Coaching Integral Sistêmico: O que é?

Coaching Integral Sistêmico: O que é?

Será que o Coaching é um processos sistêmico? Como é possível otimizar aprendizados através do coaching de forma integral? É a partir destas dúvidas que resolvi escrever este artigo.

O coaching é uma metodologia tradicionalmente focada em ação e resultado, ou seja, voltado à melhoria de performance, alcance de metas, ativação de poder de ação, realização, busca de melhoria contínua e aprimoramento. Mas existe uma abordagem de coaching que se diferencia um pouco do coaching tradicional por não ser exclusivamente voltado estes aspectos de performance, otimização de processos, geração de mais e melhores resultados e aprendizados de novas competências. Este tipo de coaching chama-se Coaching Integral Sistêmico.

Coaching Integral Sistêmico

Este processo de coaching propõe que uma pessoa bem sucedida tem todas as suas esferas de vida em equilíbrio, e que o desequilíbrio em uma delas impacta nas outras.

Referencial Teórico

Esta metodologia de coaching traz um referencial teórico sistêmico e bioecológico do desenvolvimento humano proposto por Bronfenbrenner (1979, 2002, 2004), convidando o coachee a perceber-se enquanto ser integral e parte de várias esferas de um sistema maior :

Outras teorias que fazem parte do arcabouço teórico do coaching integrado sistêmico são:

  • Psicologia Positiva: visão do humano voltado a aprendizados a partir de toda e qualquer experiência;
  • Psicologia Cognitivo Comportamental: flexibilização e ressignificação de crenças e comportamentos;
  • Sociologia: relações sociais;
  • Antropologia: comportamento humano;
  • Teoria dos Sistemas: conexão e multideterminação da realidade de forma interdependente;
  • Filosofia: compreensão crítica e racional dos princípios humanos;
  • Física Quântica: estruturação e criação da realidade pessoal;
  • Pedagogia: estruturação metodológica e processos de aprendizado;
  • Administração: otimização de processos, melhoria contínua e compreensão dos princípios de liderança;
  • Ética: compreensão de valores na construção do caráter;

Metodologia e Processo

É um processo que propõe integração e equilíbrio entre fatores de alta performance e fatores de equilíbrio emocional. Veja o quadro resumo:

Ele propõe um processo de imersão transformacional, ou seja, que a partir de técnicas e ferramentas vivenciais, o coachee possa entrar em contato com seus pontos de aprendizado e transformação e potencializar seu poder de ação para alcançar o que quer na sua vida de forma integral.

Sendo assim, este referencial traz como uma de suas principais ferramentas de avaliação e indicador de processo evolutivo a Roda da Vida, por convidar o coachee a fazer avaliação no início e final de processo avaliando 12 esferas de sua vida de modo que ele reconheça evidências de resultados e melhorias na sua caminhada de modo integral.

É uma abordagem que provoca você a todo momento refletir e encontrar sentido de modo integrado, congruente, para sua vida, para suas ações e resultados, isto é, sentido e alinhamento entre SER, FAZER, REALIZAR, VIVER, e GERAR DE CONTRIBUIÇÃO no mundo.

Querendo saber mais, confira: http://mamtra.com.br/roda-da-vida-ferramenta-de-autoconhecimento/

 

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

VOCÊ S/A – organizando seu ano fiscal

VOCÊ S/A – organizando seu ano fiscal

A intensificação da crise política-econômica brasileira e escândalos de corrupção, do ano de 2014 para cá, afetou e muito o mercado de trabalho, deixando como marca uma crescente taxa de desemprego. A partir deste cenário, muitos profissionais se depararam com a necessidade de deixar seus postos de trabalho de até então e buscar novas e diferentes oportunidades. Sobreviver, manter uma condição mínima de existência para si mesmo e sua família, manter as contas em dia e permanecer ativo no marcado passaram a ser os grandes desafios no dia a dia de muitos brasileiros.

Mas é fato que muitas pessoas também viram neste momento uma oportunidade para repensar suas carreiras, vivenciar novas formas de trabalho e experimentar alçar novos vôos como autônomo, empreendedor individual ou como PJ. Viram estas outras formas de prestar serviço e continuarem ativos no mercado como uma alternativa muito interessante para ressignificar e reconfigurar suas carreiras. E isso veio de encontro com necessidades de redução de custos e de folha de muitas empresas que já estavam no mercado, e que também viram na contratação de prestadores de serviço, através do regime MEI, Simples Nacional ou outro perfil tributário PJ, muitas vantagens.

Como mais um ano está iniciando, resolvi deixar aqui 10 dicas para você organizar seu ano fiscal. São dicas para quem já se tornou uma PJ, ou está sem saber por onde recomeçar, ou para quem é CLT e ainda está pensando ou mesmo inseguro se vale a pena mudar de regime contratual e arriscar novos vôos de carreira:

  • MAESTRIA: primeiramente reconheça seus DONS e TALENTOS, o que você sabe fazer de melhor, seja prestar um serviço, seja fazer ou revender um produto.
  • PROPÓSITO: reflita e tenha clareza sobre qual seu papel no mundo, que tipo de contribuição / legado / benefício / transformação / soluções você pode agregar no mundo, especialmente na comunidade e para as pessoas que lhe rodeiam. Isto será decisivo para alinhar toda a sua jornada pessoal, profissional e fazer seu negócio ser um REFLEXO e EVIDÊNCIA de que está exercendo sua missão.
  • PESQUISA DE MERCADO: depois de reconhecer o que você tem de melhor a oferecer no mercado, qual seu propósito, e antes de sair abrindo uma PJ com a primeira ideia que vêm à sua mente, é importante pesquisar o mercado e verificar se ele está interessado no que você sabe fazer de melhor ou no seu produto, ou seja, verificar se além de demanda existe real interesse do público que você deseja alcançar.
  • MODELO DE NEGÓCIO: Construa um modelo de negócio bem estruturado para que seja seu norte e sirva de “bússola” para você restruturar sua rota de ação e colocar em prática esta oportunidade de trabalho e rendimento que identificou.
  • OBJETIVOS: Tenha objetivos e saiba quais MOTIVOS, RAZÕES, o porquê e para que você fará este plano de negócio ser uma realidade.
  • PLANEJAMENTO: Planeje METAS de curto, médio, longo prazo alinhadas ao seus objetivos, modelo de negócio, propósito e incluindo seus dons e talentos como ferramentas para colocar ações, tarefas e atividades em prática rumo ao que você quer SER e REALIZAR.
  • ERROS: sim, você vai errar e muitas vezes. Se você conhecer algum empreendedor / empresa que nunca tenham errado algum passo, desconfie. Mas você deve entender e encarar os erros como parte de um grande EXPERIMENTO, como TESTES, como oportunidades de entender o que funciona e o que não funciona para você e para o seu negócio. Eles não devem fazer você desistir, não devem paralisar seu poder de ação, mas sim devem potencializar seu olhar investigativo e levar você a AJUSTAR, REPARAR, MELHORAR para continuar dando passos na sua jornada.
  • CLIENTES: São pessoas como você, tem necessidades e, mais do que comprar um produto ou serviço, eles querem atenção, respeito, compromisso, carinho, serem positivamente surpreendidos e que seja entregue o que eles investiram. Você precisa entender que eles são um dos pilares do seu negócio.
  • CONEXÃO: Você faz parte de uma grande rede e para oferecer o que você tem de melhor, seja em serviço ou em produto, você precisará se CONECTAR o tempo todo. Isso não quer dizer manter-se online e postando o tempo todo nas redes sociais, mas sim genuinamente estar presente nas relações, cuidar delas, dar e receber verdadeiramente, sejam elas online ou offline.
  • RESULTADOS: Eles serão CONSEQUÊNCIA de toda esta jornada que você fará. São proporcionais aos esforços, empenhos, investimentos (seja de tempo, financeiro, emocional, energético, amor, etc), disciplina e continuidade. Resultados precisam ser projetados e acolhidos considerando a realidade e momento de negócio que você esteja. Esperar que seu negócio “bombe” no primeiro mês de estrada, nos 10 primeiros contatos feitos, é simplesmente precipitado. Lembre-se: atletas olímpicos se tornam vencedores após longos anos de treino, e não quando tomam a decisão de serem atletas.

O coaching é uma excelente metodologia de trabalho que ajudará você a ter clareza e encontrar respostas para todos estes passos acima citados, levando você a estruturar sua ROTA DE AÇÃO de modo realista, viável e duradoura. Terei o enorme prazer de ajudar você nesta jornada.

Espero que estas 10 dicas possam contribuir agora mesmo para você realinhar o seu trem nos trilhos ou mesmo pensar em novas rotas de forma estruturada e com as maiores chances de levar você a SER o que você quer ser e REALIZAR o que deseja e sabe fazer de melhor.

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

EQUILÍBRIO DE VIDA: pessoal e profissional

EQUILÍBRIO DE VIDA: pessoal e profissional

Estamos na reta final de mais um ano, ano este que foi de grande turbulência para todos, em virtude da pandemia do COVID-19. Fomos forçados a parar, mudar rotinas, trabalhar de casa, sem falar nos inúmeros impactos relacionados a perdas de muitos entes queridos para muitas famílias, perdas materiais, demissões, fechamentos de empresa, impactos na saúde mental, física, emocional, relacional, financeira, entre muitos outros aspectos.

Muita coisa? Sim, não dá para minimizar ou negar que vivemos muitas situações desafiantes este ano, talvez mais que outros anos, mas que nos convida mais uma vez a repensar na importância do equilíbrio em nossas vidas.

Ouço em muitos atendimentos o quanto machuca, adoece e gera prejuízos à saúde e aos relacionamentos este velho hábito tão validado e reconhecido socialmente de privilegiar o trabalho, de buscar ser “o sucesso”, destacar-se profissionalmente, “ganhar bem”, conquistas materiais, etc. Mas você já parou para pensar que o trabalho faz parte da vida? Que não são vidas distintas como o discurso muitas vezes apresenta?

Em verdade, ser humano envolve desenvolver, aflorar e cultivar 5 dimensões de existência: biológica, psicológica, emocional, social, cultural e espiritual. Mas e o trabalho, onde fica? Ele faz parte deste todo que somos nós, ele é uma forma de expressar quem somos, nossos talentos, habilidades, desenvolver competências, gerar contribuições sociais, realização, senso de pertencimento, sobrevivência, geração de recursos, relacionamento, e muitos outros pontos.

O trabalho não caminha independente da sua vida pessoal. O trabalho faz parte da sua vida e é fundamental esta busca de equilíbrio. Praticar hábitos saudáveis de cuidado com o corpo, mente, espírito, trabalhar com algo que faça sentido e valha o tempo e energia dedicado diariamente, que gere contribuição social e não só pelo dinheiro, vivenciar relacionamentos recíprocos, afetivos, empáticos, respeitosos, autênticos com familiares, amigos, colegas, chefias. Permitir-se descansar, desconectar com momentos de lazer e diversão, socializar-se ainda que por meios virtuais. Aguçar sua curiosidade para aprender continuamente coisas novas, como forma de desabrochar seu potencial continuamente, energizar-se, renovar-se, motivar-se.

Estas ações são apenas alguns exemplos do que se pode ser feito para promover equilíbrio na sua vida. Mas para tanto é preciso ter clareza das suas necessidades, direitos e dos limites realistas, para poder negociar com você mesmo e, consequentemente, partir para negociar com todos à sua volta.

O fato é que trago esta reflexão hoje para você aproveitar esta reta final de 2020 para pensar como anda sua relação com o trabalho e como anda a sua vida como um todo, de modo a aproveitar este momento reflexivo para tomar consciência do seu estado atual, identificar o que precisa fazer de ajustes, mudanças, transformações ou mesmo eliminar para viver com sentido. Então, seguem algumas perguntas para auxiliar você na sua busca de equilíbrio:

  1. Qual o sentido que você quer dar para a sua vida daqui para frente?
  2. Quem você quer ser daqui para frente?
  3. Como tem cuidado das suas 7 saúdes: física, emocional, espiritual, social, intelectual, profissional, financeira?
  4. Quais aprendizados teve neste ano que está acabando?
  5. Quais lições você levará deste ano para viver com mais sentido, saúde integral, senso de realização, satisfação e plenitude?
  6. O que está ao seu alcance ser ajustado, mudar, transformar, eliminar?
  7. Quais impeditivos hoje se apresentam para fazer estes ajustes e mudanças?
  8. O que para você significa bem estar, qualidade de vida? Como implementar isto na sua vida de forma integral e equilibrada?

São 8 perguntas poderosas que certamente se você se propor dedicar um tempo a elas e escrever suas respostas, ainda que não construa um plano de ação estruturado, só de você entrar em contato com estas suas respostas, algo já reverberará e iniciará um movimento em você de prestar mais atenção em como tem vivido sua vida, como são seus hábitos, seus automatismos, suas crenças limitantes, o que suga você, adoece, mas também o que deixa você feliz, leve, pleno, saudável.

Desejo de verdade que você perceba que este exercício é uma forma de autocuidado. Porque só você pode promover estas mudanças na sua vida para viver de forma saudável, com equilíbrio, desfrutando e desabrochando todas as suas dimensões de existência. Esta missão não é possível terceirizar: viver. E já que isso não é possível, outra pessoa viver em seu lugar, aproprie-se da sua existência, busque sentido para ela, faça ela valer a pena, aflore seus potenciais e talentos. As suas maiores contribuição no mundo e para as pessoas à sua volta parte deste gesto de autocuidado. Permita-se viver com equilíbrio!

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

AVALIAÇÃO 360 GRAUS: vantagens para sua empresa

AVALIAÇÃO 360 GRAUS: vantagens para sua empresa

A avaliação 360 graus é um tipo de avaliação de desempenho que tem como proposta metodológica o feedback por parte de todos os envolvidos à volta do colaborador, os chamados “stakeholders” (interessados), que normalmente são: pares de equipe, gestor direto, subordinados, clientes internos e externos, fornecedores. Além disso, ela também envolve a auto avaliação do próprio desempenho dele e todos estes dados são cruzados e analisados de forma a gerar um “raio-x” global da performance técnica e comportamental deste profissional.

A proposta é gerar uma avaliação imparcial sobre desempenho, habilidades técnicas e comportamentais, envolvendo todas as pessoas que se relacionam e estabelecem trocas diretas com o colaborador avaliado, de modo a identificar as percepções que estas têm sobre ele, bem como a própria, se há proximidade ou distanciamento nestas percepções e, principalmente, gerar pontos de melhoria e desenvolvimento continuado.

Existem diversas metodologias de avaliação 360 graus no mercado, porém todas elas envolvem a avaliação dos seguintes critérios:

  • Capacitação
  • Comportamentos
  • Atitudes
  • Performance
  • Habilidades técnicas
  • Pontos fortes
  • Pontos de melhoria
  • Perfil Comportamental

O ponto de partida de uma avaliação 360 graus é a prévia definição das competências desejadas pela organização, ou seja, quais habilidades, capacidades e competências a empresa acredita serem essenciais aos colaboradores como um todo, que evidencie conexão e alinhamento com os valores, missão, visão e objetivos organizacionais, assim como aquelas que sejam necessárias e específicas para um desempenho de qualidade e alta performance para cada cargo específico. Normalmente, esta prévia definição de competências envolve a estruturação de um descritivo de todas as posições da empresa, consolidados num “book” de cargos e salários e/ou plano de carreira da organização.

Feito este mapeamento prévio, é possível estruturar a metodologia da avaliação 360 graus ou mesmo contratar alguma já existente no mercado. Existem softwares e plataformas que permitem que a avaliação aconteça de forma segura, rápida, com questionários estruturados online disponibilizados e respondidos de forma confidencial, que cruzam todos os dados das respostas, geram gráficos resumos para análise bem como um relatório final a ser utilizado para um feedback final estruturado a ser fornecido ao colaborador pelo gestor direto ou mesmo por alguém responsável do time de pessoas (RH) da organização.

Benefícios e vantagens

A avaliação 360 graus é muito vantajosa para a empresa e para todos os colaboradores parte dela por ser uma ferramenta poderosa de feedback global a respeito de habilidades, competências, capacidades, habilidades técnicas e performance. Permite que os colaboradores possam fazer uma autoanálise de seu desempenho ao longo de um período (normalmente é feito anualmente esta avaliação), desenvolvendo seu olhar crítico positivo sobre si  mesmo, seus resultados, performance, bem como um olhar analítico a respeito de sua percepção x percepções dos seus pares, subordinados, lideranças, parceiros, clientes e fornecedores.

O maior benefício para a empresa que implementa este tipo de avaliação de desempenho é promover uma cultura de melhoria contínua dos seus colaboradores, com critérios claros e estruturados para melhor direcionar suas práticas de treinamento, capacitação e desenvolvimento de pessoas.

A partir dos resultados e feedbacks fornecidos, é possível estruturar o PDI (plano de desenvolvimento individual) , um plano de ação assertivo e direcionado para colocar em prática o desenvolvimento do colaborador ao longo do próximo ano fiscal, de modo que ele tenha clareza do que necessita buscar aprimorar, capacita-se, desenvolver-se, mudar, tanto em aspectos técnicos como comportamentais, gerando um norte para que este busque concretizar ações de melhorias efetivas a serem refletidas na avaliação 360 graus do ano seguinte.

Esta avaliação permitirá agregar valor tanto no nível individual como em equipe na organização como um todo, de forma assertiva, consistente e alinhada com os objetivos organizacionais, valores, missão e visão da empresa.

Sendo assim, a avaliação 360 graus permite a empresa incentivar e extrair o melhor de cada um dos seus colaboradores promovendo a cultura de melhoria contínua tanto no âmbito individual como no coletivo, impactando em melhoria de processos, mais e melhores resultados, alta performance, redução de custos, melhor aproveitamento de recursos humanos e materiais, melhor oferta de produtos e serviços para os clientes, bem como contribuições sociais de alto impacto na sociedade.

Para saber mais, confira:

O que é avaliação 360 graus? Aprenda a usar essa ferramenta na sua empresa

Avaliação 360 graus – O que é e como funciona

 

Avaliação 360 graus

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

GESTÃO DE CARREIRA: fique ligado nas tendências de 2021

GESTÃO DE CARREIRA: fique ligado nas tendências de 2021

Ao final de cada ano, uma curiosidade comum a todos é despertada em busca das tendências e previsões do mercado acerca do ano que virá, relacionadas aos mais diversos temas. Mas este ano de 2020, em virtude da pandemia que impactou a todos (indivíduos, famílias, organizações, governos), em escala mundial, é ainda maior a preocupação e busca sobre as tendências relacionadas ao mercado de trabalho e gestão de carreira para 2021. É sobre isso que hoje iremos falar.

Cenário

Com a pandemia do COVID-19, as empresas se viram obrigadas a fechar temporariamente suas portas, algumas, inclusive, fecharam definitivamente por não suportarem os custos sem vendas durante o período dos primeiros 4 a 6 meses.

Demissões em massa ocorreram, contratos de trabalhos suspensos, o que obrigou governos, empresas, lideranças repensarem suas estratégias relacionadas a gestão de pessoas, processos de trabalho, formato de trabalho, vendas, distribuição, oferta de produtos e serviços, bem como contratações e retenção de pessoal.

O home-office, ou trabalho remoto, passou a ser uma realidade forçada pela necessidade de todos ficarem em casa para evitar o contágio e a rápida propagação do vírus. Com isto, a experiência de trabalho online cresceu vertiginosamente impondo diariamente às pessoas, organizações e governo uma busca desenfreada por estratégias e soluções tecnológicas para reinventarem a oferta de produtos, serviços, com protocolos de segurança, na luta por sobrevivência no mercado.

Neste sentido, houve uma aceleração nos processos de digitalização e inovações em todas as áreas e profissões, algo que já vinha acontecendo progressivamente, mas que, por conta deste contexto, ganhou velocidade por uma urgência geral de continuidade da vida, atender às necessidades dos consumidores, preservar com menor impacto possível a economia e o mercado de trabalho frente aos desafios diários potencializados pela pandemia.

Novas profissões começaram a surgir em maior velocidade, assim como o surgimento desenfreado de aplicativos e lojas virtuais, automação de processos financeiros e administrativos, telemedicina, atendimentos online nas mais diversas áreas, entre outros exemplos que vivemos e nos deparamos diariamente de oferta serviços e produtos mediados pela tecnologia. Com isso, todos fomos “convidados” a aprender e aplicar as diversas ferramentas de vídeo conferências, apps, para solucionar problemas cotidianos virtualmente, bem como preservar e manter-se ativos no mercado de trabalho.

Perspectivas

As perspectivas mercadológicas (Conferência EXPERT XP 2020) mostram que estamos caminhando para um modelo híbrido de trabalho, com associação entre presencial e online, que exigirá mais e novas habilidades, competências, e mudanças de rotinas persistirão acontecendo.

As habilidades e competências comportamentais estão cada vez mais sendo exigidas, especialmente a comunicação, empatia, autonomia, autogestão, flexibilidade, negociação, colaboração, criatividade, agilidade, constância de aprendizado, humildade, coragem, visão analítica, resolução de problemas e tomada de decisão.

Além disso, dominar as diversas ferramentas tecnológicas parte dos processos de trabalho de cada profissão é urgente. Profissionais devem ativar o modo “autodidata” para buscarem aprendizado das mesmas o quanto antes. E as empresas devem fornecer, treinamentos, capacitação, infraestrutura e condições de trabalho apropriadas, ainda que em home-office.

Outra capacidade chave é a busca de melhoria contínua, alinhada ao que o mercado vem buscando, profissionais que se mantêm em constante aprendizado e desenvolvimento. O cenário é de constantes e rápidas mudanças. Se você não se mantém atualizado e em constante aprendizado, simplesmente poderá não acompanhar as demandas daqui a 6 meses, 1 ano ou mais, pois o cenário e necessidades se modificam diariamente. O mercado busca profissionais protagonistas das suas carreiras, desenvolvimento e aprendizado.

Os processos seletivos estão cada vez mais incluindo ferramentas tecnológicas, sendo as tradicionais entrevistas iniciais substituídas pela videoconferência. Manter o perfil no Linkedin atualizado é chave para otimizar a busca de novas oportunidades, já que as empresas estão cada vez mais utilizando esta e outras plataformas de banco de currículos para suas triagens e recrutamento de candidatos.

Outro ponto ressaltado nas tendências é o maior foco às questões de diversidade, inclusão e equidade, chamando às organizações a assumirem posicionamento e práticas claras relacionadas a tais aspectos. Como sinaliza Luana Génot, fundadora e diretora executiva do Instituto Identidades do Brasil (ID_BR), “(…) investir em inclusão não é fazer favor para as pessoas. Precisamos criar meios para que esses grupos possam performar financeiramente, ter a sua trajetória aproveitada sem passar por caminhos tortuosos.”

Setores em alta

Alguns setores tiveram demanda de mercado elevada fruto dos desafios acima expostos. Em especial, profissões relacionadas à saúde, bem estar, qualidade de vida, tecnologia, inovação, direito digital, automação, gestão de projetos e responsabilidade social. Confira profissões e áreas que estão em alta e devem seguir sendo solicitadas para 2021:

  • Psicologia
  • Medicina
  • Fisioterapia
  • Enfermagem
  • Pesquisa científica, Biomedicina
  • Nutrição
  • Educação Física
  • Tecnologia e inovação: segurança da informação, cientistas e engenheiros de dados, desenvolvedores de softwares, Infraestrutura/Cloud, Business Inteligence, Engenheiros e Especialistas em Inteligência Artificial
  • Educação à distância (EAD)
  • Seguros
  • Telecomunicação/Internet
  • E-commerce
  • Direito digital
  • Analista de Compliance LGPD
  • Mercado Financeiro
  • Gestão de Projetos
  • Responsabilidade social (3° setor)
  • Gestão ambiental
  • Agronegócio
  • Supply Chain
  • Marketing Digital
  • Customer Experience

Pesquise, leia, assista vídeos, ouça podcasts, converse com pessoas, aprenda, aprimore seus conhecimentos, habilidades e competências. Vem muita transformação ainda pela frente e o argumento “são muitas incertezas, por isso não dá para planejar” é só mais um pensamento que levará você a paralisar ou se acomodar.

A grande sacada é estar atento ao que você pode fazer neste momento, o que está ao seu alcance e depende só de você mesmo para entrar em ação, quais oportunidades este contexto tem mostrado e o que você está disposto a fazer para seguir, promovendo as ações e mudanças necessárias para continuar ativo no mercado e desenvolvendo sua carreira.

Para saber mais, confira:

https://blog.impulseup.com/tendencias-rh-2021/

https://rhpravoce.com.br/posts/6-tendencias-do-mercado-de-trabalho-que-estarao-em-alta-em-2021

https://exame.com/blog/sua-carreira-sua-gestao/mercado-de-trabalho-o-que-esperar-de-2021/

https://www.infomoney.com.br/carreira/as-tendencias-de-carreira-no-mercado-de-trabalho-pos-pandemia-em-7-pontos/

https://www.mundorh.com.br/4-tendencias-que-estao-moldando-o-futuro-dos-negocios/

https://www.educamaisbrasil.com.br/educacao/carreira/profissoes-em-alta-veja-as-carreiras-promissoras-para-2021

https://www.whow.com.br/comportamento/tendencias-de-contratacoes-para-2021/

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

As empresas, em busca de alta performance e melhores resultados, dedicam tempo, pessoas e investimentos à melhoria de processos tanto operacionais como de gerenciamento. E neste sentido, a gestão por competências entra como uma estratégia importante a ser implementada.

A gestão por competências faz parte do modelo estratégico de gestão de pessoas, que propõe gerenciar e desenvolver as pessoas da organização alinhadas aos objetivos organizacionais e entendendo que elas são o maior ativo da organização e que impactam diretamente nos seus resultados .

Nesta linha de trabalho, é proposto para a empresa alinhar suas estratégias e objetivos a serem alcançados a longo prazo às competências identificadas como essenciais, necessárias a serem desenvolvidas e colocadas em ação pelos colaboradores que fazem parte da organização.

A gestão por competência trás o olhar de que para a empresa alcançar os resultados que ela deseja, é necessário identificar quais competências são imprescindíveis para viabilizar estes resultados, por área, cargos, projetos, e entregas a serem feitas pelas pessoas e times, de modo que se possa estruturar um plano de desenvolvimento comportamental e técnico para os colaboradores, bem como de atração de talentos alinhados a estes objetivos propostos pela organização a serem alcançados.

Como colocar a gestão por competências em prática?

Para que ela seja implementada, é fundamental fazer um planejamento prévio para organizar e executar estas ciclo de 4 etapas:

  1. MAPEAMENTO: identificação das competências necessárias para cada cargo x perfil colaborador
  2. AVALIAÇÃO: avaliação do nível de proficiência e alinhamento do perfil de cada colaborador x cargo desempenhado x competências necessários
  3. DESENVOLVIMENTO: promoção de aprendizagem de competências por parte dos colaboradores, a partir de um PDI (plano de desenvolvimento individual) focado no que ele precisa treinar e aprender para gerar melhor desempenho e resultados
  4. MONITORAMENTO: verificação periódica e continuada, incluindo feedback, de modo a verificar e monitorar efeitos produzidos pela implementação do PDI.

Completado este ciclo, ele deve ser continuamente colocado em prática, girar numa espiral ascendente de modo que leve pessoas e organização a um crescimento, desenvolvimento e melhoria contínua, impactando positiva e diretamente nos resultados de todos na organização.

Quais benefícios desta gestão por competências?

Os benefícios para a empresa e para os colaboradores da prática da gestão por competências são:

  • Alinhamento dos perfis técnico-comportamental dos colaboradores aos cargos e funções;
  • Pessoas fazendo e entregando melhores resultados utilizando o que têm de melhor de competências e habilidades
  • Pessoas mais motivadas e engajadas
  • Colaboradores, equipes e empresa como um todo com maior produtividade, melhor performance, melhor gestão de tempo e recursos, maiores e melhores resultados;
  • Desenvolvimento otimizado de competências dos colaboradores;
  • Maior satisfação dos clientes e todos os envolvidos na cadeia de stakeholders

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

COACHING E INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

COACHING E INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

Se você já esteve aqui neste blog anteriormente, certamente já deve ter visto outros artigos falando como o coaching é uma metodologia de ação e resultado. Ou seja, que provoca você tomar consciência dos seus incômodos no seu estado atual, elencar seus motivos para alcançar um resultado específico, estruturar um plano de ação com os recursos e o que precisa ser feito para alcançá-lo e, por fim, entrar em ação. Hoje vamos falar como podemos utilizar esta metodologia com foco em desenvolver sua inteligência emocional e como colocar em prática ferramentas para melhor lidar com suas emoções.

Inteligência Emocional: o que é

Daniel Goleman, psicólogo e jornalista, cunhou pela primeira vez o termo inteligência emocional ao lançar seu livro de mesmo nome em 1995, após anos de pesquisas sobre o comportamento humano. Ele define inteligência emocional como a “capacidade que um indivíduo tem de identificar os seus próprios sentimentos e os dos outros, de nos motivarmos e gerir os impulsos dentro de nós e em nossos relacionamentos” (GOLEMAN, 1995).

Diz respeito ao modo como lidamos com as nossas emoções e com as das pessoas próximas e como direcionamos ações e decisões ao lidar com elas.

As habilidades que envolvem a Inteligência Emocional são aprendidas, ou seja, não nascemos com estas habilidades inatas, mas sim com o potencial para desenvolvê-las a partir das relações que estabelecemos com nós mesmos (eu x eu) com os outros (eu x outro) e como percebemos e nos posicionamos no mundo (eu x mundo). Aprendemos e treinamos com a prática da auto-observação e a cada interação com outras pessoas.

Saber como agir em momentos de dificuldade e melhorar os relacionamentos interpessoais depende de como os pensamentos, os sentimentos e as atitudes são gerenciados.

A IE impacta diretamente e de forma positiva na nossa saúde física e mental, na expressão de todas as nossas dimensões de vida (biológica, psicológica, social, cultural, espiritual), na qualidade dos nossos relacionamentos, bem como no nosso sucesso profissional.

Pilares da IE:

São 5 pilares da inteligência emocional. Para que você consiga colocar em prática, é fundamental desenvolver e contemplar todos os 5:

AUTOCONSCIÊNCIA: conhecer seu perfil comportamental (temperamento, traços de personalidade, atitudes, comportamentos, habilidades), nomear suas emoções (o quê?), compreender como as emoções acontecem em você (como?), motivos, situações ou gatilhos que contribuem para a sua experiência emocional (por quê?), entender suas necessidades emocionais (para que? o que necessito?), como expressar de forma assertiva, estratégias de enfrentamento e tomada de decisão

AUTOCONTROLE: autorregulação emocional, controle de impulsos e expressão, adaptação, resiliência

IE não se trata de anular, abafar, reprimir suas emoções, mas sim permitir-se sentir e buscar entender o que você está sentindo, ou seja, qual o papel, qual a função que esta emoção está exercendo por você e qual ou quais necessidades emocionais e direitos estão envolvidos nesta experiência emocional.

Quanto falamos de autocontrole, estamos sinalizando a importância de não agir dominado pela emoção. A IE propõe entender as emoções para gerenciar sua expressão e experiência emocional, incluindo aceitar as próprias emoções, compreender porque elas estão acontecendo no momento, aceitar os próprios limites e buscar a melhor estratégia de enfrentamento e de resolução de problema.

Um ponto importante é que, do mesmo modo que é possível sentir, nomear e entender emoções desagradáveis ou difíceis como a raiva, tristeza, nojo, é possível estimular o sentir, nomear e promover as emoções agradáveis ou positivas, de modo que elas auxiliem você a perceber o que faz bem, o que proporciona felicidade, plenitude, realização e direcionar seu poder de ação para escolhas saudáveis, assertivas viver uma vida com sentido.

Outro ponto fundamental é perceber que não é possível deixar se sentir ou mudar as suas emoções, mas sim mudar a reação que você tem a partir delas. Permitir-se sentir é o primeiro passo para a tomada de consciência e compreensão do que motivou aquela emoção e porque ela está acontecendo. E é a partir do entendimento da sua experiência emocional que você terá condições de escolher como agir de forma mais assertiva.

Quando você não se permite sentir, normalmente você coloca em prática alguma estratégia evitativa, que somente negará o que está acontecendo, tanto emocionalmente como o problema em questão, postergando a tomada de consciência, não focando na resolução. Isto pode acarretar em impactos nos seus relacionamentos, nos seus resultados, nos seus negócios.

MOTIVAÇÃO: motivação intrínseca(seus motivos para entrar em ação) ou aptidão mestra, motivação extrínseca (motivação a partir do contexto e interações, que vem dos outros), orientação para realização, solução de problemas e resultados

Ao analisar sua trajetória de realizações e fracassos, pessoas que tem IE alta identificam que erros, falhas e fracassos se deram por algum fator interno seu e por este motivo podem modificar, ajustar, aprimorar, supera. Estas pessoas apresentam autorresponsabilidade, isto é, responsabilizam-se por seus erros, não terceirizam problemas, não culpabilizam outras pessoas, perguntam-se o que podem fazer a partir desta falha, focam na solução, buscam aprimorar praticando a melhoria contínua e superação.

Outro fator importante é o flow ou estado de fluxo. Ele acontece quando você está envolvido em alguma atividade estimulante, que motive você, utilizando seus talentos e interesses,  gerando uma experiência emocional agradável, com foco, energia, presença, de modo que você perde a noção do tempo por estar fluindo, sem se conectar com eventuais distrações. Pessoas com alto IE costumam entrar em flow de forma frequente e isto impacta diretamente e de forma positiva no seu humor, energia, disposição, satisfação e realização.

EMPATIA: é a habilidade de reconhecer a experiência emocional do outro, a partir da escuta ativa e presença. É a compreensão das emoções do outro, entendimento de suas necessidades emocionais e como ele expressa. É buscar compreender as motivações do outro, como ele deseja ser ajudado, orientado, apoiado, considerar o lugar e ponto de vista do outro, quais suas expectativas x realidade, consciência do todo e da melhor solução para melhor atender com os recursos disponíveis no momento.

HABILIDADES SOCIAIS: diz respeito à qualidade das relações, e como você executa habilidades sociais como influenciar, persuadir, mediar conflitos, trabalhar em equipe, liderar, desenvolver, treinar, aprimorar.

Para que serve a IE:

Mais do que controlar emoções, o objetivo da IE é agir com inteligência no entendimento, regulação e canalização das emoções.

Ela ajuda você a acolher suas vulnerabilidades, compreender suas emoções, o que as motivam, qual função e/ou papel elas estão exercendo para você naquele momento.

Ajuda você reconhecer e compreender seus medos e inseguranças, de modo a estruturar estratégias para lidar com eles e superá-los progressivamente.

Viabiliza a tomada de consciência de hábitos nocivos e crenças limitantes, provoca reflexão e ativa seu poder de ação para eliminá-los, construir e fortalecer novos hábitos saudáveis e crenças fortalecedoras.

Permite você ativar e colocar em prática seu potencial, a partir do continuado processo de autoconhecimento e melhoria contínua.

Ajuda você acolher, respeitar e compreender as vulnerabilidades, emoções e necessidades dos outros, praticar a empatia, escuta ativa, melhorando a qualidade dos seus relacionamentos.

Auxilia no aprimoramento da sua comunicação, expressão de emoções e ideias, posicionamento, influenciar positivamente as pessoas, persuadir, vender e entregar o seu melhor alinhado com o que os outros necessitam e solicitam a você.

Faz você ser um líder melhor, desenvolver sua capacidade de gerir pessoas atento às necessidades e perfis de todos do time, incentivando, inspirando, orientando e dando os imputs e recursos necessários de acordo com o que cada pessoa necessita. Isto aumenta o envolvimento, participação ativa, engajamento, comprometimento e responsabilidade de todos nas entregas de resultados, melhoria contínua e alcance de objetivos do time colocando o que cada pessoa tem de melhor em ação.

Ferramentas para lidar com as emoções

Nesta sessão, listo abaixo algumas ferramentas que auxiliam você a lidar com as emoções para aprimorar sua inteligência emocional:

  • RESPIRAÇÃO: pratique a respiração diafragmática de forma lenta, mas sem sufocar, na necessidade do seu organismo, concentrando todo o seu foco apenas em acompanhar e observar o inspirar e expirar. É um excelente exercício de atenção plena, desconexão de preocupações e emoções desagradáveis, bem como de auto-observação e autoconhecimento.
  • MEDITAÇÃO e MINDFULLNESS: existem vários tipos de meditação e exercícios de mindfullness (atenção plena) disponíveis em diversos canais (youtube) e apps. As meditações guiadas e meditações ativa (em forma de movimentos) são excelentes exercícios para colocar-se no presente, treinar a respiração, bem como trabalhar autoconhecimento, respeito ao tempo do seu organismo e superação.
  • DIÁLOGO INTERNO SAUDÁVEL: buscando compreender suas emoções, quais funções e papéis elas estão exercendo, o que necessita no momento, quais soluções possíveis, quais estratégias mais assertivas e saudáveis.
  • ATIVIDADE FÍSICA: para eliminar tensões, estresse, faça caminhada ou outras práticas esportivas que ajudem você extravasar emoções desagradáveis e tensões, assim como proporcionar liberação de hormônios de prazer, sentir sensação de bem estar e equilíbrio.
  • HOBBIE: pratique atividades que estimulem sua criatividade, colocar em prática interesses e habilidades de forma prazerosa e que levem você a vivenciar o estado de flow.
  • NADISMO: permitir-se momentos “offline”, momentos de relaxamento, descanso, de nada fazer, de vazio. Eles são excelentes estratégias para desconectar da rotina, gerar espaço mental para novas ideias assim como recarregar o corpo energeticamente.
  • QUEBRE A ROTINA: mude de postura após longos períodos numa posição, alongue o corpo,  troque de tarefa, crie distrações saudáveis, pausas ao longo do dia,  promova lazer, descanso, de forma a desconectar para reconectar. São estratégias que otimizam sua recuperação energética e mudança de padrão emocional.
  • ORGANIZAÇÃO: procure limpar, organizar seu ambiente, tanto em casa como no trabalho. Isso proporciona também organização mental de ideias, sensação de bem estar, acolhimento, equilíbrio, ordem que facilitará sua produtividade com leveza.
  • LINGUAGEM CORPORAL: preste atenção na linguagem do seu corpo assim como das pessoas à sua volta. Escute atentamente e com interesse, valorizando a opinião dos outros assim como a própria. Escute genuinamente e sem respostas prévias já pensadas. Coloque-se aberto e não na defensiva. Responda somente no seu momento de fala, sem interromper o outro. Esteja de mente limpa e aberta para exercitar a observação e escuta plenas.

Quer saber mais sobre Inteligência Emocional? Então deixo para você estas dicas de leituras para seu aprofundamento:

  1. Brown, Bené. A coragem de ser imperfeito. Sextante. 2016.
  2. David, Susan Phd. Florescer. Agilidade emocional. Cultrix, 2018.
  3. Goleman, D. Inteligência Emocional. A teoria revolucionária que define o que é ser inteligente. Rio de Janeiro: Objetiva, Tradução revista em 2001 do original  1995.
  4. Santos, Alexandre H. O poder de uma boa conversa. São Paulo- SP.Editora Vozes. 2017.
  5. SiamarPalestra Inteligência Emocional. Daniel Goleman. DVD 70 min. 2011.
  6. Weisinger, Hendrie. Inteligência Emocional no Trabalho. Rio de Janeiro: Objetiva, 1997.
  7. Marshal, Rosenberg. Comunicação não-violenta. Técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais.  Ágora; São Paulo, SP. 2006.
  8. Miranda, Roberto Lira. Comunicação não-violenta. Além da Inteligência Emocional.  Campus; São Paulo, SP. 1997.
  1. Sellingan, Martin E. P. Florescer. Uma nova compreensão sobre a natureza da felicidade e do bem-estar. Rio de Janeiro, RJ: Objetiva, 2012.

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

MINDSET ESCASSEZ

MINDSET ESCASSEZ

Você costuma se preocupar frequentemente que faltará suprimentos para você e sua família? Que ganha pouco e que é preciso trabalhar muito para ser bem remunerado? Você tem pensamentos frequentes de que algo de pior possa acontecer e que ativam o seu medo de perder pessoas importantes, dinheiro, coisas que para você tem um valor? Tem hábito de estocar alimentos, objetos para que não falte? Tem medo de perder seu emprego, de falir, de não ter rendimentos suficientes para pagar seus compromissos e ter uma vida próspera? Reflita como está a qualidade dos seus pensamentos e comportamentos, eles falam do seu mindset, ou seja, como sua mentalidade está estruturada.

Escolhi hoje fazer esta reflexão com você, por perceber o quanto o medo está ativado de forma intensificada em muitas pessoas, especialmente neste momento de pandemia. Um dos pensamentos que mais tenho ouvido nas sessões de psicoterapia e coaching é: “E se não der certo? E se eu tiver que começar tudo de novo?”

Todas estas perguntas propostas estão revelando o mindset de escassez. E o que isso significa? Significa que o seu “farol” está direcionado para o que pode acontecer de pior, a falta, o medo, riscos, perdas. E isto ativa todo o seu sistema para permanecer em estado de hipervigilância, em alerta constante, de modo a evitar que tudo isso aconteça.

Alguns comportamentos são bastante presentes no mindset de escassez: paralisar frente às situações e problemas, consumo para estocar coisas para que não falte, gastar sem poupar porque a vida pode acabar no próximo momento ou porque não se sente digno, merecedor, capaz de construir uma vida próspera.

O mindset de escassez não tem consciência do todo, das infinitas possibilidades, é unidirecional, individualista, negativista. Está presente em pessoas focadas nas dificuldades, nos problemas. Comportamentos de resistência, compulsividade, estado de alerta constante, ansiedade, medo, preocupação excessiva com o fracasso, com o falhar, o errar como o fim de tudo, competição, comparações, são exemplos desta mentalidade focada na escassez, de que não haverá espaço nem suprimentos para todos, e que os problemas são o fim, o pior de tudo, não conseguindo enxerga-los como oportunidades para criar novas ideias, inovar, muito menos focar na resolução de problemas e ver os erros e falhas como etapas de um processo evolutivo.

Pessoas com mindset de escassez preocupam-se excessivamente em ser avaliados, rejeitados, demitidos, criticados negativamente, por preocupar-se com frequência e de forma intensa com a possibilidade de errar, fracassar, perder, ser excluído. Sentem-se vigiadas o tempo todo e direcionam toda a energia para evitar o pior, ao invés de buscar novas e melhores possibilidades, soluções, criações e conexões.

O mindset de escassez faz você ter medo do novo, medo da mudança, enxergar a oportunidade como obstáculo, apegando-se à zona de conforto, ainda que ela não seja nada confortável, mas pelo simples fato de ser conhecida para você, estar habituado com o que acontece nela, conhecer e saber como lidar, com uma série de automatismos, resistindo a novos aprendizados, expansão de sua consciência, de suas habilidades e conhecimentos, resistindo, assim, ao seu desenvolvimento, progresso, melhoria contínua, à abundância, a ativação do seu potencial infinito, à mudança, às transformações.

Já parou para pensar: “E se der certo?” Pois é, pode dar muito certo, muito diferente, melhor ou maior do que você imaginava. Mas é preciso se permitir, se abrir para o novo, abraçar as falhas e erros como oportunidades para novos começos diferentes, buscar ajuda para ampliar a reflexão e compartilhar ideias e soluções.

Se você se identificou com alguma passagem deste texto, convido você a ampliar sua reflexão e saber mais sobre o Mindset de Crescimento ou de aprendizado. Vou aproveitar e deixar algumas sugestões de conteúdo para que possa saber mais. Ah, e mais uma dica: faça terapia, faça coaching, participe de cursos de autoconhecimento e desenvolvimento pessoal, mentorias. Ou seja, tudo o que possa servir para você de ferramenta para sua flexibilização e ressignificação cognitiva para promover sua mudança de mentalidade e viver de forma plena, com sentido e felicidade.

 

https://www.youtube.com/watch?v=epN6elf4otU

https://www.youtube.com/watch?v=VqipaMrttps&t=25s

https://www.youtube.com/watch?v=pa-KZdDRcWA

https://www.youtube.com/watch?v=H9CdT5cFRnI

https://www.youtube.com/watch?v=qZyDpIonMBM

https://www.youtube.com/watch?v=ai_RP-C1qBI

https://www.youtube.com/watch?v=uONp5_cy9cs

https://www.amazon.com.br/Mindset-Carol-S-Dweck/dp/8547000240

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

O que podemos aprender com a DEPRESSÃO, a DOR, PERDAS, DIFICULDADES

O que podemos aprender com a DEPRESSÃO, a DOR, PERDAS, DIFICULDADES

Se tem uma afirmação realista é que ninguém sai o mesmo de uma depressão, de perdas e ou dificuldades. Este é um tema que tem permeado muitas sessões de psicoterapia nos últimos 6 meses.

Muitos pacientes chegam trazendo seus diversos sofrimentos: perdas de parentes e amigos queridos fruto do COVID-19 ou outras enfermidades, acidentes, suicídios, dores por conta de adoecimentos na família, violência doméstica, relações abusivas em casa, no trabalho (home-office ou presencial), sobrecarga de demandas, exaustão, dificuldades financeiras, fechamentos de negócios, perdas de clientes, dívidas, fome, privações, etc. Sofrimentos estes que levaram muitas pessoas a quadros depressivos, transtornos de ansiedade, gatilhos para crises, luto, agravamento de transtornos de personalidade, abuso de substâncias, compulsões, entre outros.

Em algum momento, elas perceberam como suas realidades internas e externas se tornaram mais pesadas, exaustivas, adoecedoras, limitantes, paralisantes, dolorosas. Tiveram a coragem de dar um primeiro passo importante: buscar ajuda profissional de psicólogos, médicos, psiquiatras, nutricionistas, educadores físicos, entre outros profissionais de saúde, dentro das especificidades de cada caso, dentro do que elas entendiam necessitar de auxílio, orientação, cuidado, escuta, estratégias e ferramentas para atravessarem suas jornadas.

Estamos sendo testemunhas de muitas destas realidades de sofrimento, direta ou indiretamente, como parente, amigo, profissional que acompanha, orienta, dá suporte e ajuda a estas pessoas. Mas um ponto muito importante a trazer à luz na reflexão de hoje é: como é possível aprender a partir de momentos críticos. 

Situações como estas acima citadas levam cada pessoa a acessar suas vulnerabilidades, seus limites, suas necessidades emocionais, físicas, materiais não atendidas ou faltantes neste contexto, a sentir a intensidade de suas dores, que, num primeiro momento, parecem-lhes não ter fim, serem insuportáveis, limitantes, dilacerantes, cada um ao seu modo, expressando através de emoções, pensamentos, comportamentos, linguagem verbal, não verbal, num grande esforço de buscar sobreviver, tolerar, lidar, aceitar, superar, seguir em frente em suas jornadas.

Pode parecer o fim, pode até mesmo parecer contraditório, por estarmos acostumados a viver numa sociedade que estimula a supressão de dores, sintomas e sofrimentos; mas é exatamente neste encontro com as nossas vulnerabilidades que temos a oportunidade de acessar nossas centelhas de aprendizados. 

Quando vivenciamos momentos de vulnerabilidade e nos colocamos abertos a acolher nosso sofrimento, reconhecer e nomear nossas dores, perdas, temos condições de acessar no nosso sistema o que necessitamos para sobreviver, superar e seguir em frente. Temos condições de acessar nossa capacidade adaptativa, de perceber que as dores e sofrimentos são passageiros e nos trazem inúmeros ensinamentos dentro do que necessitamos aprender, tanto individual, quanto como casal, família, coletivo.

A depressão, o luto, perdas e dificuldades convida-nos a parar, desacelerar, nos colocando de frente com o não saber como seguir, com a necessidade de respeito ao tempo do corpo, da mente. Trás a oportunidade de reflexão das insatisfações, frustrações, perdas, reavaliação da vida, do que se trilhou até aqui, o que realizamos, perdas e ganhos. Chama-nos a olhar e reconhecer as mudanças de contextos, de necessidades atuais, de buscar e encontrar novos sentidos.

Por mais difícil e demorado que toda esta jornada pareça ser, certamente cada pessoa sairá diferente de como iniciou seus processos. Sairá mais resiliente, com muito mais recursos internos, com novas estratégias de enfrentamento e de regulação emocional, mais conscientes sobre suas necessidades e direitos, das escolhas a serem feitas, das responsabilidades a assumir, dos “sim” e dos “não” que deverá dizer daqui para frente,  para si mesma e para outras pessoas à sua volta. Enfim, cada indivíduo sairá com novos sentidos, novas respostas, novas possibilidades para construir um novo começo, um novo capítulo da sua jornada.

Sugestões para você continuar lendo e refletindo:

5 Estágios da Mudança

5 estágios da Mudança – parte 2

5 Estágios da Mudança – parte 3

Confinamento e seus efeitos no corpo, mente e alma

O poder do PERDÃO

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

O poder do PERDÃO

O poder do PERDÃO

Perdoar diz respeito à remissão de culpa, livrar-se de um arrependimento, erro, falha, ofensa que alguém tenha cometido, ou seja, você pode ter falhado com alguém, ou uma pessoa pode ter traído, desrespeitado você, ou mesmo você decepcionou a si mesmo. O perdão acontece quando dores e angústias relacionadas à situação experienciada são superadas pelos envolvidos.

Segundo o neurocientista Pedro Calabrez, o perdão não é sinônimo de simplesmente esquecer uma situação, acreditando que não terá mais registros daquela memória, que é possível deletá-la do seu cérebro. Não diz respeito ao outro, mas sim da nossa capacidade de seguir em frente. Envolve compreender, reconhecer que houve um sofrimento a partir do acontecimento e aceitação do que houve. Envolve escolhas do que você fará a com o que aconteceu para virar a página da vida e levar os aprendizados que a situação gerou

Trata-se, assim, de um processo de cura de uma ferida emocional que promoveu mal estar psicoemocional. Este processo leva tempo para ser superado, assim como uma cicatriz e recuperação de uma dor física, e por este motivo exige respeito a este tempo.

Por essa definição, podemos entender que perdoar tem um poder de libertar, liberar-se emocionalmente de mágoas, sentimentos negativos, angústias, raiva, ressentimentos, entre outras questões emocionais que envolvam frustração, o aspecto punitivo, crítico, ou julgamento (moral ou ético).

A intensidade destas experiências (emoções e sentimentos) e a duração de permanência delas vivas em nós varia a depender do quanto nos afetamos e do como experienciamos estes acontecimentos, emoções envolvidas e processos avaliativos.

Perdoar alguém

Muitas vezes, passamos por situações difíceis por alguém ter feito ou dito algo para nós que nos levou a sentir decepção, frustração, raiva, tristeza ou mágoa. Estas experiências emocionais revelam algo sobre nós: como nos sentimos. Se fomos desrespeitados em algum direito, se alguma necessidade emocional não foi atendida,  se fomos injustiçados, maltratados, negligenciados, trapaceados, discriminados, ignorados, excluídos, prejudicados a partir da ação ou fala do outro, ou mesmo a partir de um acontecimento.

Ou seja, para perdoar, é preciso tomar consciência e reconhecer quais necessidades emocionais e direitos foram desrespeitados e o que será feito daqui para frente para ressignificar esta relação de forma saudável, diferente, respeitando as necessidades e direitos de ambos, e seguir em frente na jornada levando estes aprendizados positivos, permitindo-se se abrir para novas experiências.

Perdoar a si

Quando falamos de perdoar a si mesmo, falamos de autoperdão. Perdoar-se significa então libertar-se de culpas e arrependimentos que você sinta por algo que tenha feito a si mesmo ou a outra(s) pessoa(s) e que tenha entendido não ter sido a melhor solução, escolha, decisão, não ter sido justo, respeitoso, ou mesmo ter machucado, magoado ou ultrapassado os limites consigo mesmo ou com alguém.

Esta ação é super importante como estratégia de cura e liberação emocional, porque quando não nos perdoamos ficamos presos às situações passadas, que não temos mais poder de ação de modificá-las, já que não é possível mudar o passado.

A pessoa que não exercita o perdão permanece ruminando pensamentos relacionados à situação, normalmente com pensamentos que recriam o cenário buscando outros desfechos, mas que emocionalmente leva à reatualização constante das emoções desagradáveis, da mágoa, arrependimento e culpas envolvidas na situação. O corpo revivencia toda a avalanche emocional a cada vez que se volta àquela situação. Este movimento psíquico e emocional contribui para potencializar quadros de ansiedade e mesmo de depressão, por este aprisionamento autoimposto pelo sujeito em situações passadas.

Assim, o autoperdão é este movimento de liberação emocional, de libertar-se das culpas e arrependimentos que surgiram em situações difíceis que pertencem ao passado e buscar novos sentidos a partir do que aconteceu. Perdoar-se é entender, compreender que houve uma dor, um sofrimento pelo que você fez, mas também incluir que você foi o que poderia ter sido naquele momento, que também é tão humano quanto outras pessoas, passível de erros, falhas. É aceitar que, além de forças pessoais, também tem fraquezas, vulnerabilidades, e que pode seguir em frente e fazer diferente, ressignificar relações a partir das experiências vividas.

Considerações finais

É importante lembrar que faz parte da condição humana o aspecto da imperfeição, e isso envolve ter consciência de que estamos sujeitos a cometer falhas, imprudências, prejuízos, perdas, tanto no aspecto material como subjetivo.

Somos humanos e por assim sermos, estamos sujeitos a tomar decisões não assertivas, escolher caminhos com consequências desagradáveis ou de alto impacto, enfim, podemos falhar em algum momento da nossa caminhada, assim como o outro pode vir a nos decepcionar de alguma forma, pelo fato de ser tão humano quanto nós, estar nesta mesma condição e sob os mesmos direitos universais.

O fato é que aprendemos com todas as experiências que vivemos, erros e acertos. Sabemos que falhamos ou que fomos bem sucedidos numa ação, numa escolha, a depender das consequências envolvidas.

É importante reconhecermos nossas responsabilidades diante delas, fazer o que precisa ser feito, ajustar as melhorias possíveis, mas também levar em conta que somos o que podemos ser a cada momento.

Não perdoar alguém, assim como não perdoar a si mesmo, envolve permanecer na dor, no julgamento, na tensão, na ansiedade, na dura crítica ou mesmo na punição. Esta é uma escolha que faz a pessoa paralisar, ficar presa ao passado, ao que poderia ter sido, e, consequentemente, ter dificuldades para seguir em frente, para se permitir fazer diferente em outras e novas situações.

Perdoar, assim, é necessário para libertar a si mesmo e o outro de dores, ressentimentos, de histórias passadas para seguir em frente. É permitir-se acolher e aceitar as vulnerabilidades, entendendo que elas fazem parte da nossa condição humana, existencial. É se abrir para novas oportunidades, aprendizados, novos sentidos, ressignificar. É praticar a melhoria contínua na arte de ser, viver, relacionar, agir, realizar.

Para saber mais: https://www.youtube.com/watch?v=JH5X4vUMkCg

Santiago, Adriana – O Poder Terapêutico do Perdão. Teoria, Prática e Aplicabilidade do Perdão com Base Científica na Psicologia Positiva. Ed Sinopsys

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br