TENDÊNCIAS SUICIDAS: quais os sinais e como lidar com a crise

TENDÊNCIAS SUICIDAS: quais os sinais e como lidar com a crise

Hoje vamos falar de um assunto de extrema importância e que ainda é um grande tabu na nossa sociedade: o suicídio. Costuma-se abordar este tema relevante durante o mês de setembro, onde acontece a campanha anual de prevenção contra o suicídio “Setembro Amarelo”. Mas isso não significa que não existam casos o tempo todo, apenas não são noticiados.

É muito importante falarmos sobre as tendências suicidas, quais sinais, como reconhecê-los e lidar com a crise, pois o número de casos vem aumentando neste contexto da pandemia, com o confinamento, aumento de quadros de ansiedade, depressão, conflitos familiares, violência doméstica, perdas afetivas, materiais e subjetivas. É uma questão prevenção urgente.

SUICÍDIO NO BRASIL

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde, o Brasil é o oitavo país no ranking  mundial de casos de suicídio. Nos últimos 28 anos, a taxa brasileira subiu para 30% de casos considerando a população nacional, um índice mais do que preocupante e que agora tem chamado ainda maior atenção por conta do contexto estressor provocado pela pandemia do coronavírus.

A rápida propagação do COVID-19 desde o último trimestre de 2019 afetou a população mundial promovendo grande medo por conta do risco real de contágio, adoecimento grave e morte por conta deste novo vírus. Fatores como isolamento social prolongado, convívio com familiares 24 horas, mudança radical de rotina, têm contribuído para o aumento dos sentimentos de angústia, tristeza, raiva, insegurança, incertezas, perda de sentido de vida, descrença, além de comportamentos de agressividade, violência, uso de substâncias psicoativas (drogas, álcool, tabagismo, etc).

TENDÊNCIAS SUICIDAS

Tendências suicidas são comportamentos sinalizadores de ideação, planejamento e risco iminente de execução de tentativa de suicídio. Infelizmente muitas pessoas ainda têm a crença de que o suicídio é “frescura”, que é coisa de quem quer chamar a atenção de outras pessoas, ou mesmo de pessoas fracas, egoístas. Mas todos estes mitos dizem respeito à falta de informação sobre o que é, bem como o julgamento das pessoas sobre aquelas que sofrem com este comportamento.

Considerar “frescura” o fato de, a cada 40 segundos no mundo, uma pessoa tira a própria vida é no mínimo falta de empatia e compaixão, sem falar na falta de informação. Sendo assim, a proposta deste artigo é exatamente levantar quais sinais de tendências suicidas mais frequentes para que possa contribuir na prevenção de novos casos. São eles:

  • Falar sobre vontade de morrer com pessoas à volta e nas redes sociais;
  • Falta de sentido de vida, falta propósito para continuar vivendo;
  • Sentir-se um peso na vida de outras pessoas, especialmente a de familiares e amigos;
  • Sentir angústia emocional insuportável a ponto de ter a estratégia do suicídio como meio de livrar-se ou aliviar este sofrimento;
  • Uso abusivo de substância psicoativas como estratégia de aliviar ou livrar-se do sofrimento (álcool, drogas em geral);
  • Pesquisar formas de se matar;
  • Agir de modo irresponsável;
  • Agitação, ansiedade, insônia;
  • Afastamento de pessoas queridas (familiares e amigos);
  • Demonstrar raiva ou vontade de vingança;
  • Apresentar alterações extremas de humor e com frequência;
  • Mudanças súbitas e marcantes no comportamento;
  • Pessimismo, negativismo, sentimento de desesperança em relação ao futuro;
  • Perda de interesse por atividades anteriormente prazerosas;
  • Doação de pertences de valor pessoal;
  • Quitação de dívidas;
  • Pesquisar e ou contratar advogado(a) para confecção de testamento, especialmente em casos sem idade avançada ou ocorrência de doenças terminais;
  • Falar sobre sentir-se pronto para morrer e diálogos com cunho de despedida.

O suicídio pode estar associado a diversos quadros como depressão, transtornos de ansiedade, casos de relacionamento abusivos, violência doméstica, uso de drogas, alcoolismo, transtorno de personalidade borderline, transtorno bipolar, esquizofrenia e muitos outros quadros psiquiátricos. Todavia é fundamental sinalizar que não é um determinante, ou seja, não necessariamente é preciso ter um transtorno psiquiátrico para apresentar comportamentos suicidas.

Algumas pessoas podem apresentá-los diante de contextos estressores prolongados e de alto impacto, que é o caso do contexto atual, diante de perdas significativas afetiva e/ou matérias, isolamento social prolongado, convívio frequente com familiares abusivos e violentos, perda de sentido e propósito, adoecimento grave ou debilitante, traumas, rejeições recorrentes, bullying, abuso sexual, entre outros.

COMO LIDAR E BUSCAR AJUDA

Estes são os sinais mais frequentes e que ao perceber em você ou identificar em algum familiar ou amigo algumas destas falas e comportamentos, é fundamental oferecer escuta ativa, acolhimento, apoio e procurar ajuda profissional.

Se identificar sinalizações via redes sociais e se tratar de alguém próximo, procure conversar em particular, sem que a pessoa se sinta exposta, e ofereça escuta, demonstre interesse pelo que o outro está passando. Se for o caso de alguém desconhecido e que você não tenha acesso direto, você pode utilizar as próprias ferramentas da rede social para denunciar o publicação de modo que a plataforma seja avisada e possa entrar em contato com o perfil e alertá-lo.

Outras estratégias para lidar com tendências suicidas é buscar ajuda profissional de um(a) psiquiatra e um(a) psicólogo(a) para fazer acompanhamento com medicação e psicoterapia de modo a sair da crise e, através da terapia, encontrar novas saídas, estratégias de enfrentamento, novos sentidos, ressignificação de experiências, resolução de problemas, assim como estratégias de prevenção de recaída.

Existe ainda o CVV (Centro de Valorização da Vida) que promove atendimento 24 horas por telefone, email, chat para receber apoio emocional através do número 188 ou  pelo site https://www.cvv.org.br/ .

Não tenha receio de buscar ajuda. Pedir ajuda é um grande gesto de coragem e o primeiro passo para sua superação.

Para saber mais sobre o tema, confira:

https://www.cvv.org.br/

https://pebmed.com.br/covid-19-e-o-risco-de-suicidio/

https://repositorio.unb.br/handle/10482/23494

https://noticias.uol.com.br/colunas/leonardo-sakamoto/2020/05/31/atendimento-de-urgencia-relacionado-a-suicidio-cresce-durante-a-pandemia.htm

https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2020/07/crescem-publicacoes-sobre-suicidio-no-brasil-durante-a-pandemia-veja-como-buscar-ajuda.shtml

https://www.brasildefato.com.br/2020/06/14/ansiedade-abuso-de-alcool-suicidios-pandemia-agrava-crise-global-de-saude-mental

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/04/veja-como-detectar-e-prevenir-o-suicidio-alem-de-mitos-sobre-o-tema.shtml

https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2020/04/psicanalistas-oferecem-atendimento-gratuito-online-saiba-onde-encontrar.shtml

https://novaescola.org.br/conteudo/18355/8-mitos-sobre-o-suicidio-que-pais-e-educadores-precisam-conhecer

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

Confinamento e seus efeitos no corpo, mente e alma

Confinamento e seus efeitos no corpo, mente e alma

Já estamos há 126 dias em quarentena, promovendo distanciamento social no enfrentamento da propagação do COVID-19.Mas também há um exército de profissionais das mais diversas áreas dos serviços essenciais que há este mesmo tempo (ou maior) está na linha de frente, vivenciando de perto todos os desafios e impactos negativos que esta pandemia tem gerado.

Vivenciamos, desde março, diversas mudanças de rotina: de higiene e autocuidado, pessoal, familiar, profissional, alimentar, relacionamento e socialização virtual a maior parte do tempo, e ainda um contexto sócio-político-econômico e de saúde pública repleto de incertezas, fatores estressores, em âmbito mundial.

Todo este cenário acima descrito passou a ser a nossa nova rotina, o que muitos tentando de alguma forma encontrar e criar novas referências, têm chamado de “novo normal”. Mas o fato é que passamos a viver sob estresse crônico, diário, há mais de 120 dias, e isto promove uma série de impactos no nosso corpo, mente e alma.

ESTRESSE

O estresse é uma experiência que nosso organismo vivencia quando nos sentimos ameaçados, como resposta a algum perigo real ou imaginário. Diante de fatores estressores, nosso organismo entra em estado de alerta, liberando descarga de hormônios cortisol e adrenalina no nosso organismo, ativando nosso sistema de luta-fuga e nos preparando para lutar, fugir ou paralisar.

A ansiedade frente a um perigo em si não é algo ruim. Aliás sempre foi um fator de proteção e sobrevivência, mas que, com o passar dos séculos, do nosso processo de evolução tecnológica e mudanças de estilo de vida, desenvolvemos também uma série de medos e ameaças subjetivas, imaginárias, que do mesmo modo ativam esta descarga hormonal.

A diferença é que, no tempo das cavernas, nossos ancestrais de fato liberavam estes hormônios na caça e combate com predadores, lidavam com ameaças reais. Mas hoje, vivenciamos todo este processo do estresse e não liberamos efetivamente isso, percorrendo tais hormônios na nossa corrente sanguínea, deixando-nos em alerta constante, e que, a longo prazo, trazem grandes impactos na nossa saúde geral e sistema imunológico.

EFEITOS NO CORPO

Quando estamos sob estresse crônico, como no contexto atual de confinamento, grandes incertezas, mudanças drásticas de rotina, perdas de entes queridos, perdas materiais, nosso corpo apresenta uma série de sintomas de estresse:

  • Aumento de pressão arterial e batimentos cardíacos;
  • Aumento da atividade cerebral, hipervigilância, estado de alerta;
  • Pupilas dilatadas;
  • Vasoconstricção e aumento de coagulação sanguínea;
  • Aumento na acidez e inflamação no organismo, especialmente aparelho gástrico;
  • Dores musculares por conta de tensão, dores articulares;
  • Aumento nos índices de açúlcar;
  • Diminuição da libido;
  • Perda ou aumento de apetite;
  • Cansaço, indisposição, lentificação, letargia;
  • Problemas de sono: insônia ou hipersonia;
  • Compulsões como estratégia para aliviar anestesiar, esquecer, compensar sofrimentos e incertezas;

EFEITOS NA MENTE

Também experienciamos sintomas psicoemocionais e comportamentais frente ao contexto estressor crônico da pandemia:

  • medo do contágio do vírus (ser contaminado ou transmitir para alguém), medo de adoecer, medo de morrer, medo de perder trabalho, clientes, medo de fechar negócio, medo de falir, medo das incertezas, medo de perder o controle, medo de não dar conta, medo de enlouquecer, etc.
  • ANSIEDADE: que pode ser percebida no corpo (falta de ar, aceleração de batimentos cardíacos, agitação física, estado constante de alerta, insônia, e outros sintomas acima descritos), como na mente (pensamentos acelerados, pensamentos intrusivos, preocupação constante com segurança, sobrevivência, saúde, higiene, contas a pagar, inseguranças, etc);
  • NEGAÇÃO: dificuldades para aceitar o contexto, seus riscos envolvidos, a possibilidade real de adoecimento grave, finitude, enfim de morte. Dentro disso, é muito comum comportamentos de evitativos como não ficar em casa, não seguir as orientações de higienização e desinfecção constantes (lavar a mão, não misturar nem usar utensílios de uso pessoal, evitar aglomerações, usar máscaras e luvas), como que fingindo para si mesmo que nada de grave estivesse acontecendo. Este mecanismo trás à tona a dificuldade que temos de acessar nossas vulnerabilidades, dores, nossa incompetência e impotência frente ao cenário;
  • RAIVA: esta emoção surge neste contexto como uma expressão também de não aceitação do contexto, incertezas, impotência, não saber, perda de referências de rotina, controle, planejamento. Ela pode ser expressa como irritabilidade, impaciência, agitação psicoemocional, agitação motora, aumento da ansiedade, pânico, bem como explosividade e acessos de fúria, variando de pessoa para pessoa;
  • TRISTEZA: esta emoção revela nossa dor frente ao contexto, riscos e ameaças envolvidos, nosso sentimento de impotência, de não saber, nossa fragilidade. Revela nossa empatia em sentir não só a nossa dor, mas a dor dos que estão à nossa volta, nos conectando pelas nossas vulnerabilidades. Ela revela nossas dores frente às perdas envolvidas, pessoais, materiais, de pessoas queridas, faltas concretas e subjetivas que experimentamos diariamente, falta do contato social, de estar próximos das pessoas que amamos, saudades, e outras experiências psicoemocionais;
  • INSTABILIDADE EMOCIONAL: alterações constantes de humor e estados emocionais;
  • CONFORMISMO: alguns podem estar se conformando com o contexto, ficando em casa, tomando todos os devidos cuidados e precauções, mas ainda assim experienciando todas estas emoções anteriormente citadas, expressão a não aceitação efetiva do contexto e seus inúmeros impactos. O conformismo costuma nos levar a comportamentos de lentificação, passividade, resignação, vitimismo, evitativos como a procrastinação, a preguiça, queda de produtividade, dificuldades de atenção e memória;
  • PROCRASTINAÇÃO: algumas pessoas relatam estarem adiando, procrastinando algumas atividades, seja por falta de motivação, energia, concentração, seja por falta de sentido para se manterem engajados nelas;
  • MEMÓRIA: alguns relatam dificuldades de memória e para se concentrar em atividades, manter-se focados por conta do estresse gerado pelo confinamento prolongado;
  • CONFUSÃO MENTAL: algumas relatam sentir perda da noção dos dias, por conta do isolamento e dificuldade em diferenciá-los, estabelecer uma rotina minimamente estruturada, além das informações confusas, imprecisas veiculadas nos meios de comunicação;

EFEITOS NA ALMA

Aqui falamos de alguns efeitos relacionados à nossa dimensão espiritual:

  • LUTO: vivenciamos neste período da pandemia os 5 estágios do luto (negação, raiva, barganha, depressão, aceitação) pelos diferentes tipos de perdas que vivenciamos neste momento (perdas de pessoas queridas, perdas materiais, perdas ou interrupção súbita de planos, sonhos e projetos pessoais, profissionais, etc);
  • PERDA DE SENTIDO DA VIDA, em virtude de tudo ter parado, não haver prazos para tudo isso passar, sonhos e projetos cancelados e/ou adiados sem previsão, sensação de viver em suspensão, sem saber o que será, como será e o que virá;
  • NEGATIVISMO: pessoas se sentindo reféns do contexto, resignadas, impotentes, sem perspectivas frentes à tantas incertezas, descrentes;
  • PESSIMISMO, DESESPERANÇA: Pode levar pessoas a se sentirem desesperadas, desesperançosas, sem fé, perda da confiança em si, nos outros e no contexto, assim como perder sentido de sua existência. Em caso mais graves, podem levar a ideação suicida ou mesmo a tentativas de suicídio.
  • REFLEXÃO, RESSIGNIFICAÇÃO: há também quem esteja encarando este momento como um “freio de arrumação” para refletir e entrar em contato com o presente, com o que realmente importa, dores, necessidades emocionais, de mudanças, ajustes de rota, bem como mudança de planos, de como se relacionar, como trabalhar, de estilo de vida, revendo hátibos, em como a construção de novos sonhos e transformações, abrindo-se para aprofundar o autoconhecimento e ressignificar a vida.

Como podemos ver, são inúmeros impactos que o confinamento provoca no nosso corpo mente e alma. A proposta deste artigo é ajudar na reflexão, abertura para acolher como estamos vivendo, sentido, pensando, o que podemos aprender com tudo isso, como podemos atravessar toda esta jornada de inúmeras mudanças da melhor forma, a partir dos recursos disponíveis e ao nosso alcance.

Não está sendo fácil para ninguém, mas com certeza podemos nos ajudar uns aos outros a enfrentar os desafios que estão diante de nós, visíveis ou invisíveis, com maior escuta, compaixão, acolhimento, não julgamento, respeito, empatia, apoio, cuidado, afeto, solidariedade, cada um fazendo sua parte, utilizando seus talentos, fazendo o que é possível ser feito, olhando não só para si, mas para as necessidades e adversidades do coletivo.

Para saber mais, confira:

https://www.youtube.com/watch?v=lBkzdaulobA

https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2016/08/08/o-que-o-estresse-causa-no-corpo.htm

https://www.vittude.com/blog/estresse-saiba-como-ele-afeta-sua-saude/

http://mamtra.com.br/socializacao-x-isolamento-social/

http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/597292-a-dimensao-espiritual-da-crise-do-coronavirus

https://brasil.elpais.com/mamas_papas/2020-06-06/os-efeitos-do-confinamento-na-saude-mental-de-criancas-e-adolescentes.html

https://www.estadao.com.br/infograficos/saude,pausa-para-se-reconectar-com-quem-somos-e-com-nossos-sonhos,1089380

 

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

PNL como ferramenta para superar o confinamento

PNL como ferramenta para superar o confinamento

Não é novidade que estamos vivendo em meio a uma guerra biológica, onde o grande inimigo só é visto através de um microscópio. Estamos passando por um período de muitas incertezas como não ter a certeza se quem está próximo a nós contraiu o vírus, a incerteza de quando tudo isso irá terminar, se estamos seguros ao sair de casa, uma rede de insegurança que faz com que despertemos medos, ansiedades, tristezas profundas, aflições.

O domínio do nosso pensamento dita muito como somos e principalmente como seremos após a passagem dessa tormenta que envolve nosso cotidiano neste momento. Programar a nossa mente é fundamental para que ela não seja abalada pelas adversidades e digo isso com relação a todos os infortúnios da vida, todas as peças que a vida nos prega, não apenas o do momento atual. A grande pergunta é: Como eu estarei no final desta trajetória? Vou olhar para mim depois dessa situação e dizer: muito bem, consegui, venci. Ou vou ser o resto dispensável que a onda despeja na praia? Eu quero muito que sua situação seja a primeira alternativa que apresentei, então, me permita contribuir nessa caminhada te ajudando a aliviar as possíveis e/ou diversas tensões.Explicarei de forma sucinta como funciona a PNL.

Como funciona a PNL

As ferramentas de PNL (Programação Neurolinguística) como as temos hoje, tem em sua base o sentido da modelagem da excelência humana. Como assim? Ela surgiu da análise feita por John Grinder e Richard Bandler sobre o comportamento de grandes nomes da terapia, como Virginia Satir, Milton Erickson entre outros, para que tenhamos nossas ações de auto sabotagem e/ou crenças limitadoras transformadas, ou seja, reprogramadas para que sejamos muito mais do que acreditamos ser, ir além do que achamos que podemos ir e achar soluções onde não parece haver. Essa é a função básica dessa ferramenta chamada Programação Neurolinguística

Ao ser convidado a escrever essas palavras, eu decidi apresentas as técnicas que adaptei de um livro muito interessante intitulado “O Maior Vendedor do Mundo” de Og Mandino, onde o foco do enredo é o desempenho em vendas e relações comerciais, para o cenário atual, minha adaptação faz menção a estratégias de programações mentais para que possamos atravessar este período de provação de maneira serena e acarretando o mínimo de traumas possíveis. Afinal, a vida é um grande mercado, cabe a você decidir o que comprar. Mas Jorge, isso é possível? Sim! Exige muita técnica ou estudos aprofundados? Também! Mas irei dividir minhas experiências com vocês abordando dois caminhos, tanto objetivo quanto subjetivo, para que se torne mais fácil trilhar este caminho onde fomos inseridos de maneira forçosa, pois bem, vamos nessa?

Subjetivo e Objetivo

Iniciando pelo caminho subjetivo, que é aquilo que eu posso controlar na minha cabeça, como os pensamentos, minhas palavras, minha respiração ou aquilo que ouço, já o caminho objetivo é aquilo que eu posso ver, sentir fisicamente e operar. A estratégia é simples: adquirir bons hábitos e se tornar escravo deles, todos nós temos hábitos, alguns bons, outros não tão bons assim, dessa forma podemos guiar nossos hábitos ao ponto que se tornem tão comum quanto o ato de respirar e piscar os olhos.

Minha primeira dica seria que ao acordar, ARRUME A CAMA, faça algum exercício físico, tome um bom café, tome um banho e se arrume como quem vai sair para trabalhar (principalmente que está atuando em estilo Home Office), coloque em dia tudo o que vinha deixando pra depois, porque o depois chegou, desacelerou a nossa vida pra que você possa revisá-la, do seriado ao estudo.

Podemos agora organizar aquilo que estava ficando para depois, isso o que podemos controlar objetivamente e o passo mais importante, seja grato, agradeça sempre, mesmo que tudo o leve a pensar o contrário, você pode fechar os olhos para visualizar suas razões de gratidão, pois o cérebro não distingue o real do imaginário, liberando serotonina,  hormônio que produz felicidade. Seguindo nesse caminho de gratidão, agradeça por você existir, ame-se, pois só assim você poderá controlar o seu dia e influenciar de maneira positiva quem está próximo a você e na mesma intensidade ame aos demais, procurando sempre formas de reconhecer suas qualidades e nunca dirigindo julgamentos negativos, logo, se você quer ficar bem consigo, deixe outra pessoa alegre na mesma intensidade.

Não aceite palavras que possam abalar seus estímulos, que te levam a auto sabotagem, como “sem esperança” “não posso” “desistir” etc. Enfrente cada dia como novas expectativas e anseios, afinal, você é uma criatura única, criada para um propósito e se você é pai ou mãe, aproveite este período para encorajar de forma amável e serena os seus filhos pra que persistam nos estudos, nas leituras, nas atividades importantes do dia a dia, lembre-se, você é o responsável nesta zona de controle e influência.

O amanhã a Deus pertence, já diz o ditado, viva o hoje focado no hoje, o amanhã está tão enterrado quanto o ontem, é preciso sim ter um foco para quando chegarmos no fim dessa trajetória, mas com o olhar e o pensamento no foco, trabalhamos hoje afim de me direcionar bem até o amanhã.

Quando os pensamentos ansiosos ou entristecidos surgirem, primeiro lembre de o hoje e segundo, pare, feche os olhos e respire fundo calmamente, percebendo aquilo que está presente neste momento, volte e retome o controle e retomando o controle, você se torna senhor ou senhora de suas ações e se alguém se exaltar com você, seu controle emocional estará tão forte e presente a ponto de interagir de maneira serena para que o problema seja resolvido e diluído o mais rápido e pacífico possível. Afinal, nem todos tem o controle sobre suas ações, mas nós os temos e assim saberemos como mediar qualquer tipo de conflito.

Depois de resolvido os problemas, ria, pois, sorrindo, nós nos sentiremos verdadeiramente humanos, pois está em uma característica que só nós possuímos quanto criaturas da terra. A cada dia valorize muito seus objetivos, visualize as conquistas que você vai obter no final dessa caminhada que teu cérebro te ajudará enviando cargas de endorfina, hormônios geradores do prazer e persistência, assim, você opera aquilo que o fracasso não te deixaria em prol de seu objetivo. Deseje suas conquistas mais do que qualquer outra coisa. Aja agora, pois não sabemos se poderemos agir amanhã, ame seus filhos hoje, ame seus cônjuges hoje, ame seus amigos e demais familiares hoje, as grandes pequenas vitórias diárias dependem de nossas ações, dessa forma, aja. E se você crê em algo superior, que está acima do inatingível, peça, porque o fardo se tornará cada vez menos pesado.

Não se assustem se isso parecer muita coisa, mas acostumar-se a praticar uma coisa de cada vez vai fazer com que sua trajetória se torne leve e o que é melhor, suas ferramentas emocionais estarão programadas para te manter sempre no seu melhor desempenho em todas as áreas da sua vida. Estas são dicas de uso das ferramentas de programação neurolinguística para que você pratique. Minha dica: liste cada tarefa e comemore as ações realizada e no caso contrário, olhe para a cama arrumada e perceba que realizou a primeira tarefa de dia e comemore também esta pequena vitória.

                                                               “Não é o que a vida faz de você, mas sim o que você faz com o que a vida faz de você. ” (Jean-Paul Sartre 1905-1980)

 Autoria: Prof. Jorge Silva (PNL Practitioner e Coach)

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br