Nichos de Mercado: divisões do Mercado de Trabalho

Nichos de Mercado: divisões do Mercado de Trabalho

Chamamos de mercado de trabalho o conjunto das diferentes atividades laborais, sejam elas operacionais, estratégicas, de gestão, manual, intelectual, entre outras, que de alguma forma são remunerados (salário, comissionado, por demanda ou projeto, por serviço, por hora trabalhada, com ou sem bonificações).

Historicamente, o mercado de trabalho passou por diversas transformações, desde o período das grandes navegações (entre séculos XV e XVI), movimentos de êxodo rural (migração da população rural para as cidades) e mais especialmente as 3 revoluções industriais: a 1ª (1760-1850),  a 2ª(1850-1945) e a 3ª a partir de 1950 até os dias atuais. Todos estes processos evolutivos geraram impactos na economia, política, modos, costumes e nas formas e organização do trabalho.

DIT – Divisão Internacional do Trabalho

Estes processos revolucionários, em cada um destes períodos históricos,  levaram governos de países a estabelecerem uma divisão de como a distribuição econômico-industrial seria estabelecida, ou seja, como as formas de trabalho e distribuição seriam organizadas de acordo com as necessidades econômicas, políticas e social de cada época. A este processo e política internacional nomeamos de divisão internacional do trabalho.

A imagem abaixo mostra como a DIT revela as etapas evolutivas do capitalismo e quais processos produtivos e de distribuição estavam em evidência em cada período. Estamos hoje vivendo, de 1950 para cá, a 3ª revolução industrial, caracterizada pela revolução tecno-científica-informacional e consolidação do capitalismo financeiro, sob marcos e grande impacto do surgimento da internet, telecomunicações, multinacionais bem como mercados e transações diversas em ambiente puramente online.

Fonte: https://brasilescola.uol.com.br/geografia/divisao-internacional-trabalho-dit.htm 

Do que lá na escola estudamos para cá mudou muita coisa. Aprendemos que o mercado de trabalho era dividido em 3 setores:

  • Setor Primário: relações de trabalho relacionadas à matéria prima (agricultura, pecuária, extrativismo mineral e vegetal);
  • Setor Secundário: relações de trabalho que modificam a matéria prima (indústria, construção civil);
  • Setor Terciário: relações de trabalho interpessoais, ou seja, prestação de serviços em geral (bancos, saúde, educação, trabalhos intelectuais em geral)

Mais recentemente, a partir da década de 90, foi se estruturando e se colocando em evidência, especialmente nesta década última (2010-2020), o chamado quarto setor, que envolve relações de trabalho ligadas ao desenvolvimento socioambiental, sustentabilidade e preservação dos ecossistemas e desenvolvimento populações. Em outras palavras, são empreendedores e organizações que surgiram com objetivo de gerar lucros, fazendo o bem às pessoas, gerando contribuições e transformações positivas para o mundo.

NICHO

Este é outro conceito que também ouvimos falar sobre o mercado de trabalho. Trata-se de segmentações, recortes de um mercado específico. Podemos dizer, assim, que um nicho é uma “fatia” deste “bolo” maior chamado setor.

Para definir um nicho, é importante levar em conta algumas variáveis como as necessidades e interesses comuns de uma população, de determinada faixa etária, localizada numa determinada área. Não se resume a estes critérios, claro, mas o que se sabe é que, quanto mais específico o nicho, quanto mais delimitado, maior facilidade para estruturar um plano de negócios voltado a atender as necessidades deste nicho. E isto certamente impactará em tudo: desenvolvimento, comunicação e promoção da marca, serviços e produtos, alinhados ao máximo ao que este nicho quer, fala, se comporta, sente, age e se interessa.

Mas o que nicho tem a ver com o mercado de trabalho? Simplesmente tudo. Não esqueçamos que empresas, instituições, associações, ong’s, multinacionais, micro, pequeno, grande porte, todas elas estão neste mercado buscando profissionais qualificados para atender suas demandas para melhor atender os clientes dos seus nichos. Ou seja, para que empregos estejam disponíveis, é preciso que haja demanda por serviços, produtos, infraestrutura, matéria prima, cuidados, preservação, manutenção e sustentabilidade (itens relacionados aos 4 setores mais acima vistos). E a demanda está diretamente relacionada ao poder aquisitivo de uma população, ao seu poder de compra, que gera demanda para as empresas  produzirem e ofertarem novos postos de trabalho no mercado, nos diversos nichos, e que volta para esta mesma população em formato de produtos, serviços, soluções, transformações.

Parece confuso, mas é a roda do mercado de trabalho girando a partir dos acontecimentos que impactam na vida de todos nós e gerando movimentos econômicos de retração ou progresso, desemprego ou emprego. Quer maior evento que impactou nesta roda do que a pandemia? Quantas pessoas que perderam seus empregos, quantas empresas que fecharam, pois não suportaram os efeitos da “parada da roda” ainda que parcialmente e por alguns meses.

Por outro lado, quantos nichos de mercado que pouco se falava passaram a estar em evidência? Por acaso você costumava a usar máscara diariamente, sem ser algum profissional ligado às diversas práticas de saúde? Este é só um pequeno exemplo de como toda esta engrenagem sofre impactos de eventos de grande magnitude, como a pandemia, e que leva todos nós a repensar formas de trabalhar, viver, consumir, e, consequentemente, impacta em como moramos, comemos, nos deslocamos, compramos, trabalhamos, nos comunicamos, nos relacionamos, e, consequentemente, na queda ou ascensão de alguns nichos, bem como criação de novos postos de trabalho no mercado.

Enfim, a proposta deste artigo é não somente informar sobre o que é o mercado de trabalho, como se estruturou, as mudanças que ele sofreu ao longo do tempo, mas provocar você a perceber que nenhuma profissão ou área é melhor ou pior que outra. Simplesmente são trabalhos, simplesmente se tratam de algum tipo de atividade laboral remunerada, que gera algum tipo de transformação em formato de produto ou serviço, e pode estar em evidência ou não a depender do momento sócio-econômico-político-histórico.

Se até mesmo o mercado de trabalho passa por mudanças radicais ao longo do tempo, por que você não poderia mudar de profissão, de área ou mesmo buscar novas formas de atuar dentro de uma mesma área? Por que com você ou comigo seria diferente? Pense nisso.

Ah! E para você que quer saber mais a fundo sobre os nichos e áreas de maior destaque em 2021, confere estes 5 links abaixo. Boa leitura, ótima reflexão e aprendizado!

https://www.guiadacarreira.com.br/carreira/cursos-em-alta-2021/

https://www.infomoney.com.br/carreira/mercado-de-trabalho-em-2021-26-profissoes-que-estarao-em-alta-e-os-respectivos-salarios/

https://vocesa.abril.com.br/carreira/as-30-profissoes-em-alta-para-2021/ https://exame.com/carreira/em-busca-de-emprego-veja-as-30-profissoes-em-alta-para-2021/

https://epocanegocios.globo.com/Carreira/noticia/2021/01/conheca-profissoes-que-estarao-em-alta-no-brasil-em-2021-e-os-salarios-de-cada-uma-delas.html

https://midia.com.br/nichos-lucrativos-no-marketing-digital/

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

VOCÊ S/A – organizando seu ano fiscal

VOCÊ S/A – organizando seu ano fiscal

A intensificação da crise política-econômica brasileira e escândalos de corrupção, do ano de 2014 para cá, afetou e muito o mercado de trabalho, deixando como marca uma crescente taxa de desemprego. A partir deste cenário, muitos profissionais se depararam com a necessidade de deixar seus postos de trabalho de até então e buscar novas e diferentes oportunidades. Sobreviver, manter uma condição mínima de existência para si mesmo e sua família, manter as contas em dia e permanecer ativo no marcado passaram a ser os grandes desafios no dia a dia de muitos brasileiros.

Mas é fato que muitas pessoas também viram neste momento uma oportunidade para repensar suas carreiras, vivenciar novas formas de trabalho e experimentar alçar novos vôos como autônomo, empreendedor individual ou como PJ. Viram estas outras formas de prestar serviço e continuarem ativos no mercado como uma alternativa muito interessante para ressignificar e reconfigurar suas carreiras. E isso veio de encontro com necessidades de redução de custos e de folha de muitas empresas que já estavam no mercado, e que também viram na contratação de prestadores de serviço, através do regime MEI, Simples Nacional ou outro perfil tributário PJ, muitas vantagens.

Como mais um ano está iniciando, resolvi deixar aqui 10 dicas para você organizar seu ano fiscal. São dicas para quem já se tornou uma PJ, ou está sem saber por onde recomeçar, ou para quem é CLT e ainda está pensando ou mesmo inseguro se vale a pena mudar de regime contratual e arriscar novos vôos de carreira:

  • MAESTRIA: primeiramente reconheça seus DONS e TALENTOS, o que você sabe fazer de melhor, seja prestar um serviço, seja fazer ou revender um produto.
  • PROPÓSITO: reflita e tenha clareza sobre qual seu papel no mundo, que tipo de contribuição / legado / benefício / transformação / soluções você pode agregar no mundo, especialmente na comunidade e para as pessoas que lhe rodeiam. Isto será decisivo para alinhar toda a sua jornada pessoal, profissional e fazer seu negócio ser um REFLEXO e EVIDÊNCIA de que está exercendo sua missão.
  • PESQUISA DE MERCADO: depois de reconhecer o que você tem de melhor a oferecer no mercado, qual seu propósito, e antes de sair abrindo uma PJ com a primeira ideia que vêm à sua mente, é importante pesquisar o mercado e verificar se ele está interessado no que você sabe fazer de melhor ou no seu produto, ou seja, verificar se além de demanda existe real interesse do público que você deseja alcançar.
  • MODELO DE NEGÓCIO: Construa um modelo de negócio bem estruturado para que seja seu norte e sirva de “bússola” para você restruturar sua rota de ação e colocar em prática esta oportunidade de trabalho e rendimento que identificou.
  • OBJETIVOS: Tenha objetivos e saiba quais MOTIVOS, RAZÕES, o porquê e para que você fará este plano de negócio ser uma realidade.
  • PLANEJAMENTO: Planeje METAS de curto, médio, longo prazo alinhadas ao seus objetivos, modelo de negócio, propósito e incluindo seus dons e talentos como ferramentas para colocar ações, tarefas e atividades em prática rumo ao que você quer SER e REALIZAR.
  • ERROS: sim, você vai errar e muitas vezes. Se você conhecer algum empreendedor / empresa que nunca tenham errado algum passo, desconfie. Mas você deve entender e encarar os erros como parte de um grande EXPERIMENTO, como TESTES, como oportunidades de entender o que funciona e o que não funciona para você e para o seu negócio. Eles não devem fazer você desistir, não devem paralisar seu poder de ação, mas sim devem potencializar seu olhar investigativo e levar você a AJUSTAR, REPARAR, MELHORAR para continuar dando passos na sua jornada.
  • CLIENTES: São pessoas como você, tem necessidades e, mais do que comprar um produto ou serviço, eles querem atenção, respeito, compromisso, carinho, serem positivamente surpreendidos e que seja entregue o que eles investiram. Você precisa entender que eles são um dos pilares do seu negócio.
  • CONEXÃO: Você faz parte de uma grande rede e para oferecer o que você tem de melhor, seja em serviço ou em produto, você precisará se CONECTAR o tempo todo. Isso não quer dizer manter-se online e postando o tempo todo nas redes sociais, mas sim genuinamente estar presente nas relações, cuidar delas, dar e receber verdadeiramente, sejam elas online ou offline.
  • RESULTADOS: Eles serão CONSEQUÊNCIA de toda esta jornada que você fará. São proporcionais aos esforços, empenhos, investimentos (seja de tempo, financeiro, emocional, energético, amor, etc), disciplina e continuidade. Resultados precisam ser projetados e acolhidos considerando a realidade e momento de negócio que você esteja. Esperar que seu negócio “bombe” no primeiro mês de estrada, nos 10 primeiros contatos feitos, é simplesmente precipitado. Lembre-se: atletas olímpicos se tornam vencedores após longos anos de treino, e não quando tomam a decisão de serem atletas.

O coaching é uma excelente metodologia de trabalho que ajudará você a ter clareza e encontrar respostas para todos estes passos acima citados, levando você a estruturar sua ROTA DE AÇÃO de modo realista, viável e duradoura. Terei o enorme prazer de ajudar você nesta jornada.

Espero que estas 10 dicas possam contribuir agora mesmo para você realinhar o seu trem nos trilhos ou mesmo pensar em novas rotas de forma estruturada e com as maiores chances de levar você a SER o que você quer ser e REALIZAR o que deseja e sabe fazer de melhor.

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

COACHING E INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

COACHING E INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

Se você já esteve aqui neste blog anteriormente, certamente já deve ter visto outros artigos falando como o coaching é uma metodologia de ação e resultado. Ou seja, que provoca você tomar consciência dos seus incômodos no seu estado atual, elencar seus motivos para alcançar um resultado específico, estruturar um plano de ação com os recursos e o que precisa ser feito para alcançá-lo e, por fim, entrar em ação. Hoje vamos falar como podemos utilizar esta metodologia com foco em desenvolver sua inteligência emocional e como colocar em prática ferramentas para melhor lidar com suas emoções.

Inteligência Emocional: o que é

Daniel Goleman, psicólogo e jornalista, cunhou pela primeira vez o termo inteligência emocional ao lançar seu livro de mesmo nome em 1995, após anos de pesquisas sobre o comportamento humano. Ele define inteligência emocional como a “capacidade que um indivíduo tem de identificar os seus próprios sentimentos e os dos outros, de nos motivarmos e gerir os impulsos dentro de nós e em nossos relacionamentos” (GOLEMAN, 1995).

Diz respeito ao modo como lidamos com as nossas emoções e com as das pessoas próximas e como direcionamos ações e decisões ao lidar com elas.

As habilidades que envolvem a Inteligência Emocional são aprendidas, ou seja, não nascemos com estas habilidades inatas, mas sim com o potencial para desenvolvê-las a partir das relações que estabelecemos com nós mesmos (eu x eu) com os outros (eu x outro) e como percebemos e nos posicionamos no mundo (eu x mundo). Aprendemos e treinamos com a prática da auto-observação e a cada interação com outras pessoas.

Saber como agir em momentos de dificuldade e melhorar os relacionamentos interpessoais depende de como os pensamentos, os sentimentos e as atitudes são gerenciados.

A IE impacta diretamente e de forma positiva na nossa saúde física e mental, na expressão de todas as nossas dimensões de vida (biológica, psicológica, social, cultural, espiritual), na qualidade dos nossos relacionamentos, bem como no nosso sucesso profissional.

Pilares da IE:

São 5 pilares da inteligência emocional. Para que você consiga colocar em prática, é fundamental desenvolver e contemplar todos os 5:

AUTOCONSCIÊNCIA: conhecer seu perfil comportamental (temperamento, traços de personalidade, atitudes, comportamentos, habilidades), nomear suas emoções (o quê?), compreender como as emoções acontecem em você (como?), motivos, situações ou gatilhos que contribuem para a sua experiência emocional (por quê?), entender suas necessidades emocionais (para que? o que necessito?), como expressar de forma assertiva, estratégias de enfrentamento e tomada de decisão

AUTOCONTROLE: autorregulação emocional, controle de impulsos e expressão, adaptação, resiliência

IE não se trata de anular, abafar, reprimir suas emoções, mas sim permitir-se sentir e buscar entender o que você está sentindo, ou seja, qual o papel, qual a função que esta emoção está exercendo por você e qual ou quais necessidades emocionais e direitos estão envolvidos nesta experiência emocional.

Quanto falamos de autocontrole, estamos sinalizando a importância de não agir dominado pela emoção. A IE propõe entender as emoções para gerenciar sua expressão e experiência emocional, incluindo aceitar as próprias emoções, compreender porque elas estão acontecendo no momento, aceitar os próprios limites e buscar a melhor estratégia de enfrentamento e de resolução de problema.

Um ponto importante é que, do mesmo modo que é possível sentir, nomear e entender emoções desagradáveis ou difíceis como a raiva, tristeza, nojo, é possível estimular o sentir, nomear e promover as emoções agradáveis ou positivas, de modo que elas auxiliem você a perceber o que faz bem, o que proporciona felicidade, plenitude, realização e direcionar seu poder de ação para escolhas saudáveis, assertivas viver uma vida com sentido.

Outro ponto fundamental é perceber que não é possível deixar se sentir ou mudar as suas emoções, mas sim mudar a reação que você tem a partir delas. Permitir-se sentir é o primeiro passo para a tomada de consciência e compreensão do que motivou aquela emoção e porque ela está acontecendo. E é a partir do entendimento da sua experiência emocional que você terá condições de escolher como agir de forma mais assertiva.

Quando você não se permite sentir, normalmente você coloca em prática alguma estratégia evitativa, que somente negará o que está acontecendo, tanto emocionalmente como o problema em questão, postergando a tomada de consciência, não focando na resolução. Isto pode acarretar em impactos nos seus relacionamentos, nos seus resultados, nos seus negócios.

MOTIVAÇÃO: motivação intrínseca(seus motivos para entrar em ação) ou aptidão mestra, motivação extrínseca (motivação a partir do contexto e interações, que vem dos outros), orientação para realização, solução de problemas e resultados

Ao analisar sua trajetória de realizações e fracassos, pessoas que tem IE alta identificam que erros, falhas e fracassos se deram por algum fator interno seu e por este motivo podem modificar, ajustar, aprimorar, supera. Estas pessoas apresentam autorresponsabilidade, isto é, responsabilizam-se por seus erros, não terceirizam problemas, não culpabilizam outras pessoas, perguntam-se o que podem fazer a partir desta falha, focam na solução, buscam aprimorar praticando a melhoria contínua e superação.

Outro fator importante é o flow ou estado de fluxo. Ele acontece quando você está envolvido em alguma atividade estimulante, que motive você, utilizando seus talentos e interesses,  gerando uma experiência emocional agradável, com foco, energia, presença, de modo que você perde a noção do tempo por estar fluindo, sem se conectar com eventuais distrações. Pessoas com alto IE costumam entrar em flow de forma frequente e isto impacta diretamente e de forma positiva no seu humor, energia, disposição, satisfação e realização.

EMPATIA: é a habilidade de reconhecer a experiência emocional do outro, a partir da escuta ativa e presença. É a compreensão das emoções do outro, entendimento de suas necessidades emocionais e como ele expressa. É buscar compreender as motivações do outro, como ele deseja ser ajudado, orientado, apoiado, considerar o lugar e ponto de vista do outro, quais suas expectativas x realidade, consciência do todo e da melhor solução para melhor atender com os recursos disponíveis no momento.

HABILIDADES SOCIAIS: diz respeito à qualidade das relações, e como você executa habilidades sociais como influenciar, persuadir, mediar conflitos, trabalhar em equipe, liderar, desenvolver, treinar, aprimorar.

Para que serve a IE:

Mais do que controlar emoções, o objetivo da IE é agir com inteligência no entendimento, regulação e canalização das emoções.

Ela ajuda você a acolher suas vulnerabilidades, compreender suas emoções, o que as motivam, qual função e/ou papel elas estão exercendo para você naquele momento.

Ajuda você reconhecer e compreender seus medos e inseguranças, de modo a estruturar estratégias para lidar com eles e superá-los progressivamente.

Viabiliza a tomada de consciência de hábitos nocivos e crenças limitantes, provoca reflexão e ativa seu poder de ação para eliminá-los, construir e fortalecer novos hábitos saudáveis e crenças fortalecedoras.

Permite você ativar e colocar em prática seu potencial, a partir do continuado processo de autoconhecimento e melhoria contínua.

Ajuda você acolher, respeitar e compreender as vulnerabilidades, emoções e necessidades dos outros, praticar a empatia, escuta ativa, melhorando a qualidade dos seus relacionamentos.

Auxilia no aprimoramento da sua comunicação, expressão de emoções e ideias, posicionamento, influenciar positivamente as pessoas, persuadir, vender e entregar o seu melhor alinhado com o que os outros necessitam e solicitam a você.

Faz você ser um líder melhor, desenvolver sua capacidade de gerir pessoas atento às necessidades e perfis de todos do time, incentivando, inspirando, orientando e dando os imputs e recursos necessários de acordo com o que cada pessoa necessita. Isto aumenta o envolvimento, participação ativa, engajamento, comprometimento e responsabilidade de todos nas entregas de resultados, melhoria contínua e alcance de objetivos do time colocando o que cada pessoa tem de melhor em ação.

Ferramentas para lidar com as emoções

Nesta sessão, listo abaixo algumas ferramentas que auxiliam você a lidar com as emoções para aprimorar sua inteligência emocional:

  • RESPIRAÇÃO: pratique a respiração diafragmática de forma lenta, mas sem sufocar, na necessidade do seu organismo, concentrando todo o seu foco apenas em acompanhar e observar o inspirar e expirar. É um excelente exercício de atenção plena, desconexão de preocupações e emoções desagradáveis, bem como de auto-observação e autoconhecimento.
  • MEDITAÇÃO e MINDFULLNESS: existem vários tipos de meditação e exercícios de mindfullness (atenção plena) disponíveis em diversos canais (youtube) e apps. As meditações guiadas e meditações ativa (em forma de movimentos) são excelentes exercícios para colocar-se no presente, treinar a respiração, bem como trabalhar autoconhecimento, respeito ao tempo do seu organismo e superação.
  • DIÁLOGO INTERNO SAUDÁVEL: buscando compreender suas emoções, quais funções e papéis elas estão exercendo, o que necessita no momento, quais soluções possíveis, quais estratégias mais assertivas e saudáveis.
  • ATIVIDADE FÍSICA: para eliminar tensões, estresse, faça caminhada ou outras práticas esportivas que ajudem você extravasar emoções desagradáveis e tensões, assim como proporcionar liberação de hormônios de prazer, sentir sensação de bem estar e equilíbrio.
  • HOBBIE: pratique atividades que estimulem sua criatividade, colocar em prática interesses e habilidades de forma prazerosa e que levem você a vivenciar o estado de flow.
  • NADISMO: permitir-se momentos “offline”, momentos de relaxamento, descanso, de nada fazer, de vazio. Eles são excelentes estratégias para desconectar da rotina, gerar espaço mental para novas ideias assim como recarregar o corpo energeticamente.
  • QUEBRE A ROTINA: mude de postura após longos períodos numa posição, alongue o corpo,  troque de tarefa, crie distrações saudáveis, pausas ao longo do dia,  promova lazer, descanso, de forma a desconectar para reconectar. São estratégias que otimizam sua recuperação energética e mudança de padrão emocional.
  • ORGANIZAÇÃO: procure limpar, organizar seu ambiente, tanto em casa como no trabalho. Isso proporciona também organização mental de ideias, sensação de bem estar, acolhimento, equilíbrio, ordem que facilitará sua produtividade com leveza.
  • LINGUAGEM CORPORAL: preste atenção na linguagem do seu corpo assim como das pessoas à sua volta. Escute atentamente e com interesse, valorizando a opinião dos outros assim como a própria. Escute genuinamente e sem respostas prévias já pensadas. Coloque-se aberto e não na defensiva. Responda somente no seu momento de fala, sem interromper o outro. Esteja de mente limpa e aberta para exercitar a observação e escuta plenas.

Quer saber mais sobre Inteligência Emocional? Então deixo para você estas dicas de leituras para seu aprofundamento:

  1. Brown, Bené. A coragem de ser imperfeito. Sextante. 2016.
  2. David, Susan Phd. Florescer. Agilidade emocional. Cultrix, 2018.
  3. Goleman, D. Inteligência Emocional. A teoria revolucionária que define o que é ser inteligente. Rio de Janeiro: Objetiva, Tradução revista em 2001 do original  1995.
  4. Santos, Alexandre H. O poder de uma boa conversa. São Paulo- SP.Editora Vozes. 2017.
  5. SiamarPalestra Inteligência Emocional. Daniel Goleman. DVD 70 min. 2011.
  6. Weisinger, Hendrie. Inteligência Emocional no Trabalho. Rio de Janeiro: Objetiva, 1997.
  7. Marshal, Rosenberg. Comunicação não-violenta. Técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais.  Ágora; São Paulo, SP. 2006.
  8. Miranda, Roberto Lira. Comunicação não-violenta. Além da Inteligência Emocional.  Campus; São Paulo, SP. 1997.
  1. Sellingan, Martin E. P. Florescer. Uma nova compreensão sobre a natureza da felicidade e do bem-estar. Rio de Janeiro, RJ: Objetiva, 2012.

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

O poder do PERDÃO

O poder do PERDÃO

Perdoar diz respeito à remissão de culpa, livrar-se de um arrependimento, erro, falha, ofensa que alguém tenha cometido, ou seja, você pode ter falhado com alguém, ou uma pessoa pode ter traído, desrespeitado você, ou mesmo você decepcionou a si mesmo. O perdão acontece quando dores e angústias relacionadas à situação experienciada são superadas pelos envolvidos.

Segundo o neurocientista Pedro Calabrez, o perdão não é sinônimo de simplesmente esquecer uma situação, acreditando que não terá mais registros daquela memória, que é possível deletá-la do seu cérebro. Não diz respeito ao outro, mas sim da nossa capacidade de seguir em frente. Envolve compreender, reconhecer que houve um sofrimento a partir do acontecimento e aceitação do que houve. Envolve escolhas do que você fará a com o que aconteceu para virar a página da vida e levar os aprendizados que a situação gerou

Trata-se, assim, de um processo de cura de uma ferida emocional que promoveu mal estar psicoemocional. Este processo leva tempo para ser superado, assim como uma cicatriz e recuperação de uma dor física, e por este motivo exige respeito a este tempo.

Por essa definição, podemos entender que perdoar tem um poder de libertar, liberar-se emocionalmente de mágoas, sentimentos negativos, angústias, raiva, ressentimentos, entre outras questões emocionais que envolvam frustração, o aspecto punitivo, crítico, ou julgamento (moral ou ético).

A intensidade destas experiências (emoções e sentimentos) e a duração de permanência delas vivas em nós varia a depender do quanto nos afetamos e do como experienciamos estes acontecimentos, emoções envolvidas e processos avaliativos.

Perdoar alguém

Muitas vezes, passamos por situações difíceis por alguém ter feito ou dito algo para nós que nos levou a sentir decepção, frustração, raiva, tristeza ou mágoa. Estas experiências emocionais revelam algo sobre nós: como nos sentimos. Se fomos desrespeitados em algum direito, se alguma necessidade emocional não foi atendida,  se fomos injustiçados, maltratados, negligenciados, trapaceados, discriminados, ignorados, excluídos, prejudicados a partir da ação ou fala do outro, ou mesmo a partir de um acontecimento.

Ou seja, para perdoar, é preciso tomar consciência e reconhecer quais necessidades emocionais e direitos foram desrespeitados e o que será feito daqui para frente para ressignificar esta relação de forma saudável, diferente, respeitando as necessidades e direitos de ambos, e seguir em frente na jornada levando estes aprendizados positivos, permitindo-se se abrir para novas experiências.

Perdoar a si

Quando falamos de perdoar a si mesmo, falamos de autoperdão. Perdoar-se significa então libertar-se de culpas e arrependimentos que você sinta por algo que tenha feito a si mesmo ou a outra(s) pessoa(s) e que tenha entendido não ter sido a melhor solução, escolha, decisão, não ter sido justo, respeitoso, ou mesmo ter machucado, magoado ou ultrapassado os limites consigo mesmo ou com alguém.

Esta ação é super importante como estratégia de cura e liberação emocional, porque quando não nos perdoamos ficamos presos às situações passadas, que não temos mais poder de ação de modificá-las, já que não é possível mudar o passado.

A pessoa que não exercita o perdão permanece ruminando pensamentos relacionados à situação, normalmente com pensamentos que recriam o cenário buscando outros desfechos, mas que emocionalmente leva à reatualização constante das emoções desagradáveis, da mágoa, arrependimento e culpas envolvidas na situação. O corpo revivencia toda a avalanche emocional a cada vez que se volta àquela situação. Este movimento psíquico e emocional contribui para potencializar quadros de ansiedade e mesmo de depressão, por este aprisionamento autoimposto pelo sujeito em situações passadas.

Assim, o autoperdão é este movimento de liberação emocional, de libertar-se das culpas e arrependimentos que surgiram em situações difíceis que pertencem ao passado e buscar novos sentidos a partir do que aconteceu. Perdoar-se é entender, compreender que houve uma dor, um sofrimento pelo que você fez, mas também incluir que você foi o que poderia ter sido naquele momento, que também é tão humano quanto outras pessoas, passível de erros, falhas. É aceitar que, além de forças pessoais, também tem fraquezas, vulnerabilidades, e que pode seguir em frente e fazer diferente, ressignificar relações a partir das experiências vividas.

Considerações finais

É importante lembrar que faz parte da condição humana o aspecto da imperfeição, e isso envolve ter consciência de que estamos sujeitos a cometer falhas, imprudências, prejuízos, perdas, tanto no aspecto material como subjetivo.

Somos humanos e por assim sermos, estamos sujeitos a tomar decisões não assertivas, escolher caminhos com consequências desagradáveis ou de alto impacto, enfim, podemos falhar em algum momento da nossa caminhada, assim como o outro pode vir a nos decepcionar de alguma forma, pelo fato de ser tão humano quanto nós, estar nesta mesma condição e sob os mesmos direitos universais.

O fato é que aprendemos com todas as experiências que vivemos, erros e acertos. Sabemos que falhamos ou que fomos bem sucedidos numa ação, numa escolha, a depender das consequências envolvidas.

É importante reconhecermos nossas responsabilidades diante delas, fazer o que precisa ser feito, ajustar as melhorias possíveis, mas também levar em conta que somos o que podemos ser a cada momento.

Não perdoar alguém, assim como não perdoar a si mesmo, envolve permanecer na dor, no julgamento, na tensão, na ansiedade, na dura crítica ou mesmo na punição. Esta é uma escolha que faz a pessoa paralisar, ficar presa ao passado, ao que poderia ter sido, e, consequentemente, ter dificuldades para seguir em frente, para se permitir fazer diferente em outras e novas situações.

Perdoar, assim, é necessário para libertar a si mesmo e o outro de dores, ressentimentos, de histórias passadas para seguir em frente. É permitir-se acolher e aceitar as vulnerabilidades, entendendo que elas fazem parte da nossa condição humana, existencial. É se abrir para novas oportunidades, aprendizados, novos sentidos, ressignificar. É praticar a melhoria contínua na arte de ser, viver, relacionar, agir, realizar.

Para saber mais: https://www.youtube.com/watch?v=JH5X4vUMkCg

Santiago, Adriana – O Poder Terapêutico do Perdão. Teoria, Prática e Aplicabilidade do Perdão com Base Científica na Psicologia Positiva. Ed Sinopsys

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

DÊ O SEU MELHOR: o que você tem feito para alcançar seus objetivos?

DÊ O SEU MELHOR: o que você tem feito para alcançar seus objetivos?

Hoje o artigo será uma reflexão a partir da seguinte pergunta: O que você tem feito para tornar realidade seus objetivos?

Esta é uma pergunta muito frequente em processos de coaching, que visam provocar o coachee (cliente) e tomar consciência do seu estado atual, ter clareza do seu estado desejado a ser alcançado (um objetivo, um resultado, uma mudança ou uma transformação) e, a partir destes 2 pontos, reconhecer tudo o que precisa ser feito para concretizar este objetivo de processo.

Nestas poucas palavras, dá para sentir que fazer coaching é vivenciar uma metodologia de ação x resultado, que provoca você o tempo todo a entrar em ação, utilizando os recursos necessários, acionando e envolvendo pessoas que sejam importantes para viabilizar e concretizar seu objetivo de coaching. Mas mesmo que você não esteja pensando em fazer coaching, esta leitura lhe servirá para olhar para sua jornada e autoavaliar-se.

Fazer uma autoavaliação é um exercício importante de melhoria continua, de aprimoramento, de autoconhecimento e desenvolvimento pessoal. É praticar a coragem de de olhar para si e perguntar-se:

  • Como estou, como me sinto? (feliz x infeliz, satisfeito x insatisfeito, pleno(a) x incomodado(a), etc);
  • Qual sentido da sua jornada de vida?
  • O que lhe motiva todos os dias a levantar da cama?
  • Por que você faz o que faz, para que faz o que faz, para quem faz o que faz?
  • Você tem feito tudo o que deve ser feito para alcançar seus objetivos?
  • Tem utilizado os recursos disponíveis ao seu alcance neste momento?
  • Tem solicitado apoio, ajuda, participação de outras pessoas quando preciso?

A partir das respostas que você encontra em você mesmo, você tem a possibilidade de ajustar sua rota, repensar o que ainda falta ser feito ou quais impeditivos que estejam impactando na sua realização e o que você pode fazer para superá-los.

Quando assumimos papel ativo na nossa jornada, autorresponsáveis pelas escolhas que fazemos, ações, resultados, mudanças e transformações, colocamos nossa energia no que precisa ser feito e focamos nestes pontos. Entendemos que conquistas e realizações são um processo, uma construção, e que é fundamental dá o seu melhor a todo momento.

Estamos num contexto bastante desafiante. E cabe a cada um de nós se perguntar: o que posso fazer para lidar com as incertezas deste momento? Como posso resolver os problemas e desafios que se apresentam para mim? O que está ao meu alcance e depende só de mim para realizar? Como posso fazer o meu melhor a cada momento?

Convido você a praticar esta reflexão, dar o seu melhor hoje, e não se deixar estacionar no vitimismo, na “terceirização” de responsabilidades em outras pessoas ou no contexto. Lembre-se que por mais adverso que seja o momento, podemos nos perguntar “como posso atravessar tudo isso da melhor forma?” , ao invés de “por que tudo isso está acontecendo?”.

Focar no “por quê” nos paralisa, já nem sempre encontramos as respostas que gostaríamos, nem sempre elas estão disponíveis quando as queremos, e, muitas vezes, elas são construções a serem ainda realizadas. Pensar no  “como” nos leva a focar nas possibilidades, nas oportunidades, e ativar nosso poder de ação para fazer o nosso melhor a cada instante, aceitando o que se apresenta de realidade.

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

CONFLITO: como fazer gestão de conflitos

CONFLITO: como fazer gestão de conflitos

Gestão de conflitos é um daqueles assuntos que interessa a todos exatamente porque  todos nós vivenciamos. Imaginar ou desejar uma vida sem conflitos é simplesmente irreal, ilusão. E como estamos em tempos de pandemia, resolvi escrever sobre este assunto: em casa ou no trabalho, como fazer gestão de conflitos?

O QUE É CONFLITO?

Segundo Berg (2012), a palavra conflito vem do latim conflictus, que significa choque entre duas coisas, embate de pessoas, ou grupos opostos que lutam entre si, ou seja, é um embate entre duas forças contrárias.

Quando falamos de conflito, ou estamos vivenciando ele, percebemos, assim, que existem dimensões antagônicas que o configuram. Sejam antagonismos internos (EU X EU), sejam antagonismos externos (EU X OUTRO ou EU X MUNDO).

Estes antagonismos geram tensão porque eles se contrapõem e criam uma situação dilemática, ou seja, um ponto de estresse, desacordo, discordância, divergência, em que interesses, necessidades e/ou direitos se apresentam desrespeitados, desconsiderados e/ou ameaçados.

MAPEANDO CONFLITOS

Por exemplo: quando vivenciamos um conflito interno (EU X EU), podemos experienciar uma vontade de mudar algo em nós, transformar, realizar algo diferente que se contrapõe ao movimento interno de resistência em permanecer na zona de conforto, no que já é conhecido para nós, no que já sabemos lidar até aqui. O conflito, neste caso, se dá na tensão entre mudar X permanecer, ou seja, direcionar forças para fazer diferente, ou continuar no automatismo, no estático, no que já é conhecido.

Agora vamos pensar num exemplo EU X OUTRO, que muitos devem estar vivenciando neste momento de distanciamento social, por não estarmos acostumados a ficar 24hs com nossos familiares, parceiros, filhos, colegas de moradia, bem como muitos também não estavam acostumados ao home-office (teletrabalho). Foque neste momento em alguma situação de conflito com 1 pessoa que você tenha vivenciado ao longo desta quarentena ou esteja vivenciando neste momento com alguém, seja em casa ou parte da sua equipe no seu trabalho.

Faça-se as seguintes perguntas:

  • Qual foi o estopim da situação? O que exatamente deflagrou o conflito?
  • Qual ou quais pontos estavam sendo reivindicados por você e pelo outro? O que se mostra divergente entre estas reivindicações?
  • Alguém cedeu ou está disposto a ceder, flexibilizar?
  • O que significa ceder / flexibilizar para você? E para o outro?
  • Qual ou quais motivos estão por trás da manutenção do conflito? E da busca de resolução?
  • O que preciso aceitar para seguir rumo à resolução? E o outro?
  • Quero resolver efetivamente ou quero ganhar nesta situação X o outro?

Talvez neste exato momento você esteja pensando “mas Lilah, sinceramente, na hora que a coisa está pegando fogo eu não penso nestas perguntas!”. Sim, super acredito. Mas a questão é: e quando você se distancia momentaneamente minimamente do conflito? E quando você consegue estar presente e prestar atenção efetiva no que está acontecendo, mesmo que o outro não esteja fazendo isso? O que você faz com tudo isso?

Estas perguntas propostas acima são exatamente para serem praticadas neste momento de distanciamento momentâneo ou suspensão temporária do conflito, ou seja, nos momentos que o conflito ainda não foi resolvido, gerando espaço de reflexão e busca de soluções.

Agora pensando numa situação exemplo EU x MUNDO, ou seja você na comunidade, você parte do mundo x problema real (exemplo: pandemia COVID-19). Como que você poderia trazer estas perguntas para gerenciar o conflito seu X contexto? Confira algumas possibilidades abaixo:

  • Qual foi o estopim da situação? O que de fato está acontecendo e gerando o conflito?
  • Qual ou quais pessoas estão envolvidas no conflito/situação?
  • Qual ou quais pontos estão sendo reivindicados? O que se mostra divergente entre estas reivindicações x contexto/situação?
  • Você tem poder de ação frente ao contexto? O que você pode fazer para gerenciar este conflito/situação da melhor forma?
  • Quais vantagens e desvantagens em resistir, negar, contrariar o contexto?
  • Quais vantagens e desvantagens em ceder, flexibilizar, aceitar o contexto?
  • Qual ou quais alternativas envolvem mais vantagens e benefícios a todos os envolvidos x contexto/situação?
  • O que preciso aceitar para seguir rumo à resolução? E os outros?

GESTÃO DE CONFLITOS

A questão é que ouvimos muito a seguinte frase: “odeio deixar as coisas em aberto, odeio esperar, odeio deixar um problema sem solução.” De fato, quando temos um conflito em andamento, ou uma questão em aberto, vivenciamos emoções as mais diversas, inclusive desagradáveis. Mas estamos acostumados e somos incentivados por nossa sociedade a sermos resolutos, a entender que tomar decisões precisam ser rápidas e de preferência imediatas. Porém esquecemos que quando fazemos isso o tempo todo, deixarmos de prestar atenção noutras possibilidades, nas reais necessidades envolvidas em cada situação dilemática, e que tomadas de decisões e solução de problemas podem ser construídas ao longo do processo.

A proposta deste artigo de hoje foi ampliar nossa reflexão sobre gestão de conflitos. De lembrar-nos que solucionar ou gerenciar conflitos vai muito além de evitar novos, ou de solucioná-lo rapidamente, muitas vezes buscando apenas “nos livrar” dele.

Gerenciar conflitos envolve:

  • Entrar em contato com os interesses, necessidades, direitos dos envolvidos;
  • Questionar se o conflito em questão é relevante e qual grau de impacto;
  • Identificar oportunidades e ameaças que a situação apresenta;
  • Identificar e reconhecer o grau de poder de ação dos envolvidos x contexto (“o que está ao meu alcance para agir, fazer, resolver e superar este problema?”)
  • Aguçar a curiosidade e pensar criativamente;
  • Construir alternativas para a resolução do conflito, de preferência contemplando máximo benefício e menor impacto a todos envolvidos;
  • Lembrar que mudanças e transformações são impulsionadas pelos conflitos e sempre promovem aprendizados a todos os envolvidos que estejam abertos para eles.

Para saber mais:

BERG, Ernesto Artur. Administração de conflitos: abordagens práticas para o dia a dia. 1. ed. Curitiba: Juruá, 2012.

https://www.rhportal.com.br/artigos-rh/conflitos-transformando-em-oportunidades/

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

MECANISMOS DE ENFRENTAMENTO

MECANISMOS DE ENFRENTAMENTO

Neste contexto de isolamento social, é fato que todos estão sentindo diversas emoções, pensamentos e comportamentos, conhecidos ou desconhecidos até então, fruto de uma mudança busca de rotina, limitação de liberdade de ir e vir, assim como de suspensão temporária do contato social presencial. Daí vem a pergunta: mas de onde surge tudo isso? Por este motivo, vamos falar hoje sobre mecanismos de enfrentamento.

CONTEXTO

Estamos num contexto com diversos elementos estressores. Temos que ficar em casa para nos protegermos frente a uma ameaça real que impacta diariamente no mundo inteiro: a possibilidade de ser infectado pelo COVID-19, de enfrentar uma síndrome respiratória aguda de alto impacto no organismo, rápida evolução e que tem levado milhares de pessoas ao adoecimento e à morte.

Deparamo-nos diariamente com este fato. Ainda que conhecida desde sempre, a perspectiva da morte, até esta mudança abrupta e ameaçadora de contexto, talvez muitos de nós não lidávamos com esta perspectiva de forma tão próxima e tão presente no cotidiano.

Este fato revela o quanto nós seres humanos temos dificuldade de lidar com a finitude, e com isso muitos comportamentos, emoções e pensamentos os mais variados são ativados, de forma particular em cada um, em diferentes dias, em diferentes momentos do nosso isolamento social.

Além deste primeiro ponto abordado, uma enxurrada de informações 24 horas por dia são veiculadas nos telejornais, na internet, nas redes sociais, veiculando notícias sobre a velocidade de ação da pandemia do COVID-19 no mundo inteiro, revelando incertezas, o não saber lidar com este contexto em escala global, o não conhecimento prévio científico, coletivo e individual para lidar com tamanha ameaça a vida, a não existência prévia de uma vacina, de um tratamento para combater o coronavirus, trazendo à tona a vulnerabilidade de nossa condição humana em escala global.

Vemos diariamente lideranças e cientistas sinalizando estas vulnerabilidades, buscando utilizar os mais diversos recursos para o quanto antes chegar a produção de uma vacina, de medicações para o tratamento, mas sempre pontuando que se trata de  uma produção de conhecimento, soluções e práticas frente à crise construídos dentro dela, ou seja, à medida em que enfrentamos, buscamos soluções em escala global para combater este real problema de alto impacto.

Além disso, nosso contexto conta ainda, infelizmente, com produção de conteúdos falsos, as famosas “fake News”, bem como posicionamento de algumas lideranças negando o contexto, o que gera confusão mental, indignação, raiva, potencializando sensação de estar perdido em cada cidadão frente à tantas incertezas, vulnerabilidades e limitações.

MECANISMOS DE ENFRENTAMENTO

Frente a tudo isso, muitos comportamentos, emoções, pensamentos são esperados, mas nem por isso fáceis de lidar, por nos encontrarmos imersos a este contexto de inúmeros fatores estressores. Quais são eles? Confira abaixo os mais recorrentes e que pode estar acontecendo neste exato momento com você ou algum familiar, amigo, colega ao seu lado:

  • MEDO: contextos estressores ativam nosso sistema repitiliano, nosso sistema mais primitivo, onde se encontram nosso sistema de busca por sobrevivência e preservação da espécie, ativando comportamentos ligados à luta e fuga, em busca de proteção, sobrevivência de si e da espécie como um todo. O medo entra como emoção mais relevante neste processo, ativando a amídala, uma glândula que sinaliza alerta, “pane” ao nosso organismo, liberando hormônio do estresse, o cortisol;
  • NEGAÇÃO: este é um enfrentamento que muitas pessoas apresentam por dificuldade em aceitar o contexto, seus riscos envolvidos, a possibilidade real de adoecimento grave, finitude, enfim de morte. Dentro disso, é muito comum comportamentos de evitativos como não ficar em casa, não seguir as orientações de higienização e desinfecção constantes (lavar a mão, não misturar nem usar utensílios de uso pessoal, evitar aglomerações, usar máscaras e luvas), como que fingindo para si mesmo que nada de grave estivesse acontecendo. Este mecanismo trás à tona a dificuldade que temos de acessar nossas vulnerabilidades, dores, nossa incompetência e impotência frente ao cenário;
  • RAIVA: esta emoção surge neste contexto como uma expressão também de não aceitação do contexto, incertezas, impotência, não saber, perda de referências de rotina, controle, planejamento. É uma emoção que revela muito nosso desejo de continuidade da vida, muito ligada ao nosso mecanismo de luta, de ataque frente a ameças. Revela ainda nosso desejo de que tudo fosse diferente e tivesse outro desfecho, que não o que estamos vivenciando. Sinaliza nossa energia de busca por soluções, saídas, continuidade, enfrentamento, mas também a não aceitação e a sensação de sermos obrigados a nos deparar com o real perigo, ameaça, incertezas, dores, impotência frente aos acontecimentos. Ela pode ser expressa como irritabilidade, impaciência, agitação psicoemocional, agitação motora, aumento da ansiedade, pânico, bem como explosividade e acessos de fúria, variando de pessoa para pessoa;
  • BARGANHA: aqui observamos muito nas nossas tentativas de negociar prazos de quando poderemos voltar à “normalidade”, como se fosse possível de fato voltarmos ao que era antes. Entram também nossas buscas constantes de soluções parciais, paliativas, temporárias, que de fato não resolvem o contexto, mas nos ajudam a “ganhar tempo” até que outras soluções eficazes surjam. É a nossa ação utilizando todas as armas e recursos disponíveis para o enfrentar da situação, porém ela continua nos colocando em contato com nosso risco e ameaça real, perigo, vulnerabilidade, impotência e finitude;
  • TRISTEZA: esta emoção revela nossa dor frente ao contexto, riscos e ameaças envolvidos, nosso sentimento de impotência, de não saber. Revela nossa empatia em sentir não só a nossa dor, mas a dor dos que estão à nossa volta, nos conectando pelas nossas vulnerabilidades. Ela revela nossas dores frente às perdas envolvidas, pessoais, materiais, de pessoas queridas, faltas concretas e subjetivas que experimentamos diariamente, falta do contato social, de estar próximos das pessoas que amamos, saudades, e outras experiências psicoemocionais;
  • CONFORMISMO: alguns podem estar se conformando com o contexto, ficando em casa, tomando todos os devidos cuidados e precauções, mas ainda assim experienciando todas estas emoções anteriormente citadas, expressão a não aceitação efetiva do contexto e seus inúmeros impactos. O conformismo costuma nos levar a comportamentos de lentificação, passividade, resignação, vitimismo, evitativos como a procrastinação, a preguiça, queda de produtividade, dificuldades de atenção e memória;
  • COMPULSÃO: este é um comportamento que revela estratégia compensatória frente aos acontecimentos. Alguns de nós começam a comer mais, trabalhar mais, beber mais, fumar mais, usar mais medicações, comprar mais, usar mais substâncias ilícitas, como estratégias de alívio e compensação frente às faltas, dores, vulnerabilidades que o contexto nos faz acessar;
  • ANEDONIA: muitas pessoas podem apresentar dificuldade, redução ou perda da capacidade de sentir e buscar prazer por se encontrarem neste contexto estressor;
  • CONFUSÃO MENTAL: algumas relatam sentir perda da noção dos dias, por conta do isolamento e dificuldade em diferenciá-los, estabelecer uma rotina minimamente estruturada, além das informações confusas, imprecisas veiculadas nos meios de comunicação;
  • INSÔNIA: o sono pode ser prejudicado em virtude do organismo se encontrar com o sistema de luta e fuga ativado, ou seja, permanecendo em alerta a maior parte do tempo. Isto pode levar pessoas a terem dificuldade de iniciar o sono, ter o sono interrompido, dormir menos horas ou despertar mais cedo que o de costume;
  • LENTIFICAÇÃO: podemos apresentar comportamentos de lentificação do organismo, preguiça, tédio, hipersonia também como estratégia de enfrentamento ao contexto estressor e isolamento social;
  • NEGATIVISMO: manifestado por muitas pessoas por se sentirem reféns do contexto, impotentes, sem perspectivas frentes à tantas incertezas, ou mesmo descrentes. Pode levar pessoas a se sentirem desesperadas, desesperançosas, perder sentido de sua existência e em caso mais graves a tentativas de suicídio.

Todos estes pontos acima citados são experiências emocionais, cognitivas, comportamentais que podemos apresentar como mecanismos de enfrentamento frente ao contexto de pandemia do COVID-19 que estamos vivenciando. Isso significa a importância de perceber o que é congruente com o contexto e o que não é incongruente, de forma inclusive a buscar ajuda profissional (médica, psicoterapia) e mesmo não intensificar estes processos, levando a instalação de transtornos mais graves (violência doméstica, abusos, homicídios, depressão, TEPT, TOC, pensamentos ou tentativas suicidas, transtorno do pânico, TAG, transtornos de ansiedade específicos, fobias, ou mesmo quadros de despersonalização, desrealização, psicose).

PROMOÇÃO DE SAÚDE, PREVENÇÃO E BEM ESTAR

Aproveito e deixo abaixo dicas de como você pode colocar em prática estratégias de enfrentamento focando no seu bem estar, prevenção, saúde física, mental, espiritual para atravessar da melhor forma possível toda esta jornada:

  • ROTINA: procure estruturar uma agenda, seja para seu dia, seja para sua semana. Inclua horários para se alimentar, cuidar de si, de seus familiares, atividades prazerosas, além de trabalho. Procure dormir no mesmo horário. Isto ajudará a diminuir a sensação de incerteza, imprevisibilidade, ainda que sua agenda seja menos intensa que antes;
  • BEM ESTAR: busque atividades prazerosas e diversão. Promova qualidade de vida na sua rotina pessoal, familiar e profissional de modo a lidar com os desafios do contexto de forma mais leve. Inclua filmes, séries leves, bem humoradas, músicas, podcasts, lives de shows e espetáculos além de atividades práticas e lúdicas;
  • ACT: pratique a autoaceitação e compromisso. Gerar autocobrança excessiva, regras muito rígidas para si mesmo e para os outros do seu convívio será mais fatores de tensão e estresse que só potencializarão emoções desagradáveis e conflitos. Negocie com você mesmo e com as pessoas com quem mora o que será bom para todos, respeitando ao máximo as necessidades e direitos dos envolvidos. Assuma compromissos com você mesmo e com os outros para tornar esta jornada mais leve e respeitosa;
  • MEDITAÇÃO E MINDFULLNESS: pratique exercícios de presença, atenção plena, foco na respiração, meditações guiadas que promovem bem estar imediato, promovem autoconhecimento, melhoria na percepção de necessidades físicas, emocionais, relacionais e do que realmente importa;
  • ATIVIDADE FÍSICA: pratique como estratégia de promoção de bem estar físico, mental, já que exercícios físicos liberam hormônios de prazer como as serotoninas. Foque em estar bem, corpo, mente e espírito;
  • CONEXÃO AFETIVA VIRTUAL: o distanciamento é apenas físico. Busque alternativas de se fazer presente na vida de quem ama e elas na sua, utilizando os recursos tecnológicos (videoconferências, telefonemas, whatsapp, etc). Mantenha os vínculos afetivos ativos e presentes na sua vida;
  • APRENDIZADO DE NOVOS CONHECIMENTOS E HABILIDADES: pesquise e coloque em prática novos conhecimentos. Aprenda novas habilidades, faça cursos online, pesquise novos temas e conteúdos que quebrem seu foco nas notícias trágicas, imprecisas. Foque em manter-se ativo e gerando aprendizado e melhoria contínua, isto ajuda seu cérebro perceber um senso de continuidade;
  • CURIOSIDADE: troque o medo pela curiosidade frente ao novo, frente às incertezas. Excercite sua criatividade de diferentes formas, brinque, jogue, dançe, cante, interprete, escreva, recite, descubra, inove;
  • FÉ, ESPERANÇA, CONFIANÇA: cultive práticas que potencializem pensamentos positivos, fortaleça sua confiança tanto em si mesmo para superar o contexto, como na perspectiva de continuidade e ressignificação da vida como um todo. Fé e esperança impactam diretamente de forma positiva no sistema imunológico, no enfrentamento de desafios, na busca de soluções e na capacidade de superação, ou seja, potencializam sua resiliência;
  • CAPACIDADE DE SONHAR: exercite sua capacidade de sonhar, visualizar novos projetos e sonhos de longo alcance. Imaginar o que você quer ser, fazer, realizar a longo prazo, após o pior passar e que daqui até lá você possa se concentrar em construir este plano, identificar recursos necessários, tornar claro o que de fato você quer para você e sua família;
  • SOLIDARIEDADE: pratique ações solidárias diretas ou indiretas, ajude quem estiver ao seu alcance, não importa o tamanho da ação. Sinta-se contribuindo para melhorar nem que seja minimamente a sobrevivência e bem estar de outras pessoas. Seja solidário, cooperativo, foque no bem estar e saúde do coletivo. Todos são importantes.

Estas são dicas de promoção de qualidade de vida, bem estar e saúde integral, cruciais para que todos nós possamos atravessar esta pandemia da melhor forma que estiver ao alcance de cada um de nós, utilizando os recursos que temos, internos e externos, materiais e subjetivos. Temos muito a aprender com todo este contexto, individualmente e em coletivo. Temos muito a construir mais adiante, de forma diferente, levando todos estes aprendizados do processo.

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

AUTOCONHECIMENTO: o impacto na prática

AUTOCONHECIMENTO: o impacto na prática

Ouvimos diariamente o quanto é importante investir no autoconhecimento por diversos motivos, especialmente quanto à promoção de desenvolvimento, aprendizados e melhoria contínua. Mas qual impacto do autoconhecimento na prática? Vamos falar sobre este tema hoje.

CAMINHOS PARA O AUTOCONHECIMENTO

Podemos promover o autoconhecimento por diversos caminhos e estratégias: leituras, vídeos, podcasts, fazer terapia, retiros, meditação, coaching, alimentação, atividade física, atividades e vivências em grupo, trabalho, voluntariado, socialização, relacionamento, hobbies, espiritualidade. Todos estes caminhos permitem você ampliar sua visão e refletir sobre quem você é, o que tem feito, suas realizações, suas conquistas, qualidade de vida, realizações, sua saúde de forma integral.

Perdas e fracassos também são caminhos de autoconhecimento, ainda que muitos de nós resistamos lidar, enfrentar, acolher estes momentos como vias de aprendizados. Até porque nossa sociedade reforça muito a importância do trabalho, das conquistas materiais como caminhos para o sucesso e realizações. Mas você já parou para pensar o que é sucesso e realização para você? E que o trabalho faz parte da nossa vida? Você vive para trabalhar ou trabalha para viver ?

AUTOCONHECIMENTO NA PRÁTICA

Mas como é possível vivenciar o autoconhecimento na prática. Vamos a alguns exemplos dentro do que sinalizamos mais acima como caminhos de autoconhecimento.

AUTOCONHECIMENTO ATRAVÉS DA LEITURA, VÍDEOS E PODCASTS

Cada livro que lemos, cada artigo, reportagem que entramos em contato, se mostra como uma ferramenta de aprendizado e melhoria contínua. Talvez sejam os livros, assim como vídeos, podcasts as ferramentas mais acessíveis para promoção de autoconhecimento, por encontrarmos diversos destes materiais gratuitos ou mesmo a baixo custo.

Eles nos permitem ampliar nossa visão relação à nossa realidade, interna e externa, tanto em relação a nós mesmos, nosso estilo de vida, nossa prática profissional, como nos posicionamos no mundo, os grupos que fazemos parte, em relação ao mundo que fazemos parte, sociedade, o quanto estamos de fato contribuindo para melhorias e como ativamos nosso poder de ação no dia a dia com nós mesmos e com as pessoas à nossa volta para promover transformações.

São doses de reflexão que permitem você se perguntar “quem eu sou? O que eu quero ser? O que estou fazendo? Como estou fazendo? Como posso mudar, transformar a mim mesmo(a) e meu raio de ação? Como posso contribuir mais junto às pessoas da minha comunidade sendo quem sou, através do meu trabalho ou outra forma de agir no mundo?

AUTOCONHECIMENTO ATRAVÉS DA PSICOTERAPIA

Fazer terapia é uma rica jornada de autoconhecimento. É fazer a escolha de conhecer a si mesmo como ferramenta de transformação. Fazer terapia é abrir-se para acolher vulnerabilidades, aprender com elas, superá-las, bem como conhecer suas forças pessoais e o que você pode fazer através de tudo isso, como você pode ativar  seu poder de ação para ser uma pessoa melhor e ajudar às outras à sua volta, assim como sua comunidade, natureza, política, economia.

Fazer terapia é um ato político e social, que parte do individual para o coletivo. Você pode fazer terapia individual ou em grupo. Seja qual for a metodologia, proporcionará muitos aprendizados a partir de sua jornada, quedas e vitórias, assim como ao se abrir para as histórias dos que estão à sua volta, ao escutar ativa e genuinamente o outro, suas dores, suas vulnerabilidades, conhecer suas fraquezas e fortalezas, assim como seus aprendizados e ressignificações de jornada.

Definitivamente, e quebrando o tabu que ainda existe em pleno 2020, TERAPIA É PARA TODOS,  e não somente para quem sofre de alguma doença, transtorno ou distúrbio psicoemocional, psiquiátrico. Permita-se este caminho de autoconhecimento e transformação.

AUTOCONHECIMENTO ATRAVÉS DO COACHING

Fazer um processo de coaching é uma estratégia muito rica e prática de autoconhecimento, porque esta metodologia provoca você o tempo todo refletir para entrar em ação. Refletir de diversas formas, mas sempre tendo em mente um objetivo específico a ser alcançado de modo a direcionar seu poder de ação para realizar mais e melhor, com assertividade rumo aos resultados que está buscando.

As sessões de coaching sempre tem um caminho de reflexão, busca de sentido e motivos para entrar em ação, e alavancagem, ou seja, direcionar em forma de ações, passos estruturados o que você refletiu antes para se aproximar do que está buscando.

O coaching, assim como a psicoterapia, promove o desenvolvimento de habilidades e funções executivas, como tomada de decisão, e resolução de problemas, conduzindo você a ser, viver, realizar, alcançar, conquistar alinhado com o que você acredita, seus valores, sua visão de mundo.

AUTOCONHECIMENTO ATRAVÉS DA ALIMENTAÇÃO

Alimentar-se de forma saudável é também um caminho de autoconhecimento. Isto porque cada indivíduo é um sistema parte de um todo, mas com necessidades específicas.

Comer bem e saudável é um processo continuado de escolhas. Ele faz você aprimorar também seus processos de tomada de decisão, reforçando os motivos que levam você a uma alimentação saudável.

Há pessoas que escolhem comer bem e saudável para viver mais e melhor, outras por motivos estéticos, outras para se sentirem mais energizadas e terem alta performance, outras para lidarem com enfermidades crônicas e autoimunes. Não importa o seu porquê, o fato é que para você tomar a decisão de comer bem e saudável, você precisa se conectar com seus motivos, com o sentido de fazer sua escolha e transformação diária a partir da sua alimentação.

AUTOCONHECIMENTO ATRAVÉS DA ATIVIDADE FÍSICA

A atividade física é uma verdadeira jornada de autoconhecimento que faz você entrar em contato com seus limites, com a sua motivação ou falta dela, motivos para viver mais saudável, desenvolver resiliência física e psicoemocional ao lidar com os altos e baixos que temos ao longo de uma jornada de treinos e pausas, seja por qual motivo for.

Do mesmo modo que a alimentação, pessoas decidem praticá-las por diversos motivos: promoção de saúde e bem estar, energia para melhor performar, melhorar resistência e imunidade frente a enfermidades crônicas e autoimunes, viver mais e melhor. E de novo repito: seja qual for o seu motivo, fazer uma atividade física também envolve escolhas, tomar decisões diariamente e se conectar com seus motivos para ser, fazer, realizar e conquistar o que se propõe, alinhado aos seus valores e estilo de vida que está buscando.

AUTOCONHECIMENTO ATRAVÉS DE VIVÊNCIAS EM GRUPOS E SOCIALIZAÇÃO

Participar de grupos, sejam eles terapêuticos, retiros, atividades culturais, atividades artísticas, atividades físicas, intelectuais e de aprimoramento técnico, entre outros, é uma rica jornada de autoconhecimento através do compartilhar de experiências, ideias, talentos, habilidades e conhecimentos.

É uma forma de conhecer a si e aos outros, promover conexões afetivas, vínculos, empoderamento que só o convívio social nos proporciona, a partir dos relacionamentos que estabelecemos.

É fundamental lembrarmos e termos sempre em mente que somos seres sociais, e isto quer dizer que para sermos enquanto indivíduos precisamos uns dos outros. Nos reconhecemos enquanto semelhantes e diferentes em muitos aspectos que constroem e fortalecem nossa identidade.

AUTOCONHECIMENTO ATRAVÉS DO TRABALHO

O trabalho também é uma rica ferramenta de autoconhecimento. Quando fazemos uma escolha profissional, muitas pessoas buscam uma profissão conectando seus interesses pessoais com conhecimentos das disciplinas, habilidades comportamentais e técnicas, assim como outras tantas escolhem considerando o reconhecimento de determinadas áreas pelos seus familiares, amigos, pares, relevância no meio. O fato é que seja pelo caminho que for, toda escolha profissional fala de nós, de quem somos, dos nossos valores, necessidades emocionais, necessidades materiais, causas que nos conectamos entre outros motivos. E isto muda ao longo da nossa vida, das nossas transformações, vitórias, perdas, fracassos,  que nos servem como oportunidades de reflexão, reconexão com nossos valores e essência e ressignificação da nossa vida e carreira.

É importante lembrar que o trabalho também nos proporciona espaço para exercício de contribuições sociais, diretas ou indiretamente, de ajudar pessoas diretamente com nossas habilidades e talentos, ou mesmo através do próprio negócio, empregando pessoas, levado soluções, produtos, inovações, transformando a sociedade e o meio ambiente.

AUTOCONHECIMENTO ATRAVÉS DO VOLUNTARIADO

O voluntariado nos permite aprender com o ajudar do outro, de quem mais precisa. Aprender com o fazer no social, com a promoção de bem estar e saúde para o outro, de inclusão social, promoção de dignidade à vida, respeito, desenvolvimento de habilidades e conhecimento por uma iniciativa, escolha, decisão de exercer sua contribuição social a partir de projetos e causas específicas.

Estas ações provocam ampliação de visão de mundo, transformações em sentidos de vida, ressignicações, desenvolvimento de empatia, escuta ativa, acolhimento, contato com o que é essencial à vida, com o que realmente importa, a partir desta jornada de colocar-se disponível para ajudar o outro.

Além disso, fazer voluntariado é um ato político e social, de colocar seu poder de ação diretamente na prática, no seu raio de ação, para superar desafios e lacunas que existem na nossa realidade sócio-político-econômica, de assumir responsabilidades e colocar-se como cidadão ativo no mundo.

AUTOCONHECIMENTO ATRAVÉS DA HOBBIES

Fazer uma atividade de hobby é um caminho de autoconhecimento através da criatividade, do lúdico e sem expectativas de retornos materiais. Alguns até transformam hobbies em trabalho ou mesmo empresas, mas quando falamos de praticar um hobby, falamos de decidir fazer algo diferente da sua rotina de trabalho, doméstica, e que permita você se conectar com o que gosta de fazer, interesses, desenvolver novas habilidades aprimorar sua expressão, comunicação, relacionamento, capacidade cognitiva, motora, socialização entre outros aspectos.

Você pode fazer um hobby ligada às áreas artísticas, esportivas, gastronomia, criação e inovação, natureza e meio ambiente. Não  importa qual for, você terá oportunidade de se conhecer ainda mais, reduzir o impacto do estresse e rotina na sua vida, melhorar sua regulação emocional, ampliar suas estratégias de lazer, diversão, desfrute, bem estar e qualidade de vida.

AUTOCONHECIMENTO ATRAVÉS DA ESPIRITUALIDADE

A espiritualidade é uma dimensão de nós seres humanos que precisamos praticar, cultivar tão quanto as outras (social, biológica, psicológica e cultural). É uma dimensão que nos faz entrar em contato com o sentido de nossas vidas, quem somos, nossos valores, construção de identidade, por que e para que fazemos o que fazemos diariamente.

Podemos praticar autoconhecimento através da espiritualidade dentro e fora de templos, participando ou não de egrégoras e religiões. Não existe um formato “standard” para se cultivar a espiritualidade. Existem caminhos diversos, tanto individuais como em grupo, que nos provocam reflexões existenciais sobre SER, EXISTÊNCIA, PROPÓSITO, FÉ, VIDA, MORTE entre outros aspectos que nos mobilizam a pensar, mudar e transformar a nós mesmos, nosso microcosmos, provocar mudanças nos outros, no mundo, ao longo da nossa jornada de vida.

Muito bem, deu para ver com é o autoconhecimento na prática? Como ele pode acontecer por inúmeros caminhos? O fato é que todo processo de autoconhecimento tem grandes impactos na mudança de vida, promoção de saúde integral, bem estar e qualidade de vida, assim como pessoas mais felizes consigo mesmas, mais realizadas com seus trabalhos, seus relacionamentos, suas escolhas e atuando como cidadãs efetivas em suas comunidades e grupos.

Então, comece agora mesmo, escolha 1 caminho que para você faça sentido neste seu momento de vida e permita-se. Tenho certeza que valerá a pena e terá muitas histórias e aprendizados para compartilhar muito em breve!

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

Roda da Vida: Ferramenta de Autoconhecimento

Roda da Vida: Ferramenta de Autoconhecimento

A Roda da Vida é uma excelente ferramenta de autoconhecimento. Ela propõe uma reflexão sobre 4 esferas de vida (Pessoal, Profissional, Relacionamentos, Qualidade de Vida), subdivididas em 12 fatores de análise:

  • Saúde e Disposição
  • Desenvolvimento Intelectual
  • Equilíbrio Emocional
  • Realização e Propósito
  • Recursos Financeiros
  • Contribuição Social
  • Família
  • Desenvolvimento Amoroso
  • Vida Social
  • Criatividade / Hobbies e Diversão
  • Plenitude e Felicidade
  • Espiritualidade

A partir destas fatores, é proposto ao coachee refletir como ele entende cada um destes conceitos, como ele enxerga a expressão deles no seu momento atual e convida ele a dar uma nota de 1 a 10 para avaliar como estar está este indicador no presente.

Ao final, o coachee terá um “raio-x” de como está sua vida de forma integral no estado atual, e é convidado a propor ações para colocar em prática a partir de hoje do que ele acredita ser prioritário a ser ajustado ou potencializado, a partir de suas necessidades e incômodos do momento.

É uma excelente ferramenta de autoavaliação e que pode ser aplicada também ao final para gerar um “Antes e Depois” gerando, assim, um resultado mensurável do que buscou trabalhar ao longo do processo de coaching, evidenciando a eficácia tanto do trabalho realizado como dos seus esforços empenhados rumo ao seu objetivo.

 

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br

As 7 Saúdes

As 7 Saúdes

O ser humano é composto de 5 dimensões que precisamos dedicar tempo e energia para cuidar de cada uma delas. São elas:

Para isso é fundamental que cuidemos da nossa saúde como um todo integrado, como um sistema, e não somente da saúde física e mental.

Como uma forma didática e fácil de entender como colocar este autocuidado na prática, foi criado o conceito das 7 saúdes. Elas nos ajudam a olhar cada dimensão da nossa existência e cuidar para mantê-las bem, saudáveis e em equilíbrio uma com as outras. São elas:

E aqui deixo 7 perguntinhas para você se fazer de modo a refletir como andam as suas 7 saúdes:

  1. Saúde Física: como você cuida do seu corpo?

  2. Saúde Espiritual: como você alimenta seu espírito e seus sonhos?

  3. Saúde Intelectual: como você mantem ativo intelectualmente, buscando novos conhecimentos?

  4. Saúde Familiar: como você cuida e se dedica à sua família?

  5. Saúde Social: como você mantém ativa e cuida das suas relações? Você faz trocas energéticas positivas e colabora junto às outras pessoas?

  6. Saúde Profissional: como que você está na sua carreira? Estagnado ou buscando melhoria contínua, aprendizados, desafios e oportunidades?

  7. Saúde Financeira: como você se relaciona com o dinheiro? Como você se organiza financeiramente? Como você entende que a prosperidade acontece em sua vida?

Cuidar destas 7 saúdes é fundamental porque impacta diretamente no seu nível de felicidade, equilíbrio geral, sentido de vida, carreira, bem estar, assim como nas suas realizações, vivência da abundância e prosperidade.

Estas perguntas são para você começar a partir de agora a refletir como que estão cada 1 das suas saúdes, o equilíbrio entre elas e o que você pode gerar de ação a partir de agora para promover cada uma delas e o equilíbrio integral.

 

Coach de Carreira, Psicóloga
MAMTRA – Programa de Coaching de Realização Pessoal e Profissional
11 97664-1629
contato@mamtra.com.br