras pessoas, ou mesmo de pessoas fracas, egoístas. Mas todos estes mitos dizem respeito à falta de informação sobre o que é, bem como o julgamento das pessoas sobre aquelas que sofrem com este comportamento.

Considerar “frescura” o fato de, a cada 40 segundos no mundo, uma pessoa tira a própria vida é no mínimo falta de empatia e compaixão, sem falar na falta de informação. Sendo assim, a proposta deste artigo é exatamente levantar quais sinais de tendências suicidas mais frequentes para que possa contribuir na prevenção de novos casos. São eles:

  • Falar sobre vontade de morrer com pessoas à volta e nas redes sociais;
  • Falta de sentido de vida, falta propósito para continuar vivendo;
  • Sentir-se um peso na vida de outras pessoas, especialmente a de familiares e amigos;
  • Sentir angústia emocional insuportável a ponto de ter a estratégia do suicídio como meio de livrar-se ou aliviar este sofrimento;
  • Uso abusivo de substância psicoativas como estratégia de aliviar ou livrar-se do sofrimento (álcool, drogas em geral);
  • Pesquisar formas de se matar;
  • Agir de modo irresponsável;
  • Agitação, ansiedade, insônia;
  • Afastamento de pessoas queridas (familiares e amigos);
  • Demonstrar raiva ou vontade de vingança;
  • Apresentar alterações extremas de humor e com frequência;
  • Mudanças súbitas e marcantes no comportamento;
  • Pessimismo, negativismo, sentimento de desesperança em relação ao futuro;
  • Perda de interesse por atividades anteriormente prazerosas;
  • Doação de pertences de valor pessoal;
  • Quitação de dívidas;
  • Pesquisar e ou contratar advogado(a) para confecção de testamento, especialmente em casos sem idade avançada ou ocorrência de doenças terminais;
  • Falar sobre sentir-se pronto para morrer e diálogos com cunho de despedida.

O suicídio pode estar associado a diversos quadros como depressão, transtornos de ansiedade, casos de relacionamento abusivos, violência doméstica, uso de drogas, alcoolismo, transtorno de personalidade borderline, transtorno bipolar, esquizofrenia e muitos outros quadros psiquiátricos. Todavia é fundamental sinalizar que não é um determinante, ou seja, não necessariamente é preciso ter um transtorno psiquiátrico para apresentar comportamentos suicidas.

Algumas pessoas podem apresentá-los diante de contextos estressores prolongados e de alto impacto, que é o caso do contexto atual, diante de perdas significativas afetiva e/ou matérias, isolamento social prolongado, convívio frequente com familiares abusivos e violentos, perda de sentido e propósito, adoecimento grave ou debilitante, traumas, rejeições recorrentes, bullying, abuso sexual, entre outros.

COMO LIDAR E BUSCAR AJUDA

Estes são os sinais mais frequentes e que ao perceber em você ou identificar em algum familiar ou amigo algumas destas falas e comportamentos, é fundamental oferecer escuta ativa, acolhimento, apoio e procurar ajuda profissional.

Se identificar sinalizações via redes sociais e se tratar de alguém próximo, procure conversar em particular, sem que a pessoa se sinta exposta, e ofereça escuta, demonstre interesse pelo que o outro está passando. Se for o caso de alguém desconhecido e que você não tenha acesso direto, você pode utilizar as próprias ferramentas da rede social para denunciar o publicação de modo que a plataforma seja avisada e possa entrar em contato com o perfil e alertá-lo.

Outras estratégias para lidar com tendências suicidas é buscar ajuda profissional de um(a) psiquiatra e um(a) psicólogo(a) para fazer acompanhamento com medicação e psicoterapia de modo a sair da crise e, através da terapia, encontrar novas saídas, estratégias de enfrentamento, novos sentidos, ressignificação de experiências, resolução de problemas, assim como estratégias de prevenção de recaída.

Existe ainda o CVV (Centro de Valorização da Vida) que promove atendimento 24 horas por telefone, email, chat para receber apoio emocional através do número 188 ou  pelo site https://www.cvv.org.br/ .

Não tenha receio de buscar ajuda. Pedir ajuda é um grande gesto de coragem e o primeiro passo para sua superação.

Para saber mais sobre o tema, confira:

https://www.cvv.org.br/

https://pebmed.com.br/covid-19-e-o-risco-de-suicidio/

https://repositorio.unb.br/handle/10482/23494

https://noticias.uol.com.br/colunas/leonardo-sakamoto/2020/05/31/atendimento-de-urgencia-relacionado-a-suicidio-cresce-durante-a-pandemia.htm

https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2020/07/crescem-publicacoes-sobre-suicidio-no-brasil-durante-a-pandemia-veja-como-buscar-ajuda.shtml

https://www.brasildefato.com.br/2020/06/14/ansiedade-abuso-de-alcool-suicidios-pandemia-agrava-crise-global-de-saude-mental

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/04/veja-como-detectar-e-prevenir-o-suicidio-alem-de-mitos-sobre-o-tema.shtml

https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2020/04/psicanalistas-oferecem-atendimento-gratuito-online-saiba-onde-encontrar.shtml

https://novaescola.org.br/conteudo/18355/8-mitos-sobre-o-suicidio-que-pais-e-educadores-precisam-conhecer