Coaching Integral Sistêmico: O que é?

Coaching Integral Sistêmico: O que é?

Será que o Coaching é um processos sistêmico? Como é possível otimizar aprendizados através do coaching de forma integral? É a partir destas dúvidas que resolvi escrever este artigo.

O coaching é uma metodologia tradicionalmente focada em ação e resultado, ou seja, voltado à melhoria de performance, alcance de metas, ativação de poder de ação, realização, busca de melhoria contínua e aprimoramento. Mas existe uma abordagem de coaching que se diferencia um pouco do coaching tradicional por não ser exclusivamente voltado estes aspectos de performance, otimização de processos, geração de mais e melhores resultados e aprendizados de novas competências. Este tipo de coaching chama-se Coaching Integral Sistêmico.

Coaching Integral Sistêmico

Este processo de coaching propõe que uma pessoa bem sucedida tem todas as suas esferas de vida em equilíbrio, e que o desequilíbrio em uma delas impacta nas outras.

Referencial Teórico

Esta metodologia de coaching traz um referencial teórico sistêmico e bioecológico do desenvolvimento humano proposto por Bronfenbrenner (1979, 2002, 2004), convidando o coachee a perceber-se enquanto ser integral e parte de várias esferas de um sistema maior :

Outras teorias que fazem parte do arcabouço teórico do coaching integrado sistêmico são:

  • Psicologia Positiva: visão do humano voltado a aprendizados a partir de toda e qualquer experiência;
  • Psicologia Cognitivo Comportamental: flexibilização e ressignificação de crenças e comportamentos;
  • Sociologia: relações sociais;
  • Antropologia: comportamento humano;
  • Teoria dos Sistemas: conexão e multideterminação da realidade de forma interdependente;
  • Filosofia: compreensão crítica e racional dos princípios humanos;
  • Física Quântica: estruturação e criação da realidade pessoal;
  • Pedagogia: estruturação metodológica e processos de aprendizado;
  • Administração: otimização de processos, melhoria contínua e compreensão dos princípios de liderança;
  • Ética: compreensão de valores na construção do caráter;

Metodologia e Processo

É um processo que propõe integração e equilíbrio entre fatores de alta performance e fatores de equilíbrio emocional. Veja o quadro resumo:

Ele propõe um processo de imersão transformacional, ou seja, que a partir de técnicas e ferramentas vivenciais, o coachee possa entrar em contato com seus pontos de aprendizado e transformação e potencializar seu poder de ação para alcançar o que quer na sua vida de forma integral.

Sendo assim, este referencial traz como uma de suas principais ferramentas de avaliação e indicador de processo evolutivo a Roda da Vida, por convidar o coachee a fazer avaliação no início e final de processo avaliando 12 esferas de sua vida de modo que ele reconheça evidências de resultados e melhorias na sua caminhada de modo integral.

É uma abordagem que provoca você a todo momento refletir e encontrar sentido de modo integrado, congruente, para sua vida, para suas ações e resultados, isto é, sentido e alinhamento entre SER, FAZER, REALIZAR, VIVER, e GERAR DE CONTRIBUIÇÃO no mundo.

Querendo saber mais, confira: http://mamtra.com.br/roda-da-vida-ferramenta-de-autoconhecimento/

 

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

VOCÊ S/A – organizando seu ano fiscal

VOCÊ S/A – organizando seu ano fiscal

A intensificação da crise política-econômica brasileira e escândalos de corrupção, do ano de 2014 para cá, afetou e muito o mercado de trabalho, deixando como marca uma crescente taxa de desemprego. A partir deste cenário, muitos profissionais se depararam com a necessidade de deixar seus postos de trabalho de até então e buscar novas e diferentes oportunidades. Sobreviver, manter uma condição mínima de existência para si mesmo e sua família, manter as contas em dia e permanecer ativo no marcado passaram a ser os grandes desafios no dia a dia de muitos brasileiros.

Mas é fato que muitas pessoas também viram neste momento uma oportunidade para repensar suas carreiras, vivenciar novas formas de trabalho e experimentar alçar novos vôos como autônomo, empreendedor individual ou como PJ. Viram estas outras formas de prestar serviço e continuarem ativos no mercado como uma alternativa muito interessante para ressignificar e reconfigurar suas carreiras. E isso veio de encontro com necessidades de redução de custos e de folha de muitas empresas que já estavam no mercado, e que também viram na contratação de prestadores de serviço, através do regime MEI, Simples Nacional ou outro perfil tributário PJ, muitas vantagens.

Como mais um ano está iniciando, resolvi deixar aqui 10 dicas para você organizar seu ano fiscal. São dicas para quem já se tornou uma PJ, ou está sem saber por onde recomeçar, ou para quem é CLT e ainda está pensando ou mesmo inseguro se vale a pena mudar de regime contratual e arriscar novos vôos de carreira:

  • MAESTRIA: primeiramente reconheça seus DONS e TALENTOS, o que você sabe fazer de melhor, seja prestar um serviço, seja fazer ou revender um produto.
  • PROPÓSITO: reflita e tenha clareza sobre qual seu papel no mundo, que tipo de contribuição / legado / benefício / transformação / soluções você pode agregar no mundo, especialmente na comunidade e para as pessoas que lhe rodeiam. Isto será decisivo para alinhar toda a sua jornada pessoal, profissional e fazer seu negócio ser um REFLEXO e EVIDÊNCIA de que está exercendo sua missão.
  • PESQUISA DE MERCADO: depois de reconhecer o que você tem de melhor a oferecer no mercado, qual seu propósito, e antes de sair abrindo uma PJ com a primeira ideia que vêm à sua mente, é importante pesquisar o mercado e verificar se ele está interessado no que você sabe fazer de melhor ou no seu produto, ou seja, verificar se além de demanda existe real interesse do público que você deseja alcançar.
  • MODELO DE NEGÓCIO: Construa um modelo de negócio bem estruturado para que seja seu norte e sirva de “bússola” para você restruturar sua rota de ação e colocar em prática esta oportunidade de trabalho e rendimento que identificou.
  • OBJETIVOS: Tenha objetivos e saiba quais MOTIVOS, RAZÕES, o porquê e para que você fará este plano de negócio ser uma realidade.
  • PLANEJAMENTO: Planeje METAS de curto, médio, longo prazo alinhadas ao seus objetivos, modelo de negócio, propósito e incluindo seus dons e talentos como ferramentas para colocar ações, tarefas e atividades em prática rumo ao que você quer SER e REALIZAR.
  • ERROS: sim, você vai errar e muitas vezes. Se você conhecer algum empreendedor / empresa que nunca tenham errado algum passo, desconfie. Mas você deve entender e encarar os erros como parte de um grande EXPERIMENTO, como TESTES, como oportunidades de entender o que funciona e o que não funciona para você e para o seu negócio. Eles não devem fazer você desistir, não devem paralisar seu poder de ação, mas sim devem potencializar seu olhar investigativo e levar você a AJUSTAR, REPARAR, MELHORAR para continuar dando passos na sua jornada.
  • CLIENTES: São pessoas como você, tem necessidades e, mais do que comprar um produto ou serviço, eles querem atenção, respeito, compromisso, carinho, serem positivamente surpreendidos e que seja entregue o que eles investiram. Você precisa entender que eles são um dos pilares do seu negócio.
  • CONEXÃO: Você faz parte de uma grande rede e para oferecer o que você tem de melhor, seja em serviço ou em produto, você precisará se CONECTAR o tempo todo. Isso não quer dizer manter-se online e postando o tempo todo nas redes sociais, mas sim genuinamente estar presente nas relações, cuidar delas, dar e receber verdadeiramente, sejam elas online ou offline.
  • RESULTADOS: Eles serão CONSEQUÊNCIA de toda esta jornada que você fará. São proporcionais aos esforços, empenhos, investimentos (seja de tempo, financeiro, emocional, energético, amor, etc), disciplina e continuidade. Resultados precisam ser projetados e acolhidos considerando a realidade e momento de negócio que você esteja. Esperar que seu negócio “bombe” no primeiro mês de estrada, nos 10 primeiros contatos feitos, é simplesmente precipitado. Lembre-se: atletas olímpicos se tornam vencedores após longos anos de treino, e não quando tomam a decisão de serem atletas.

O coaching é uma excelente metodologia de trabalho que ajudará você a ter clareza e encontrar respostas para todos estes passos acima citados, levando você a estruturar sua ROTA DE AÇÃO de modo realista, viável e duradoura. Terei o enorme prazer de ajudar você nesta jornada.

Espero que estas 10 dicas possam contribuir agora mesmo para você realinhar o seu trem nos trilhos ou mesmo pensar em novas rotas de forma estruturada e com as maiores chances de levar você a SER o que você quer ser e REALIZAR o que deseja e sabe fazer de melhor.

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

TRABALHO E FAMÍLIA: como conciliar em tempos de pandemia

TRABALHO E FAMÍLIA: como conciliar em tempos de pandemia

Todos fomos levados a colocar em prática o distanciamento social como uma das estratégias de combate ao corona vírus, de conter a curva de propagação do vírus, proteger-nos e proteger nossos familiares, assim como não colapsar o sistema de saúde. Todos tivemos de ficar em casa sem previsão, e com isto vieram muitos desafios , dentre eles o conciliar do trabalho com os cuidados com a família. Para ajudar neste desafio, deixo aqui 4 dicas para você:

  • TAREFAS DOMÉSTICAS: procure envolver todos os familiares que estejam em plenas condições de saúde nos cuidados com a casa e tarefas domésticas. Quando fazemos juntos, dividindo as tarefas, dedicamos menor tempo e ninguém fica sobrecarregado sozinho. As crianças também podem ajudar em algumas tarefas apropriadas para sua faixa etária, é uma forma de educa-las sobre a importância da organização, responsabilidades, e elas se sentirem participantes ativas;
  • TRABALHO: exigir-se ter a mesma rotina que você tinha quando no escritório, empresa, ou outro trabalho que você fazia antes fora de casa é simplesmente irreal. O contexto mudou, a rotina é outra, os recursos não são os mesmos. Então procure dividir sem tempo entendendo que o trabalho é parte do seu dia e não a única e mais importante atividade a dedicar seu tempo. Cuidar de si e da sua família é muito importante e demanda tempo. Procure distribuir suas atividades profissionais ao longo da semana e combine com eles qual horário você focará nele e que não poderá ser interrompido com distrações;
  • ROTINA PARA TODOS: procure negociar com todos os envolvidos como será a rotina da família, bem como as individuais, incluindo as crianças. Quais tarefas precisam ser cumpridas, horário das refeições, quem sairá se necessário for, horários para dormir, refeições, atividade física e incluir tempo para lazer, descanso, diversão juntos. É preciso manter corpo, mente e espírito saudáveis para atravessar esta jornada da melhor forma possível;
  • APOIO, ESCUTA, ACOLHIMENTO, COMPAIXÃO: todos neste contexto estão expostos a alto grau de estresse com as mudanças de rotina, preocupação extrema com a saúde e preservação, o que nos faz vivenciar muitas experiências psicoemocionais, mudanças de humor súbitas, mudanças comportamentais. É preciso que todos se apoiem, compartilhem as vulnerabilidades, peçam e ofereçam ajuda e acolham os momentos de fragilidade uns dos outros. Apoio, escuta e pertencimento é fundamental para fortalecer a resiliência individual e do núcleo familiar.

Estas dicas foram pensadas para otimizar o dia a dia da família como um todo, entendendo que todos são corresponsáveis pelo lar, pelo bem estar e qualidade de vida do coletivo em domicílio. É fundamental aceitar o contexto que estamos vivendo e nos colocarmos abertos a buscar as melhores soluções ao alcance, ainda que temporárias frente ao contexto maior de incertezas.

Agora é hora mais do que nunca de pensarmos no todo, no que é melhor considerando todos os envolvidos e não focar nos interesses individuais para não sobrecarregar ninguém, muito menos gerar conflitos familiares desnecessários, quando já estamos diante de tantos outros problemas tão mais relevantes que nos exigem diariamente muita energia, discernimento, disciplina e aceitação para encarar o contexto macro. Vamos focar no que realmente importa neste momento. Desejo boa sorte e sabedoria a você e sua família para colocar em prática estas dicas e promoverem juntos um ambiente mais saudável e colaborativo para atravessar esta pandemia com os menores impactos.

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

FELICIDADE COMO CAMINHO: conheça suas preferências e essência

FELICIDADE COMO CAMINHO: conheça suas preferências e essência

Num outro artigo que escrevi aqui no blog comentei o quanto este tema da felicidade desperta interesse de pessoas em rodas de conversas, redes sociais, livros diversos, assim como de áreas do conhecimento como filosofia, psicologia, espiritualidade. Hoje vamos falar sobre a felicidade como caminho e sobre a importância do autoconhecimento neste processo.

Quando falamos do termo felicidade, podemos encontrar diversas definições estruturadas por filósofos e autores que despertam a reflexão sobre sentido da vida, por que vivemos e fazemos o que fazemos, motivações para a existência, sobre o que realmente importa para entendermos que a vida que vivemos está valendo a pena e possui sentido.

E isso provoca emoções positivas, que nos fazem nomear alguns eventos da nossa jornada como felizes, em que nos sentimos plenos, realizados, preenchidos por sensações agradáveis como alegria, paz, plenitude, como por exemplo o nascer de uma criança, quando ela dar seus primeiros passos e palavras, quando passamos num vestibular, concurso público, quando conseguimos aquele trabalho que tanto queríamos, quando vivemos relacionamentos agradáveis com familiares amigos, quando fazemos uma viagem dos sonhos, quando realizamos um projeto, um casamento, quando encontramos alguém que amamos e que estava distante fisicamente há anos, entre outros tantos belos momentos de vida.

A verdade é que a felicidade não está nestas situações em si, mas sim no como vemos e nos relacionamos com estes momentos ao longo da nossa vida, com o que eles significam para nós. E isto fala muito mais de nós mesmos do que dos fatos que acontecem.

AUTOCONHECIMENTO X FELICIDADE

Para termos clareza do que é felicidade para nós, é preciso ter clareza do que nos faz feliz. E para isto é preciso se conhecer, percorrer a jornada do autoconhecimento para que possamos acessar nossa essência, nossos valores, interesses, gostos, preferências e experienciar situações que nos provocam alegria, realização, paz, plenitude alinhadas a estes pontos.

Mas, muitas vezes, podemos começar a entender o que é felicidade a partir de eventos e situações trágicas ou ruins, como perdas, falecimentos, separações, conflitos, enfermidades, pois elas também nos colocam em direto contato com o que nos falta, com nossas dores, nossos motivos de infelicidade e que nos provocam a mudar de rota, ajustar planos, ressignificar relações e vida como um todo, rumo a viver com mais sentido.

Por estes pontos é que dizemos que felicidade é um caminho. E que para seguir nele é preciso entrarmos em contato com nossa essência e preferências. Momentos em que nos percebemos fazendo o que gostamos, seja profissionalmente ou não, agindo coerente com valores que tomamos como referenciais da nossa existência, tomando decisões e fazendo escolhas também alinhadas a eles e as sensações agradáveis de alegria, paz, plenitude certamente nos ajudam a entender o que é felicidade para nós e servem de referenciais para buscar cada vez mais momentos como estes em nossa vida, assim como superar desafios e momentos difíceis, promover mudanças, seja no nosso jeito de ser, no nosso estilo de vida, relacionamentos, hábitos, ações sociais, trabalho, entre outros aspectos.

E com objetivo de ajudar você na sua jornada de busca da felicidade, deixo aqui algumas perguntas para que possa fazer a si mesmo sobre o assunto:

  • Quem é você? Qual a sua essência?
  • O que move você?
  • O que faz você acordar e viver seus dias?
  • Por que você vive, para que você vive? Como você vive?
  • Por que você faz o que faz? Para que você faz o que faz? Como você faz o que faz?
  • Quais seus interesses, gostos e preferências?
  • Quais seus valores?
  • Qual seu propósito?
  • Quais pessoas são referências positivas para você? Por quê?
  • Quais os momentos mais felizes que viveu até aqui? O que aconteceu que deixou você feliz nestas situações?
  • Quais piores momentos que viveu até aqui? O que aconteceu? O que faltou nestas situações?
  • O que você faz hoje que deixa você feliz, pleno, em paz e realizado?
  • Em quais situações você se sente completo? Como?
  • O que realmente importa para você?
  • Felicidade para você é… (complete a frase)

Espero que você faça este exercício e que esta pequena reflexão ajude você a ampliar sua visão sobre se mesmo, os outros e o mundo, sobre o que é felicidade para você e de modo que possa realizar ajustes e melhorias na sua jornada de autoconhecimento e realização.

Para saber mais:

http://mamtra.com.br/felicidade-o-que-te-faz-feliz/

O que é Coaching Ontológico?

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

Roda da Vida: Ferramenta de Autoconhecimento

Roda da Vida: Ferramenta de Autoconhecimento

A Roda da Vida é uma excelente ferramenta de autoconhecimento. Ela propõe uma reflexão sobre 4 esferas de vida (Pessoal, Profissional, Relacionamentos, Qualidade de Vida), subdivididas em 12 fatores de análise:

  • Saúde e Disposição
  • Desenvolvimento Intelectual
  • Equilíbrio Emocional
  • Realização e Propósito
  • Recursos Financeiros
  • Contribuição Social
  • Família
  • Desenvolvimento Amoroso
  • Vida Social
  • Criatividade / Hobbies e Diversão
  • Plenitude e Felicidade
  • Espiritualidade

A partir destas fatores, é proposto ao coachee refletir como ele entende cada um destes conceitos, como ele enxerga a expressão deles no seu momento atual e convida ele a dar uma nota de 1 a 10 para avaliar como estar está este indicador no presente.

Ao final, o coachee terá um “raio-x” de como está sua vida de forma integral no estado atual, e é convidado a propor ações para colocar em prática a partir de hoje do que ele acredita ser prioritário a ser ajustado ou potencializado, a partir de suas necessidades e incômodos do momento.

É uma excelente ferramenta de autoavaliação e que pode ser aplicada também ao final para gerar um “Antes e Depois” gerando, assim, um resultado mensurável do que buscou trabalhar ao longo do processo de coaching, evidenciando a eficácia tanto do trabalho realizado como dos seus esforços empenhados rumo ao seu objetivo.

 

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

As 7 Saúdes

As 7 Saúdes

O ser humano é composto de 5 dimensões que precisamos dedicar tempo e energia para cuidar de cada uma delas. São elas:

Para isso é fundamental que cuidemos da nossa saúde como um todo integrado, como um sistema, e não somente da saúde física e mental.

Como uma forma didática e fácil de entender como colocar este autocuidado na prática, foi criado o conceito das 7 saúdes. Elas nos ajudam a olhar cada dimensão da nossa existência e cuidar para mantê-las bem, saudáveis e em equilíbrio uma com as outras. São elas:

E aqui deixo 7 perguntinhas para você se fazer de modo a refletir como andam as suas 7 saúdes:

  1. Saúde Física: como você cuida do seu corpo?

  2. Saúde Espiritual: como você alimenta seu espírito e seus sonhos?

  3. Saúde Intelectual: como você mantem ativo intelectualmente, buscando novos conhecimentos?

  4. Saúde Familiar: como você cuida e se dedica à sua família?

  5. Saúde Social: como você mantém ativa e cuida das suas relações? Você faz trocas energéticas positivas e colabora junto às outras pessoas?

  6. Saúde Profissional: como que você está na sua carreira? Estagnado ou buscando melhoria contínua, aprendizados, desafios e oportunidades?

  7. Saúde Financeira: como você se relaciona com o dinheiro? Como você se organiza financeiramente? Como você entende que a prosperidade acontece em sua vida?

Cuidar destas 7 saúdes é fundamental porque impacta diretamente no seu nível de felicidade, equilíbrio geral, sentido de vida, carreira, bem estar, assim como nas suas realizações, vivência da abundância e prosperidade.

Estas perguntas são para você começar a partir de agora a refletir como que estão cada 1 das suas saúdes, o equilíbrio entre elas e o que você pode gerar de ação a partir de agora para promover cada uma delas e o equilíbrio integral.

 

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

ALCOOLISMO: qual a relação da família no tratamento

ALCOOLISMO: qual a relação da família no tratamento

Alcoolismo, ou Síndrome de Dependência do Álcool (SDAS),  como atualmente é nomeada, é um dos tipos de dependência química, ou seja relacionada ao uso de substância psicoativa que, no caso o álcool, age no sistema nervoso central e gera alterações de comportamento, humor e cognições.

É uma substância depressora, capaz de lentificar nossa atividade cerebral, diminuir a velocidade de processamento, provocando a redução de limites, e causando efeitos como desinibição, sonolência, desatenção, desconcentração, letargia.

É uma doença hoje considerada em níveis graves em termos de saúde pública, mas  que apresenta dificuldades ainda em seu reconhecimento e tratamento por questões culturais presentes na cultura brasileira que validam o uso social e recreativo do álcool. Muitas pessoas ainda não associam o uso abusivo e frequente do álcool a uma doença, a uma dependência química.

O alcoolismo, assim como outras doenças e dependências químicas, é um complexo fenômeno, já que envolve fatores de natureza biológica (componentes genéticos, hereditários), psicológica (temperamento, personalidade, recursos psicoemocionais), e social (interações sociais, relacionamentos, experiências pessoais, profissionais, cultura, etc). Existem alguns fatores que estimulam e/ou levam muitas pessoas ao uso do álcool de forma abusiva e/ou estabelecer a dependência química, são eles:

  • Curiosidade
  • Influência de amigos e familiares (incentivo sócio-cultural)
  • Busca de autoafirmação (baixa autoestima)
  • Desejo de fuga dos problemas (evitação)
  • Coragem para agir
  • Busca de prazer
  • Dificuldades para lidar com situações difíceis, dolorosas
  • Hábito (dependência)
  • Redução de ansiedade, raiva e/ou irritação (hiper-compensação)
  • Facilidade de acesso

E no âmbito das interações sociais, família e amigos, é importante reconhecer qual o papel deles , qual a relação que eles têm no sentido de incentivar o uso ou ajudar o paciente no seu tratamento.

AMIZADES

Como falamos mais acima, os amigos podem ser um dos fatores que estimulam o uso do álcool. Isto acontece quando grupos costumam se reunir com frequência e necessariamente sempre envolvendo o uso do álcool, o que para um dependente ou uma pessoa sujeita desenvolver a dependência química do álcool, este fator termina se configurando como gatilho para o uso abusivo que, com o passar do tempo, estimulam o desenvolvimento da dependência.

Isto não quer dizer que as amizades são sempre um fator de risco. Falar isso seria uma distorção de hiper-generalização. Mas o fato é que, é preciso que a pessoa que tenha a dependência ou esteja sujeita a desenvolver, amplie seu leque de relações de modo que ele possa encontrar pessoas que não façam uso do álcool e sirvam de apoiadoras no seu processo. E que aquelas que façam uso eventual, meramente recreativo, também possam ajudá-la a resistir e restringir o uso de álcool contribuindo positivamente no seu processo de recuperação e prevenção de recaídas, mostrando que é possível socializar-se e divertir-se sem necessariamente envolver o consumo de álcool.

FAMÍLIA

A família é um dos componentes mais complexos e multideterminante nos casos de alcoolismo. Seja pela presença do componente hereditário (base biológica), seja pela transmissão do comportamento (modelação e transmissão transgeracional), seja por gerar outros fatores de estímulo/incentivo ao uso abusivo e dependência (validação do uso do álcool no ambiente familiar , aspectos culturais, facilidade de acesso, frequência de uso x hábitos familiares, relações conflituosas, etc).

Muitos pacientes iniciam seu uso de álcool muito cedo e mesmo dentro do ambiente familiar, seja porque o alcoolismo já está presente e instalado naquela família, seja por fatores de incentivo a partir das interações sociais e familiares.

É muito comum também a presença do uso de álcool associado a outros processos de sofrimento ou adoecimento psicoemocionais (depressão, ansiedade, compulsões, etc). Se é um fator preexistente num contexto familiar, o risco é ainda maior para as crianças neste ambiente entenderem como algo normal, corriqueiro, habitual e mesmo benéfico o uso do álcool, facilitando assim o início cada vez mais jovem e a estruturação da dependência química a partir de influências familiares.

Outro componente importante a ser ressaltado é a resistência de muitos usuários  a encarar este hábito como doença, como dependência química,  e não entender a necessidade de busca de ajuda e tratamento profissional. Isto prejudica tanto a ele como às relações familiares à sua volta, já que seus familiares muitas vezes são expostos a seus sintomas, prejuízos, internações, acidentes de trânsito, situações difíceis, conflitantes, ou mesmo constrangedoras para eles e para o próprio usuário.

Uma informação de grande relevância sobre o impacto do alcoolismo na família está neste trecho extraído de artigo científico (mais abaixo):

“sobre os efeitos do alcoolismo na família, estudos demonstram que viver em um ‘ambiente alcoolista’ afeta negativamente os descendentes de alcoolistas e que, para cada alcoolista, cinco ou seis pessoas da família são afetadas. Problemas familiares como desavenças, falta de credibilidade e desconfianças são sentimentos despertados nas pessoas que já passaram pela experiência de ter um dependente e, quando há um dependente na família, todos adoecem.” (Filizola, Perón, Nascimento, Pavarini & Filho 2006)

Neste trecho, os autores nos elucidam o quanto o alcoolismo têm este potencial de acometer não só o usuário, mas toda a sua família, assim como a dependência relacionada a outras substâncias psicoativas e mesmo outros quadros de enfermidade. Isto trás a tona a importância de olhar o problema do alcoolismo como sistêmico, não só com foco no usuário, mas também incluir, acolher, ouvir, orientar e convidar os familiares a participarem ativamente do tratamento do paciente em questão, contribuindo para sua melhoria e a de todos envolvidos.

Assim como falamos das relações de amizades, a família exerce um papel chave no tratamento e prevenção.  Se o paciente tem uma família apoiadora, com relações mais saudáveis e que entende que de fato aquele familiar tem um problema de saúde a ser tratado, a família pode servir de “escudo” frente à situações de risco, ajudando o paciente a mapeá-las assim como evitá-las, contribuindo positivamente para o tratamento.

Porém, quando se tratam de famílias tóxicas, ou seja, com muitas relações conflituosas, turbulentas, adoecidas ou mesmo que contribuam para o sofrimento psicoemocional do paciente, potencializando quadros de ansiedade, depressão, angústia e inseguranças frequentes dos mesmos, esta família pode se tornar mais um fator de risco para o paciente, e incentivando a buscar alívio do seu sofrimento no uso contínuo do álcool como estratégia “relaxante” e/ou “anestésica” frente ao seu sofrimento.

Para saber mais sobre alcoolismo e compreendê-lo na família e seus impactos, acesse: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452006000400007

https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/4579.pdf

 

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

FELICIDADE: como identificar o que te faz feliz

FELICIDADE: como identificar o que te faz feliz

O que é felicidade? Você sabe o que faz você feliz? Pois bem, estas perguntas constantemente são temas de conversas prolongadas, em qualquer lugar, inclusive nas redes sociais. São perguntas que provocam a gente entrar em contato com o sentido de nossa vida, nossas escolhas, o que somos, o que fazemos, por que somos e fazemos o que fazemos, para quê, para quem. Pensando em contribuir com mais uma reflexão sobre vida e plenitude, hoje vamos falar sobre como identificar fatores que promovam felicidade na sua jornada.

FELICIDADE: o que é?

Primeiro ponto importante a ressaltar é que não existem um conceito único sobre o que é felicidade. Se pararmos para considerar os grandes pensadores e filósofos, de cara já encontraremos diferentes definições sobre este conceito. Eis abaixo algumas que mais me chamam a atenção e gostaria de compartilhar com você:

“Só há um caminho para a felicidade. Não nos preocuparmos com coisas que ultrapassam o poder da nossa vontade” (Epicuro : 341 a.C. – 271d.C.)

“A felicidade é o sentido e o propósito da vida, o único objetivo e a finalidade da existência humana.” (Aristóteles: 384 a.C.–322 a.C)

“A felicidade é frágil e volátil, pois só é possível senti-la em certos momentos. Na verdade, se pudéssemos vivenciá-la de forma ininterrupta, ela perderia o valor, uma vez que só percebemos que somos felizes por comparação” (Friedrich Nietszche: 1844–1900)

“Felicidade é quando o que você pensa, o que você diz e o que você faz estão em harmonia.” (Mahatma Gandhi: 1869–1948)

“Todo mundo quer a felicidade sem qualquer dor, mas você não pode ter o arco-íris sem um pouco de chuva.” (Bob Marley: 1945–1981)

“Somos o resultado das circunstâncias da existência. Não só da genética que herdamos, como do processo intrauterino, quanto ao processo de nascimento e das experiências que passamos. Se quisermos um estado de bem-estar, que o budismo chama de nirvana, não significa a ausência de dores e insatisfações, elas existem.” (Monja Coen: 1947- )

“Felicidade é um bom projeto de vida. E não perca tempo com bobagens.” (Leandro Karnal: 1963 – )

Fiz questão de compartilhar definições de felicidade por diferentes autores, de diferentes momentos históricos, desde antes de Cristo até os que ainda são vivos hoje. Isto porque de cara já nos faz perceber que este conceito não é único e quebrar o mito de busca da felicidade sob um “formato X”, “modelo y”, que infelizmente muitas pessoas ainda têm em mente nos dias atuais, em pleno século XXI.

O fato é que, como ponto comum a todas as definições, estamos falando de como as pessoas vivem, de busca de sentido da vida, isto é, a percepção de felicidade está relacionada a uma visão de mundo e valores norteadores de forma de pensar, sentir e agir no mundo.

WHP e o FIB

A psicologia positiva é um campo recente da ciência do comportamento humano. A partir da década de 1990, estudos foram estruturados e pesquisas feitas em diversos países por pesquisadores das universidades de Harvard, Yale, Pensilvania, Michigan, buscando entender o que levariam o ser humano à felicidade, se existiriam fatores de felicidade e quais seriam eles.

O resultado de décadas de pesquisa, levaram a estruturação de um ranking mundial dos países mais felizes do mundo, atualizado anualmente desde 2016, em 156 diferentes países, o  World Happiness Report (WHP) , com dados da ONU e da Consultoria Gallup, que monitoram o estado de felicidade nos países pesquisados.

Em 1972, o rei do Butão estruturou 9 indicadores de felicidade, como forma de indicar o crescimento do país sem considerar o aspecto econômico, mas sim, psicológico, espiritual, cultural, ambiental. Daí estruturou-se o índice FIB (Felicidade Interna Bruta), tomado pela ONU como referência nas pesquisas sobre felicidade mundo. São eles:

  1. Bem-estar psicológico: Mede o otimismo que cada cidadão tem em relação a sua vida, relativo à autoestima, nível de stress e espiritualidade;
  2. Saúde: Avalia medidas de saúde implantadas pelo governo (exercícios físicos, nutrição e autoavaliação da saúde);
  3. Uso do tempo: Tempo que o cidadão perde no trânsito, carga horário de trabalho, divisão de horas entre o trabalho, descanso, lazer e estudos;
  4. Vitalidade comunitária: Relacionamento e das interações entre as comunidades. Analisa a segurança dentro da comunidade, assim como sensação de pertencimento e ações de voluntariado;
  5. Educação: Verificação de itens como participação na educação informal e formal, valores educacionais, educação no que se refere ao meio ambiente e competências.
  6. Cultura: Análise de tradições culturais locais, festejos tradicionais, práticas culturais, desenvolvimento de capacidades artísticas e discriminação de raça, cor, ou gênero.
  7. Meio ambiente: Relação entre os cidadãos e os meios naturais como solo, ar e água. Estuda a acessibilidade para áreas verdes, sistemas para coletar o lixo e biodiversidades da comunidade.
  8. Governança: Estuda a maneira da relação entre a população e a mídia, poder judiciário, sistemas de eleições e segurança.
  9. Padrão de vida: Análise da renda familiar e individual, seguridade nas finanças, dívidas e qualidade habitacional.

Entrar em contato com o ranking WHP e o índice FIB também é uma evidência que o conceito de felicidade não é único e que a sua percepção varia nas diferentes culturas e economias, assim como é fundamental incluir fatores subjetivos como a espiritualidade, a cultura, interações sociais, saúde física e psico-emocional, valores, comportamentos como constituidores do que é felicidade para cada pessoa, cada povo.

COMO IDENTIFICAR O QUE TE FAZ FELIZ

Agora que já percebemos que felicidade não é única para todos, e que vivenciá-la é uma percepção e experiência particular para cada ser humano, vamos então ao objetivo principal da nossa reflexão de hoje: como identificar fatores que fazem você feliz.

Ao trazer as diversas definições de felicidades dos pensadores e filósofos de diferentes períodos históricos, percebemos que falar de felicidade inclui valores e o sentido da vida. E isso é algo bem variado, particular para cada pessoa, comunidade, povo.

Mas é possível aqui elencar algumas estratégias que contribuem para você se conectar com o sentido da sua vida, seus valores, senso de pertencimento, identidade, necessidades emocionais, necessidades materiais e direitos:

  1. Leituras e Filmes: que proponham reflexões sobre sentido da vida, felicidade, autoconhecimento, o que realmente é importante para você e te gera um senso de realização e plenitude;
  2. Socialização: como oportunidade de compartilhar, ouvir, ser ouvido, relacionar-se, comunicar-se a partir de relações saudáveis e que te gere sendo de pertencimento e identidade. Ex: encontros familiares, encontros com amigos, coletivos de identidade social, de gênero, de empreendedorismo, artísticos, espirituais, etc;
  3. Voluntariado: como estratégia de você ajudar o outro, contribuir diretamente para o bem estar do outro, seja ele psicoemocional, físico, material, saúde, educação, moradia, alimento, escuta ativa, roupas, etc. Isto gera sentimento de ser parte de um todo maior, autorresponsabilidade, contribuição social, empatia, gratidão;
  4. Psicoterapia: que pode ser individual ou em grupo. Uma estratégia de autoconhecimento, aprendizado de habilidades sociais, enfrentamento de medos, dilemas, perdas, superações, que gera muitos aprendizados consigo mesmo e na interação com os outros parte do grupo;
  5. Coaching Ontológico: um processo de life coaching que faz você refletir sobre o que realmente importa para sua vida, valores, senso de identidade, pertencimento, contribuição social e gerar uma rota de ação com o que você está disposto a entrar em ação para viver uma vida com sentido, alinhado a tudo isso;
  6. Atividades Culturais e Esportivas: como forma de desenvolver habilidades criativas, físicas, mentais, autoconhecimento, visão de mundo, identidade, expressão, pertencimento e contribuição social.

Convido você a começar agora mesmo a investir no seu processo de autoconhecimento, seja ele qual for, para entrar em contato com o sentido da sua vida, seus valores, o que realmente importa para você, para que possa dar novos passos para viver uma vida com sentido, realização, plenitude, uma vida feliz.

Para saber mais:

http://mamtra.com.br/o-que-e-coaching-ontologico/

http://mamtra.com.br/o-que-e-coaching-criacional/

https://exame.abril.com.br/mundo/estes-sao-os-paises-mais-felizes-do-mundo-em-2019/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Relat%C3%B3rio_Mundial_da_Felicidade

https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/geografia/fibfelicidade-interna-bruta.htm

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

EDUCAÇÃO EMOCIONAL: o que é e por que praticar

EDUCAÇÃO EMOCIONAL: o que é e por que praticar

Em tempos em que temos acompanhado tantas notícias difíceis, comportamentos e discursos bélicos, intolerância, preconceitos os mais diversos, além do aumento e casos de suicídio em todas as idades, bem como as estatísticas de adoecimento psico-emocional, em especial depressão, quadros de ansiedade, pânico, adicções, compulsões, falar sobre educação emocional torna-se fundamental. Hoje neste artigo vamos falar o que é e por que é importantíssimo praticar a educação emocional.

EDUCAÇÃO EMOCIONAL: O QUE É?

Educação emocional, como o nome em si já nos sinaliza, é um processo educativo direcionado a conhecer, nomear as emoções, reconhecer a presença delas, seus gatilhos, prestar atenção no que elas falam sobre nós, o que elas querem transmitir de informação. Como pode perceber, são várias ações envolvidas no processo, e isso não nascemos sabendo, é um processo que aprendemos ao longo do nosso desenvolvimento.

Nossas primeiras referências de como reconhecer e acessar emoções são os nossos cuidadores, isto é, pais, familiares, professores, sendo lá na infância nossas primeiras “aulas” de educação emocional feitas por eles de forma consciente e intencional ou não.

Antigamente não se falava muito sobre este assunto. Porém hoje, cada vez mais, se torna de suma importância falar sobre as emoções, educação, regulação e processamento emocional, como etapas e estratégias de saúde mental, treino e desenvolvimento de comunicação e expressão assertiva.

Todas estas ferramentas impactam nas relações que estabelecemos, e é melhor que aprendamos para fazer o impacto ser positivo, estabelecermos relações saudáveis e possamos conhecer mais sobre nós mesmos, os outros e o mundo que vivemos

REGULAÇÃO EMOCIONAL

A regulação emocional é uma estratégia que também aprendemos como parte da educação emocional. Consta de ferramentas práticas como exercícios respiratórios, de atenção plena, focalização, técnicas cognitivas e vivenciais, que nos ajudam a perceber nosso estado emocional e, mais do que isso, nos ajuda a despotencializar e regular emoções muito intensas.

Na regulação emocional, a proposta é perceber a presença da emoção, assessá-las e regulá-las, sem sucumbir a elas, entendendo que as emoções fazem parte de nossa experiência psico-emocional, de que não somos as emoções em si, mas que muito temos de aprender com elas. E para isso é preciso aceitar a presença delas, abrir-se e permitir-se senti-las.

Vivenciar processos emocionais são também estratégias de autoconhecimento e aprendizagem, mas que não passam pelas articulações racionais, lógicas, cognitivas. Aqui o aprendizado se dá através do sentir, do perceber.

POR QUE PRATICAR A EDUCAÇÃO EMOCIONAL?

Praticar a educação emocional é uma importantíssima estratégia de prevenção e promoção de saúde mental. Aprender a reconhecer e nomear as emoções abre portas para um aprendizado através do sentir, que muito contribui também para processos cognitivos e executivos, como a tomada de decisão, resolução de problemas, mediação de conflitos.

Incluir o aprendizado através das emoções como parceiro de processos executivos é de grande riqueza, pois as emoções ajudam a reconhecer sensorialmente o que nos faz bem e o que não nos faz bem.

É muito recorrente ouvir no consultório pessoas que sinalizam não conseguirem entrar em ação ou tomar uma decisão, por conta de um medo muito grande, uma vergonha, uma insegurança, um desamparo e falta de apoio. Quando elas começam a reconhecer as próprias emoções, isso abre portas para elas conhecerem as necessidades emocionais que desejam e precisam buscar suprir.

A partir daí poderão direcionar sua atenção para estratégias assertivas de comunicação interpessoal, ou seja, de modo a pedir o que precisa, quebrar possíveis distorções cognitivas (pensamentos disfuncionais automáticos, crenças limitantes) que a impedem de ser em sua plenitude.

Sendo assim, praticar a educação emocional proporciona alguns destes benefícios:

  • AUTOCONHECIMENTO
  • ATENÇÃO PLENA
  • AUTOPERCEPÇÃO
  • APRENDIZADOS através do SENTIR
  • AUTORRESPEITO
  • AUTOCUIDADO
  • REGULAÇÃO EMOCIONAL
  • EQUILÍBRIO
  • ASSERTIVIDADE na COMUNICAÇÃO e RELAÇÕES

COMO PRATICAR A EDUCAÇÃO EMOCIONAL

O processo de educação emocional envolver várias etapas e muita, muita prática. Mas para ficar mais claro e resumido o que aprendemos ao desenvolver estratégia, segue o abaixo etapas do processo:

  1. Conhecer e nomear as emoções;
  2. Aprender a reconhecê-las;
  3. Aprender que todas as emoções são importantes para nosso autoconhecimento, tanto as agradáveis como as desagradáveis, e que todas elas nos ensinal algo importante sobre nós;
  4. Identificar gatilhos que sirvam de precipitantes das emoções. Podem ser situações estressoras, conversas difíceis, relações, pessoas, perdas, avaliações, julgamentos, emoções, fatos, acontecimentos que nos sintamos impactados, afetados, emocionados a partir deles;
  5. Aprender a prestar atenção às emoções, estar presente, em estado de atenção plena, e aceitar a presença delas, assim como prestar ação ao que elas sinalizam sobre nós mesmos;
  6. Identificar quais automatismos reproduzimos com frequência, tanto de pensamento quanto de comportamento, e a quais emoções eles se conectam;
  7. Regular a intensidade, quebrar distorções de pensamentos associados;
  8. Propor novas e diferentes ações das que seu sistema já está habituado a fazer de forma automatizada, mas nem sempre deixa você bem, pleno, saudável e com plenas condições de lidar com os desafios cotidianos;
  9. Treinar e aprender com os resultados gerados;
  10. Persistir e voltar para sua rota a cada recaída.
  11. Desenvolver a continuidade;
  12. Fortalecer e firmar estes novos hábitos de prevenção e promoção de saúde.

Este aprendizado pode acontecer por diferentes estratégias, seguem algumas delas que deixo aqui para você como sugestão de práticas:

  • Terapia individual
  • Terapia em Grupo
  • Técnicas de meditação e mindfullness (atenção plena)
  • Life Coaching
  • Palestras psicoeducativas sobre educação emocional ou inteligência emocional;
  • Palestras sobre prevenção e promoção em saúde mental;
  • Palestras e workshops sobre regulação emocional;
  • Técnicas cognitivas (TCC);
  • Técnicas vivenciais (Terapia do esquema, TCC, TFE);
  • Técnicas de autocompaixão, perdão e compromisso (ACT);
  • Atividades físicas, especialmente que exigem atenção plena(ex. yoga);
  • Atividades artísticas que ajudam a trabalhar expressão através do corpo e voz (ex. teatro, dança, canto, etc);

Estas são algumas sugestões, mas é enorme o número de técnicas e possibilidade de praticar a educação emocional por conta própria, promover na sua empresa, na sua escola, faculdade, universidade. O fato é que quando aprendemos e praticamos a educação emocional, todos saem ganhando, pois amplia o autoconhecimento, melhora a comunicação e expressão de desejos, necessidades, direitos, consequentemente melhorando a qualidade das relações,  posicionamento, ações, tomadas de decisões, escolhas, contribuições no mundo.

Experimente, faça, aprenda muito com esta estratégia de autoconhecimento, convide e incentive as pessoas que ama e que estão à sua volta, promova na sua empresa, organização. Você mesmo verá na prática melhorias significativas na prevenção e promoção de saúde mental, processos decisórios, participação e engajamento, melhoria em comunicação, assertividade, qualidade, resultados, proporcionando mais equilíbrio, inteligência ao lidar com as emoções e desafios do dia a dia.

E para quem quer saber mais, ficam abaixo estas dicas de leitura e filme:

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

COACHING X DESENVOLVIMENTO HUMANO

COACHING X DESENVOLVIMENTO HUMANO

O Coaching, por se tratar de uma metodologia de ação e resultado, é uma ferramenta de promoção de desenvolvimento humano. Isto porque, ao longo de um processo coaching, o coach provoca o coachee a refletir sobre seu estado atual, seus aprendizados de trajetória até o momento presente, para promover alavancagem, isto é, provocar o cliente a entrar em ação rumo ao que ele está buscando realizar (objetivo, transformação, mudança de hábitos, estilo de vida, etc).

Quando falamos de desenvolvimento humano, levamos em conta processos que nos possibilite evoluir, crescer, mudar e nos transformar. Ao longo da vida, passamos por diversas fases e situações que nos proporcionam oportunidades para aprender novas habilidades, competências, enfrentar e resolver problemas, tomar decisões. Ou seja, inúmeras experiências que nos levam viver diferentes momentos, fazer diferentes e novas escolhas, buscando sobreviver, superar desafios, ser mais felizes e plenos, fazer e realizar mais, com melhor qualidade, maior produtividade, eficiência e eficácia, maior assertividade.

A ideia é que o coachee, ao longo de um processo de coaching, acesse informações preciosas sobre si mesmo (autoconhecimento) especialmente sobre seu jeito de ser (perfil comportamental, temperamento, estratégias de enfrentamento, sabotadores, etc), suas fortalezas e fraquezas, pontos a melhorar, habilidades, competências técnicas e comportamentais, ligando todos os pontos de modo a promover expressão máxima do seu potencial e aproveitar as oportunidades que estão à sua volta, no seu contexto, relações e conexões, para alcançar o resultado que está focando no momento.

Vale lembrar que o coaching, enquanto estratégia de desenvolvimento pessoal, possibilita você desenvolver a habilidade da auto-observação como parte do seu processo de melhoria contínua. E esta habilidade ajuda você a reconhecer incômodos, insatisfações, gatilhos e situações que contribuíram para que eles surgissem, assim como direcionar você a identificar e elencar o que precisa ser feito para mudar/ajustar, quais recursos acionar, assim como eleger critérios que balizem suas novas tomadas de decisões de forma mais assertivas.

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br